A Arte da Omissao

UFO – Project Disclosure – Dossier de Divulgação – O Desconhecimento (4ª Parte)

Devido à natureza da informação contida na secção nº 3.4 do Disclosure Project, ao contrário dos anteriores artigos, onde coloquei apenas excertos, a tradução desta secção é  publicitada na totalidade

Dossier  de divulgação do Projecto Disclosure, tornado publico em 2001

3.4 O Desconhecimento (4ª Parte)

Nela se explica a subtileza usada pelo  governo não oficial, do conhecimento fabuloso sobre comportamento humano, no encobrimento durante décadas, de assuntos que sabem ser verdadeiros, mas por diversos motivos, não os querem mostrar ao mundo.

§

Com base na minha experiência, posso-vos dizer que se informarem os líderes sobre esta matéria, eles vão pôr as  cabeças nas mãos e dizer  como me disseram “Oh meu Deus …” Então, qual é o propósito essencial desta operação secreta?

Descrição: Este grupo é semi governamental, relacionado com USAPS, entidades semi privadas que operam internacionalmente. A maioria das operações está centrada em contractos de projectos industriais privados, relacionados com a compreensão e aplicação das tecnologias  extraterrestres avançadas. As unidades relacionadas e compartimentadas, que também são USAPS, estão responsáveis pela desinformação, activa desinformação, pelo reconhecimento e monitorização dos UFOs, pelos sistemas de armas espaciais e pelos grupos especializados na ligação (por exemplo com a média, dirigentes políticos, a comunidade científica, o mundo corporativo, etc.). Vejam esta entidade como um híbrido entre o governo, USAPS e a industria privada.

Primariamente, este grupo consiste em operações de nível médio e estão relacionadas com USAPS militares e da inteligência, com USAPS ou “unidades pretas” dentro de determinadas entidades corporativas ligadas à alta tecnologia: Seleccionam ligações dentro da comunidade internacional de análise política, dentro de certos grupos religiosos, dentro da comunidade científica e meios de comunicação, entre outros. A identidade de algumas destas entidades e indivíduos, são conhecidas por nós, embora a maioria esteja não identificada.

Aproximadamente 1/3 a ½ ou aqueles que compõem órgãos de decisão estão agora a favor de uma divulgação pública deste assunto; Estes são, em geral, membros mais jovens que têm menos cumplicidade com passados em que ocorreram excessos. Os membros restantes são opostos ou ambivalentes no que diz respeito à divulgação a curto prazo.

A actual política e tomada de decisões, neste momento, parece assentar predominantemente no sector privado, sector civil, em oposição com oficiais militares e de inteligência relacionados com o USAP, embora alguma informação indique, que existe uma significativa autonomia relativa a certas áreas de operações. Avaliamos actualmente, que existe um crescente grau de debate sobre determinadas operações secretas e a conveniência de sua divulgação.

Muitas operações compartimentadas dentro dos projectos “negros” ou dos projectos USAPS, estão estruturadas para que os que desempenham uma determinada tarefa, não tenham conhecimento que a mesma está relacionada com UFO/ET.  Por exemplo, um dos aspectos do programa chamado esforço “star wars”  ou SDI, destinava-se a naves extraterrestres que se aproximavam da terra, mas a grande maioria dos cientistas e dos trabalhadores do programa SDI não o sabem.

Três fontes distintas, corroboraram que, desde o início dos anos 90,  pelo menos 2 naves extraterrestre foram destruídas por sistemas experimentais de armas espaciais.

A grande maioria dos dirigentes políticos, incluindo oficiais da casa branca, líderes militares, líderes do Congresso,  líderes da UN e outros líderes  mundiais, por rotina não são informados sobre este assunto. Quando e se são feitos inquéritos,  eles não referem nada sobre as operações, nem  a existência de qualquer outra operação confirmada a eles. Em geral, a natureza desta entidade secreta,  garante que esses mesmos  líderes não saibam mesmo a quem tais questões devem ser dirigidas.

As grandes bases de operações, além de estarem amplamente diversificados, incluem a Base Aérea de Edwards na Califórnia, a Base Aérea de Nellis em Nevada, particularmente  a S4 e instalações adjacentes, Los Alamos no  Novo México, Forte Huachuca no Arizona (sede da inteligência militar), Arsenal Redstone no Alabama, e uma instalação subterrânea relativamente nova, acessível apenas por via aérea, numa  área remota do Utah, entre outros.  Outros centros de instalações e de operações adicionais, existem noutros países, como o Reino Unido, Austrália e Rússia.

Numerosas agências que têm uma cobertura profunda,  relacionadas com projectos  ” black” e “USAPS”, envolvem-se com estas operações. Destaco, ”National Reconnaissance Office (NRO)”, National Security Agency (NSA), CIA, Agência  de Defesa Inteligente  (DIA), “Air Force Office of Special Investigations “ (AFOSI), Inteligência do exército, força aérea e marinha, FBI e um grupo conhecido como “controle MAJI”.

Uma lista ainda mais extensa de entidades civis e privadas  têm uma participação significativa. A maioria das operações científicas, técnicas e de avançada tecnologia estão centradas em  empresas industriais e de investigação civis. Significativo — e letal — a segurança é fornecida por empresários  privados.

A maioria do pessoal, bem como a liderança da maioria, se não todas estas agências e grupos privados, é alheia e desconhece,  estas não identificadas e compartimentadas operações.

Por esta razão, varrer acusações relacionadas com qualquer agência ou entidade em particular, é totalmente injustificada. “Negação plausível” existe em muitos níveis. Além disso, a especialização e a compartimentação, permite que um número de operações existam,  sem aqueles que estão envolvidos,  saibam que estão relacionadas com o assunto UFO/ET.

Tanto os incentivos positivos para cooperar como sanções por violar sigilo são extraordinárias. Uma fonte militar sénior, relatou  que pelo menos 10.000 pessoas receberam US $1 milhão ou mais, para garantir sua cooperação, ao longo das últimas décadas. Em matéria de sanções, sabemos de mais de um caso digno de crédito onde pessoas tiveram suas famílias ameaçadas se quebrassem  o código de silêncio, e soubemos  de dois  recentes alegados ‘suicídios’ numa  empresa industrial de contractos privados, depois das vítimas começaram a violar o sigilo sobre um projecto de engenharia reversa, relacionado com a tecnologia de ET.

Financiamento: um investigador sénior do Congresso, particularmente relatou que fundos para “black orçamentos”, aparentemente são utilizados em  operações similares, as quais  são USAPS. Este  “orçamento preto’ envolve  US $10 bilhões e pode exceder US $80 bilhões por ano. O montante especifico dedicado para a operação de UFO/ET,  é desconhecida neste momento. Além disso, fundos significativos têm origem no exterior e em  fontes privadas institucionais. Montantes decorrentes destas  actividades também são desconhecidas por nós.

Isto é parte do que conhecemos neste momento. Obviamente, existem mais perguntas do que respostas  e o que é desconhecido excede o que é conhecido. No entanto, temos, creio eu, feito avanços significativos e históricos em compreender como opera esta entidade. Apresentei esta avaliação geral a um número de importantes militares, políticos e figuras do Instituto de política. Fiquei surpreendido,  por ter sido avaliado com muito precisão  e por estar de acordo com avaliações independentes enviadas por eles em separado.

Mas a questão maior é o porquê? Como na vida em geral, os quê, os quem e os como, são mais fáceis do que os porquês. Porque o continuo sigilo e decepção?

Estou relutante em ir mais fundo, porque aqui entramos em  questões relacionadas com motivação e propósito, as quais são sempre uma área bastante esquisita, mal definida no melhor dos casos. E isso, eu tenho medo, não é nenhuma matéria vulgar, e as emoções, motivações e propósitos por de trás dessas acções altas e extraordinárias, são complexas e dissonantes. Na verdade, esses motivos são provavelmente uma manta de retalhos , desde o inicialmente nobre e bem-intencionados, até aos depravados.

Fonte: DISCLOSURE PROJECT BRIEFING DOCUMENT

Parte 1 Parte 2 Parte 3 Parte 4 Parte 5

Advertisements

4 comments on “UFO – Project Disclosure – Dossier de Divulgação – O Desconhecimento (4ª Parte)

  1. Pingback: UFO – Project Disclosure – Dossier de Divulgação – O Desconhecimento (3ª Parte) | A Arte da Omissao

  2. Pingback: UFO – Project Disclosure – Dossier de Divulgação – O Desconhecimento (1ª Parte) | A Arte da Omissao

  3. Pingback: UFO – Project Disclosure – Dossier de Divulgação – O Desconhecimento (2ª Parte) | A Arte da Omissao

  4. Pingback: Project Disclosure – Dossier de Divulgação – O Desconhecimento (5ª Parte) | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 10 de Março de 2011 by in Disclosure Project and tagged , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: