A Arte da Omissao

Armas silenciosas para guerras silenciosas (12)

Silent Weapons for Quiet Wars  (tradução de excertos)

(12)

Links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

ligne-rouge

 O Modelo E

Uma economia nacional  é composta por fluxos simultâneos de produção, distribuição, consumo e  investimento. Se a todos estes elementos, funções laborais e trabalho, se associar um valor numérico como unidades de medida, por exemplo 1939 dólares, então este pode ser representado por um circuito electrónico e, o seu comportamento pode ser previsto e manipulado com precisão.

Os três componentes electrónicos, condensador, resistência e indutor correspondem aos três componentes ideais de energia passiva da economia, mais conhecidas respectivamente pelas indústrias puras de capital, bens e serviços.

Capacidade económica representa o armazenamento do capital numa forma ou outra.

Condutância económica representa o nível da condutividade das matérias primas para a produção de bens.

Indutância económica representa a inércia do valor económico em movimento. Este é um fenómeno de população conhecido como serviços.

Indutância Económica

Um indutor eléctrico (por exemplo, uma bobina) tem uma corrente eléctrica como fenómeno  primário e um campo magnético como fenómeno secundário (inércia).  Correspondendo a isto, um indutor económico tem um fluxo do valor económico como principal fenómeno e um campo da população como fenómeno secundário (inércia).

Quando o fluxo do valor económico (por exemplo, dinheiro) diminui, o campo de população humana colapsa de forma a manter o valor económico (dinheiro) a fluir (caso extremo – guerra).

Esta inércia pública é o resultado de hábitos de consumos, nível de vida desejado, etc., e é geralmente é um fenómeno de auto-preservação.

Factores indutivos a considerar:

(1) População
(2) Magnitude das actividades económicas do governo
(3) O método de financiamento dessas actividades do governo. (Consulte Peter-Paul Principle – inflação da moeda

Conversão (alguns exemplos)

Carga: coulombs -> dólares (1939).

Fluxo/Corrente: amperes (coulombs por segundo) -> o fluxo de dólares por ano.

Força motivadora: volts -> demanda de dólares (saída).

Condutância: amperes por volt -> fluxo de dólares por ano por demanda de dólar.

Capacidade: coulombs por volts; dólares devidos ao inventário/stock por demanda de dólares.

Relações de fluxo de tempo e oscilações auto-destrutivas

Uma indústria ideal pode ser simbolizada electronicamente de várias maneiras. A maneira mais simples é representar a procura por uma tensão e o fornecimento por uma corrente. Quando isto é feito, a relação entre os dois torna-se no que é chamado de admitância, a qual pode resultar de três factores económicos: (1) previsão do fluxo , (2) fluxo presente e (3) fluxo de retrospectiva.

  1. Prospectiva do  fluxo  é o resultado da propriedade das entidades vivas, relativa ao armazenar energia (alimento) durante um período de pouca energia (por exemplo, o inverno). Consiste em procuras feitas num sistema económico para esse período de baixa energia (estação de inverno). Numa indústria de produção, ela toma várias formas, uma das quais é conhecida como estoque de produção ou inventário. Na simbologia electrónica, a procura específica dessa indústria (uma indústria de capital puro) é representada pela capacidade e o estoque ou recurso é representado por uma carga armazenada. A satisfação da procura da indústria sofre um atraso devido ao efeito de carregamento das prioridades do inventário.
  2. O fluxo presente idealmente não envolve atrasos. É, por assim dizer, entrada hoje para a produção hoje, um fluxo de “mão para boca”. Na simbologia electrónica, a procura específica da indústria (uma indústria pura dos EUA) é representada por uma condutância, que é então uma simples válvula económica (um elemento dissipativo).
  3. O fluxo de retrospectiva é conhecido como hábito ou inércia. Na electrónica esse fenómeno é a característica de um indutor (analogia económica = uma indústria pura de serviços) no qual um fluxo de corrente (analogia económica = fluxo de dinheiro) cria um campo magnético (analogia económica = população activa humana) que, se a corrente (fluxo de dinheiro) começa a diminuir, colapsa (guerra) para manter a corrente (fluxo de dinheiro – a energia)

Outras grandes alternativas à guerra como indutores  ou volantes de inercia económicos,  são um programa aberto de bem estar social, ou um enorme programa aberto espacial (mas frutuoso). O problema com a estabilização do sistema económico é que há muita procura por conta de: (1) muita ganância e (2) muita população. Isto, cria uma indutância económica excessiva que só pode ser equilibrada com capacidade económica (recursos verdadeiros ou valor – por exemplo, em bens ou serviços).

O programa de bem estar social não é mais do que um sistema aberto de crédito equilíbrio,  que cria uma indústria de falsa de capital para dar às pessoas improdutivas um tecto sobre suas cabeças e comida para os  estômagos. No entanto, tal pode ser útil, porque os destinatários tornam-se propriedade do Estado em troca do “dádiva”, um exército permanente para a elite. Quem paga o flautista escolhe a música.

Aqueles que ficam presos na droga económica, devem ir à elite para uma correcção. Nesse sentido, o método de introduzir grandes quantidades de capacidade estabilizadora é emprestado no futuro “crédito” do mundo. Esta é uma quarta lei do movimento – início,  que consiste em realizar uma acção e deixar o sistema antes que a reacção reflectida volte ao ponto de acção – uma reacção tardia.

O meio de sobreviver à reacção é mudar o sistema antes que a reacção possa regressar. Por este meio, os políticos tornam-se mais populares no seu próprio tempo e o público paga mais tarde. De facto, a medida de tal político é o tempo de atraso.

O mesmo é conseguido por um governo, quando imprime dinheiro além do limite do produto nacional bruto, o qual  dá origem ao processo económico chamado inflação. É colocada uma grande quantidade de dinheiro nas mãos do público e mantém-se um equilíbrio contra a sua ganância, cria-se uma falsa autoconfiança neles e, por algum tempo, o lobo fica fora de portas.

Eles devem, eventualmente, recorrer à guerra para equilibrar a conta, porque a guerra, em última instância, é apenas o acto de destruir o credor, e os políticos são os homens atingidos contratados publicamente, que justificam o acto de manter a responsabilidade e o sangue fora da consciência pública. (Veja secção sobre factores de consentimento e estruturação socioeconómica).

Se as pessoas realmente se importassem com os seus semelhantes, controlariam os seus apetites (ganância, procriação, etc.), para que não tivessem de recorrer aos sistemas sociais de crédito ou de bem-estar, que roubam ao trabalhador para satisfazer os vagabundos. Uma vez que a maior parte do público em geral não exercerá restrições, restam apenas duas alternativas para reduzir a indutância económica do sistema.

  1. Deixar a população andar à cacetada até à morte numa guerra,  que só resultará numa destruição total da Terra viva.
  2. Assumir o controle do mundo através do uso de “armas silenciosas” económicas sob a forma de uma “guerra silenciosa”, e reduzir a indutância económica do mundo até a um nível seguro,  por meio de um processo de escravidão e genocídio benevolentes.

A última opção foi tomada como sendo obviamente a melhor. Neste ponto, deve ficar claro para o leitor porque é necessário um segredo absoluto sobre as armas silenciosas. O público em geral recusa-se a melhorar a própria mentalidade e a  fé nos seus semelhantes. Tornou-se num rebanho de bárbaros em proliferação e, por assim dizer, uma praga sobre a face da Terra. Eles não se importam o suficiente com a ciência económica, para aprenderem o porquê de não terem conseguido evitar a guerra, apesar da moral religiosa, e a sua recusa religiosa ou auto gratificante em lidar com problemas terrenos torna a solução do problema terrestre inalcançável para eles.

É deixado para aqueles poucos que estão realmente dispostos a pensar e a sobreviver como os mais aptos, a resolver o problema por si mesmos. Caso contrário, a exposição da arma silenciosa destruirá a nossa única esperança de preservar a semente do verdadeiro futuro da humanidade.

1 2 3 4 5 6 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

The three ideal passive energy components of electronics, the capacitor, the resistor, and the inductor correspond to the three ideal passive energy components of economics called the pure industries of capital, goods, and services, respectively .
Economic capacitance represents the storage of capital in one form or another.
Economic conductance represents the level of conductance of materials for the production of goods.
Economic inductance represents the inertia of economic value in motion.
This is a population phenomenon known as services.
Os três componentes de energia passiva ideal de produtos eletrônicos, o capacitor, a resistência e o indutor correspondem aos três componentes ideais energia passiva da economia chamado as indústrias puras de capital, bens e serviços, respectivamente.
Capacitância económica representa o armazenamento do capital de uma forma ou outra.
Condutância económica representa o nível de condutância das matérias primas para a produção de bens.
Indutância económica representa a inércia de valor econômico em movimento.
Este é um fenómeno de população conhecido como serviços.
Uma economia nacional consiste em simultâneos os fluxos de produção, distribuição, consumo e investimento.
Se todos estes elementos, incluindo funções humanas e trabalhistas recebem um valor numérico em como unidades de medida, digamos, 1939 dólares, então t seu fluxo pode ser ainda mais representado por um fluxo de corrente em um circuito eletrônico, e seu comportamento pode ser previsto e manipulado com precisão útil.
Anúncios

19 comments on “Armas silenciosas para guerras silenciosas (12)

  1. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas – Bilderberg | A Arte da Omissao

  2. Pingback: Armas silenciosas paras guerras silenciosas (1) | A Arte da Omissao

  3. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (2) | A Arte da Omissao

  4. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (20) | A Arte da Omissao

  5. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (19) | A Arte da Omissao

  6. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (3) | A Arte da Omissao

  7. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (4) | A Arte da Omissao

  8. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (5) | A Arte da Omissao

  9. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (6) | A Arte da Omissao

  10. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (7) | A Arte da Omissao

  11. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (8) | A Arte da Omissao

  12. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (10) | A Arte da Omissao

  13. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (13) | A Arte da Omissao

  14. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (14) | A Arte da Omissao

  15. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (15) | A Arte da Omissao

  16. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (16) | A Arte da Omissao

  17. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (17) | A Arte da Omissao

  18. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (18) | A Arte da Omissao

  19. Pingback: Armas silenciosas para guerras silenciosas (9) | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

Informação

This entry was posted on 1 de Dezembro de 2010 by in Armas silenciosas para guerras silenciosas and tagged .

Navegação

Categorias

%d bloggers like this: