A Arte da Omissao

ACORDEM

Para melhor compreender a crise financeira (3)

Continuação  ‘moneychangers’ e a crise económica mundial de 2008 – Bancos Centrais

Continuação Rothschild:

Dinheiro sem Lastro: Lastro, significava que o dinheiro emitido pelos governos tinha que obrigatoriamente ter o seu valor correspondente em ouro nos cofres do governo.

O ouro assim guardado servia de lastro para o dinheiro a circular.  Infelizmente este conceito já não é usado à muito tempo.

Hoje, os governo tentam manter o dinheiro em circulação no mesmo patamar do valor de todos os bens e serviços produzidos no país. É a chamada Base Monetária. A lei que prevalece é a Lei da Oferta e da Procura. Dinheiro sem lastro é aquele emitido sem que haja algo que o garanta como reservas de ouro, recursos em caixa como dólares ou outras moedas fortes, bens duradouros produzidos e bens de consumo disponíveis, produtos agrícolas como cereais, etc.

A fortuna dos Rothschild foi “ganha” pela prática do” fractional reserve lending” (“empréstimo sem lastro“), baseada na multiplicação de vastas somas de dinheiro depositadas por pessoas nas (brokerage and escrow houses) espalhadas pela Europa, através de empréstimos de dinheiro de papel a monarcas e governos. Um dos meios usados e ainda em uso, é o financiamento dos dois lados duma guerra, pois deste modo garantem no mínimo a duplicação dos lucros com os juros cobrados, vença quem vencer.

Mas ainda era necessário passar mais poder para as mãos dos “moneychangers“. Por várias vezes os Rothschild tentaram controlar a emissão da moeda nos USA ao estabelecerem um banco central privado com o único fim de obtenção de lucro. Várias tentativas tiveram a oposição de políticos honestos, os quais na sua maioria foram assassinados  por ordem dos “moneychangers.”

FED ou Sistema Reserva Federal ou Banco Central Americano: Tanto tentaram que acabaram por se tornar nos donos do Sistema da Reserva Federal. O sistema FED arrecada biliões de dólares em juros anualmente e distribui os lucros pelos seus acionistas. E para piorar, o congresso americano concede ao FED o direito de emitir moeda, através do Tesouro Americano, sem cobrar juros.

A técnica do FED: Imprimir dinheiro sem cobertura e empresta-lo a pessoas através da sua rede de bancos afiliados, não perdoando a cobrança de juros. Também com esse mesmo dinheiro, compram dívidas governamentais.

Tendo sido durante muitos anos uma Teoria da Conspiração, felizmente nos dias de hoje é já conhecido como opera e quem faz parte dessa elite. FED é na realidade o líder de um conjunto de bancos internacionais e de pessoas dedicados a perseguir o lucro e a escravizar os povos.

Rothschild Bank of London / Warburg Bank of Hamburg  / Rothschild Bank of Berlin / Lehman Brothers of New York  / Lazard Brothers of Paris  / Kuhn Loeb Bank of New York  / Israel Moses Seif Banks of Italy / Goldman, Sachs of New York  / Warburg Bank of Amsterdam / Chase Manhattan Bank of New York  / First National Bank of New York  / James Stillman / National City Bank of New York  / Mary W. Harnman / National Bank of Commerce, New York  / A.D. Jiullard / Hanover National Bank, New York  /   Jacob Schiff  / Chase National Bank, New York  / Thomas F. Ryan  / Paul Warburg  / William Rockefeller / Levi P. Morton / M.T. Pyne  /  George F. Baker  / Percy Pyne  / Mrs. G.F. St. George  / J.W. Sterling  / Katherine St. George / H.P. Davidson  / J.P. Morgan (Equitable Life/Mutual Life) / Edith Brevour / T. Baker /

Chegou o século vinte e os moneychangers, sempre bem representados pelos Rothschilds e seus áulicos, estavam firmemente  estabelecidos com os seus bancos centrais, dando continuidade à sua prática do  (empréstimo sem lastro) em todas as grandes capitais europeias. Mas havia uma pedra nos seus sapatos. Ainda não existia um banco central americano.

Em 1913, durante as férias parlamentares de  Natal do congresso, em que só  três senadores retornaram à capital para votar, foi perpetrado um dos maiores atos de desprezo pelo povo americano de que há notícia.

Sob a presidência de Woodrow Wilson,  foi promulgado o Federal Reserve Act (Lei da Reserva Federal), a qual  instituiu um banco central privado, “disfarçado”, não apenas para dominar a emissão de moeda mas também para cobrar juros sobre essa emissão. Nada mais do que a milenar prática da usura.

O crescimento da economia americana aumentou e as grandes corporações do país começaram a  expandir-se a partir dos seus fabulosos lucros. Mas os moneychangers não possuíam voz ativa sobre essa expansão, pois ela processava-se ao nível corporativo, e porque  a indústria estava cada vez mais  independente deles, fator que tinha de ser alterado.

O nome de banco central americano consagrado naquela reunião secreta de Jekyll Island, na Geórgia, Federal Reserve Bank, foi escolhido para dar a impressão de que a instituição era pública, sem fins lucrativos e o seu fim era a administração da economia americana em nome dos cidadãos contribuintes.  Um engodo.

Como operam: Primeiro, as letras do tesouro. São promessas de pagamento (“eu devo-te”). As pessoas compram esses títulos para garantir uma taxa de juros segura no resgate futuro. No final do prazo do papel, o governo repaga o valor principal mais juros e o título é destruído. Quatro passos adotados pelo banco central americano para criar dinheiro do nada:

O Federal Open Market Committee (Comité Federal do Mercado Aberto) aprova a compra de letras do Tesouro Americano no mercado aberto.

Esses títulos são comprados pelo banco central americano, o Federal Reserve Bank. O Fed paga pelos títulos com créditos eletrónicos emitidos em favor do banco vendedor. Esses créditos não têm origem, não possuem qualquer lastro.

O Fed simplesmente cria-os e os bancos utilizam esses depósitos como reservas. Como e segundo a prática do ” fractional reserve banking“, os bancos podem emprestar dez vezes mais do que o valor efetivo das suas reservas e sempre a juros. Rapidamente conseguem produzir dinheiro do nada quando os devedores começam a pagar os seus empréstimos.

No crash da bolsa de Wall Street em 1929, os únicos beneficiários foram os moneychangers  que retomaram todas as propriedades e  bens do povo americano para os tornarem a vender nos anos seguintes com grande lucro. 

parte 4

One comment on “Para melhor compreender a crise financeira (3)

  1. Pingback: Para melhor compreender a crise Financeira (2) | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 7 de Fevereiro de 2011 by in crise financeira 2008 and tagged , , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers gostam disto: