A Arte da Omissao

Armas silenciosas para guerras silenciosas (3)

Silent Weapons for QuietWars  (tradução de excertos)

(3)

Links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

 ligne-rougeTOP SECRET – Armas silenciosas para guerras silenciosas

Introdução política

Em 1954, foi bem reconhecido por aqueles em posições de autoridade, que seria apenas uma questão de tempo, talvez apenas algumas décadas, até que o público seria capaz de alcançar e abalar  o berço do poder, para os próprios elementos da nova tecnologia de arma-silenciosa estarem tão acessíveis a uma utopia pública, como foram para fornecer uma utopia privada.

O problema principal, o  domínio, girava em torno do tema das ciências da energia.

Energia

Energia é reconhecida como a chave de todas a actividade na terra. As ciências naturais estudam as fontes e controlo da energia natural e das «ciências sociais», teoricamente expressas como economias, Ambas são sistemas contabilísticos: matemáticos. Assim sendo, a matemática é a ciência  primária da energia. E o contabilista pode ser rei se o público se mantiver ignorante acerca da metodologia do sistema contabilístico.

Todas as ciências são meramente meios para atingir um fim. Os meios é o conhecimento. O fim é o controlo.

Permanece apenas uma questão: Quem será o beneficiário? Em 1954, esta foi a  preocupação principal. Embora tenham sido levantadas as chamadas “questões morais”, tendo em conta a lei da selecção natural[1], houve consenso na ideia de que uma nação ou o mundo de pessoas que não usem a sua inteligência, não são melhores que os animais que não a têm. Tais pessoas são animais de carga e bifes numa mesa, por escolha e consentimento.

Consequentemente, no interesse da futura ordem mundial, paz e tranquilidade, foi decidido em privado, avançar com uma guerra silenciosa contra o público norte americano, com o objectivo final de transferir permanentemente a energia natural e social (riqueza) dos muitos indisciplinados e irresponsáveis para as mãos dos poucos auto disciplinados, responsáveis e dignos.

Para a concretização deste objectivo, foi necessário criar, proteger e aplicar novas armas, as quais, como se viu, eram uma classe de armas tão subtis e sofisticadas nos seus princípios de funcionamento e aparência pública, que ganharam o nome de “armas silenciosas“.

Assim, o objectivo da investigação económica, conduzida pelos magnatas do capital (bancários) e pelas indústrias de mercadorias (bens) e serviços, é o estabelecimento de uma economia, a qual seja totalmente previsível e manipulável.

Com o fim de alcançar uma economia totalmente previsível, os elementos da classe baixa da sociedade, desde tenra idade, têm de estar sob total controlo, isto é, têm ser domesticados,  treinados, atribuir-lhes cangas de bois e deveres sociais a longo prazo,  antes que tenham a oportunidade de começarem a questionar a justeza da matéria. A fim de alcançar tal conformidade, a unidades familiares de classe baixa deve ser desintegrada, por um processo crescente de preocupação por parte dos pais  e com o estabelecimento creches governamentais, para ocupar as crianças órfãs.

A qualidade da educação a dar à classe mais baixa deve ser da mais pobre, de modo que o fosso da ignorância que isola a classe inferior da classe superior, permaneça incompreensível à classe inferior. Com esta desvantagem inicial, mesmo os indivíduos brilhantes da classe baixa terão pouca ou nenhuma esperança de se libertarem dos seus destinos. Esta forma de escravatura é essencial para para a classe alta no poder, pois mantém um certo grau de ordem social, paz e tranquilidade.

1Este conceito nada mais foi que uma teoria questionável do elitista Charles Darwin

1 2 3 4 5 6 7  9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

In 1954 this was the issue of primary concern.
Although the so-called “moral issues” were raised, in view of the law of natural selection it was agreed that a nation or world of people who will not use their intelligence are no better than animals who do not have intelligence.
Such people are beasts of burden and steaks on the table by choice and consent.
INTRODUÇÃO POLÍTICA
Em 1954 foi também reconhecida pelas pessoas em posições de autoridade que era apenas uma questão de tempo, apenas algumas décadas, antes que o público em geral seria capaz de agarrar e perturbar o berço do poder, para os elementos muito do novo silent-arma tec hnology eram tão acessíveis para uma utopia pública como eles foram para a prestação de uma utopia particular.
A questão da preocupação principal, o da dominância, girava em torno do tema das Ciências da energia.
Anúncios

25 comments on “Armas silenciosas para guerras silenciosas (3)

  1. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (2) – Bilderberg « A Arte da Omissao

  2. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas – Bilderberg | A Arte da Omissao

  3. Pingback: Armas silenciosas paras guerras silenciosas (1) | A Arte da Omissao

  4. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (20) | A Arte da Omissao

  5. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (19) | A Arte da Omissao

  6. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (4) | A Arte da Omissao

  7. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (5) | A Arte da Omissao

  8. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (6) | A Arte da Omissao

  9. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (7) | A Arte da Omissao

  10. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (8) | A Arte da Omissao

  11. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (10) | A Arte da Omissao

  12. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (11) | A Arte da Omissao

  13. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (12) | A Arte da Omissao

  14. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (13) | A Arte da Omissao

  15. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (14) | A Arte da Omissao

  16. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (15) | A Arte da Omissao

  17. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (16) | A Arte da Omissao

  18. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (17) | A Arte da Omissao

  19. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (18) | A Arte da Omissao

  20. Pingback: Um terço é para morrer…. | A Arte da Omissao

  21. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (9) | A Arte da Omissao

  22. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (10) | A Arte da Omissao

  23. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (13) | A Arte da Omissao

  24. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (17) | A Arte da Omissao

  25. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (18) | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Informação

This entry was posted on 28 de Novembro de 2010 by in Armas silenciosas para guerras silenciosas and tagged , .

Navegação

Categorias

%d bloggers like this: