A Arte da Omissao

1) Somália – A pirataria marítima e a invasão dos mares Somali

Vivemos a era da propaganda do terrorismo.

Mas existem considerações  pertinentes a serem feitas sobre o terrorismo. Por vezes os identificados como terroristas, são nem mais do que “revoltados” de nações soberanas usurpadas, “revoltados” de verem os seus semelhantes a morrerem à fome,  porque o lucro das suas riquezas naturais foram  redireccionadas para as grandes corporações, “revoltados” de verem os recursos naturais dos seus países a serem “roubados”,  etc, etc. E neste campo, ninguém esta isento de responsabilidade. Por vezes o nosso silêncio representa o compactuarmos com estas acções terroristas, levadas a cabo por nações consideradas civilizadas, porque só e somente querem roubar os invejáveis recursos naturais.

Resolvi então, registar alguns relatos de como se geram alguns  terroristas / piratas. E vou começar pela Somália.

Mohamed Abshir Waldo, jornalista proeminente somali e activista político, publicou em Janeiro de 2009 o

THE TWO PIRACIES IN SOMALIA: WHY THE WORLD IGNORES THE OTHER?

Dois terroristas na Somália: Porque  é que o mundo ignora o outro?

1) Os barcos piratas e a invasão dos mares SOMALI

“Nos dias que correm, grande parte da atenção do mundo está virada para as rotas marítimas da Somália.  As marinhas de grandes e pequenas potências convergem para as águas somalis, no Golfo de Aden, no oceano Indico. O recente sequestro do petroleiro saudita e ucraniano MV Faina, carregado com armas para o Quénia,  ao largo da costa da Somália por piratas somalis, capturou a atenção da comunicação social mundial.

A guerra foi declarada e com razão, contra esta nova pirataria de transportes. Mas a mais velha e mãe de todos os piratas na Somália é a pirataria estrangeira ilegal da pesca nos mares Somali, a qual é simplesmente ignorada. De sublinhar a incompreensão da comunidade internacional, a parcialidade das questões interdependentes subjacentes e a impossibilidade de propor acções para encontrar formas de resolver de forma eficaz esta ameaça da pirataria.

O Conselho de Segurança da ONU, um número de membros que poderiam ter segundas intenções para indirectamente proteger as suas frotas de pesca ilegais nos mares da Somália, aprovaram as resoluções 1816 e 1838, dando uma licença para qualquer nação que quisesse  um pedaço do bolo marinho somali. Tanto a NATO como a UE emitiram ordens para o mesmo efeito e a Rússia, Japão, Índia, Malásia, Egipto, Iémene e qualquer outra pessoa que pudesse ter um barco e tripulação no mar por alguns meses,  entraram na briga.

Durante anos, diversas tentativas feitas para enfrentar a pirataria nos mares do mundo,  através das resoluções da ONU não conseguiram passar em grande parte porque muitos dos países membros, sentiram que  tais resoluções infringiriam em grande parte as suas soberanias e segurança e não estavam dispostos a abrir mão do controle e patrulhamento das suas próprias águas. As resoluções 1816 e 1838 da ONU que foram impugnadas por uma série de países do Oeste Africano, das Caraíbas e países sul-americanos, foram então aplicadas  apenas na Somália, nação que não tinha representação forte e  suficiente nas Nações Unidas para exigir alterações de forma a proteger a sua soberania. Também as objecções da sociedade civil da Somália para os projectos de resolução foram ignoradas.

Esta invasão maciça da “Armada Global” é levada a cabo com o pretexto de proteger as rotas de comércio marítimas do Golfo de Aden e do Oceano Índico, da pirataria Somali, que ameaça perturbá-las. Embora existam dois gangues de piratas desagradáveis, desumanos e criminosos na Somália, apenas um deles é publicitado pelos meios de comunicação ocidentais: os piratas Somali atacam a marinha mercante nessas rotas marítimas, onde também operam activamente os caçadores ilegais.”

Parte 1   Parte 2   Parte 3  Parte 4

Anúncios

5 comments on “1) Somália – A pirataria marítima e a invasão dos mares Somali

  1. Pingback: EUROPA – Que vergonha!!!! « A Arte da Omissao

  2. Pingback: 2) Somália – A Pirataria da pesca ilegal « A Arte da Omissao

  3. Pingback: 3) Somália – A origem da guerra à pirataria Somali « A Arte da Omissao

  4. Pingback: 4) Somália – Reclamações da Somália e Recursos sobre pesca ilegal « A Arte da Omissao

  5. Pingback: Mali – Eldorado de urânio, ouro, petróleo e minerais estratégicos … « A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: