A Arte da Omissao

Em nome do Terrorismo 2 – George H. W. Bush (Pai Bush)

George H. W. Bush (1989–1993) –  Preparação do cenário

O general Colin Powell, chefe do Estado-Maior do Conjunto das Forças Armadas, recomenda ao governo que:

1) preserve a capacidade militar como forma de evitar potenciais concorrentes

2) impeça que a União Europeia se torne uma potência militar, fora da NATO.

3) desencoraje qualquer desafio à sua preponderância ou tentativa de reverter a ordem económica e política, internacionalmente estabelecida. 

Na mesma época, em 1992, Dick Cheney, secretário de Defesa do governo de George H. W.Bush, divulgou um documento, no qual confirmou que a primeira missão política e militar dos Estados Unidos pós-Guerra Fria consistia em impedir o surgimento de algum poder rival na Europa, na Ásia e na extinta União Soviética.

O Pentágono, desde Ronald Reagan (1981-1989),  já andava a “preparar” cenários de novas ameaças, para se justificarem grandes gastos de dinheiro em financiamento do complexo industrial-militar e toda a sua cadeia produtiva, bem como a colocação de bases militares e tropas nas mais diversas regiões do mundo.

Assiste-se ao desaparecer do “perigo vermelho”, papel representado pela União Soviética e nasce o “perigo verde”,  identificado com o fundamentalismo islâmico, o qual passou a ocupar um espaço fundamental e relevante na agenda internacional dos Estados Unidos. (Eurásia na mira….)

No entanto em 1984,  Reagan tinha resolvido tomar como principal alvo, não  as organizações responsáveis pelos atentados, mas alguns Estados do Terceiro Mundo, que classificou de (estados irresponsáveis e indisciplinados)  acusando-os de patrocinarem o terrorismo. (Eurásia na mira….)

Com o desmembramento da União Soviética e  de todo o bloco socialista, os novos inimigos a combater começam a ser associados ao terrorismo e ao narcotráfico.

Os Estados Unidos, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, tornou-se na única força militar no mundo a ter como principal missão, não a defensiva, mas a ofensiva, não a de guardar as fronteiras nacionais, mas a de projectar seu poder sobre todos os continentes, nos quais instalou seis comandos militares, que caracterizam o domínio imperial. (Hoje já existe mais uma. A AFRICOM)


8 comments on “Em nome do Terrorismo 2 – George H. W. Bush (Pai Bush)

  1. Pingback: Em nome do Terrorismo 3 – William “Bill” Clinton | A Arte da Omissao

  2. Pingback: Em nome do Terrorismo 5 – Geopolítica do petróleo | A Arte da Omissao

  3. Pingback: Em nome do Terrorismo 4 – George W. Bush (Filho Bush) | A Arte da Omissao

  4. Pingback: Em nome do Terrorismo 6 – O grande jogo | A Arte da Omissao

  5. Pingback: Em nome do Terrorismo 7 – O Ocidente em xeque | A Arte da Omissao

  6. Pingback: Em nome do terrorismo 8 – O corredor do petróleo | A Arte da Omissao

  7. Pingback: Em nome do Terrorismo 9 – Os limites do poderio militar | A Arte da Omissao

  8. Pingback: Em nome do Terrorismo 1 – Eurásia (o Palco) | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 20 de Novembro de 2010 by in Em nome do Terrorismo, Eurásia, GEOPOLÍTICA MUNDIAL and tagged , , , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: