A Arte da Omissao

Armas silenciosas para guerras silenciosas (2)

Silent Weapons for QuietWars  (tradução)

 ligne-rouge

TOP SECRET – Armas silenciosas para guerras silenciosas

Introdução Histórica

A tecnologia das armas silenciosas evoluiu a partir da Operations Research (O.R.) , metodologia estratégica e táctica desenvolvida sob a Administração Militar na Inglaterra durante a Segunda Guerra Mundial. O propósito original da Pesquisa Operacional foi o de estudar os problemas estratégicos e tácticos da defesa aérea e terrestre, com o objectivo de usar eficazmente os recursos militares limitados contra os inimigos estrangeiros (ou seja, logística).

Foi logo reconhecido por aqueles em posições de poder, que os mesmos métodos podiam ser úteis para controlar totalmente uma sociedade. Mas seriam necessárias melhores ferramentas.

A engenharia social (análise e automação de uma sociedade) requer a correspondência de grandes quantidades de informação económica sempre em mutação (dados), e de um sistema informático de processamento de dados de alta velocidade, e terá que prever quando a sociedade está quase a render-se.

Os computadores com relés eram muito lentos, mas o computador electrónico inventado em 1946 por J. Presper Eckert e John W. Mauchly, deu corpo ao projecto de lei.

O avanço seguinte foi o desenvolvimento do método “simplex” de programação linear em 1947 pelo matemático George B. Dantzig.

Em 1948, surge o transístor, inventado por J. Bardeen, WH Brattain e Shockley W., prometendo uma grande expansão do sector informático e a redução dos requisitos em armazenamento e energia.

Os em posição de poder, ao terem estas três invenções a servi-los, suspeitaram que já seria possível controlarem o mundo inteiro só com o premir de um botão.

Imediatamente, a Fundação Rockefeller faz uma concessão de quatro anos à faculdade de Harvard, para financiar o Projecto de Pesquisa Económica para o estudo da estrutura da economia americana. Um ano depois, em 1949, a Força Aérea dos Estados Unidos junta-se ao projecto.

Em 1952, o período da concessão terminou e realizou-se uma reunião de alto nível da elite para determinar a próxima fase da pesquisa da O.R. O projecto Harvard foi proveitoso, como confirmado pela publicação de alguns dos seus resultados em 1953,  que sugerem a viabilidade da engenharia económica (social). (Studies in the Structure of the American Economy – copyright 1953 by Wassily Leontief, International Science Press Inc., White Plains, New York).

Projectada na última metade da década de 1940, a nova máquina silenciosa de guerra brilhava no piso do showroom, num hardware banhado a ouro.

Com a criação do maser em 1954, a promessa de se libertar fontes ilimitadas da fusão de energia atómica a partir do hidrogénio pesado na água do mar e a consequente disponibilidade do poder social ilimitado, eram possibilidades apenas a décadas de distância. A combinação era irresistível.

A guerra silenciosa foi calmamente declarada pela elite internacional, numa reunião realizada em 1954. Embora o sistema das armas silenciosas quase que foi exposto 13 anos depois, a evolução do novo sistema de armas silenciosas nunca sofreu grandes retrocessos. Este volume marca o 25º aniversário do início da uerra do silêncio. Esta guerra doméstica tem tido muitas vitórias em várias frentes em todo o mundo.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Advertisements

19 comments on “Armas silenciosas para guerras silenciosas (2)

  1. Pingback: Armas silenciosas paras guerras silenciosas (1) – Bilderberg « A Arte da Omissao

  2. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas – Bilderberg | A Arte da Omissao

  3. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (20) | A Arte da Omissao

  4. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (19) | A Arte da Omissao

  5. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (3) | A Arte da Omissao

  6. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (4) | A Arte da Omissao

  7. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (5) | A Arte da Omissao

  8. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (6) | A Arte da Omissao

  9. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (7) | A Arte da Omissao

  10. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (8) | A Arte da Omissao

  11. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (10) | A Arte da Omissao

  12. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (11) | A Arte da Omissao

  13. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (12) | A Arte da Omissao

  14. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (13) | A Arte da Omissao

  15. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (14) | A Arte da Omissao

  16. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (15) | A Arte da Omissao

  17. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (16) | A Arte da Omissao

  18. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (17) | A Arte da Omissao

  19. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (18) | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: