A Arte da Omissao

Os exércitos secretos da NATO (5)

Daniele Ganser, professor de história contemporânea na universidade de Basileia e presidente da ASPO-Suíça, publicou um livro de referência sobre os “Exércitos secretos da NATO”. Segundo ele, durante 50 anos, os Estados Unidos organizaram atentados na Europa Ocidental, cuja responsabilidade falsamente atribuíram à esquerda e extrema esquerda,  para os desacreditar aos olhos dos eleitores. Esta estratégia continua ainda hoje, para criar o temor do Islão e justificar as guerras do petróleo.

Pequeno excerto traduzido,  sobre o ataque terrorista na Itália.

1) ATAQUE TERRORISTA NA ITÁLIA

“Numa floresta perto da aldeia italiana Peteano, um carro-bomba explodiu em 31 de Maio de 1972.Quatro membro dos Carabinieri foram atingidos: um ferido e 3 mortos.

Ao inspeccionar o Fiat 500 abandonado, um dos Carabinieri abriu o capô do carro e accionou a bomba. Uma chamada anónima para a polícia dois dias mais tarde, implicou as brigadas vermelhas, um grupo terrorista comunista que tentava alterar o equilíbrio de poder na Itália no momento através de raptos e assassinatos de expoentes do Estado a sangue frio.

Por mais de uma década a população italiana acreditou que os Brigadas Vermelhas foram os responsáveis pelo atentado terrorista de Peteano.

Em 1984, jovem juiz italiano Felice Casso reabriu o caso adormecido há tanto tempo, depois de ter descoberto com surpresa, uma série de tolices e de fabricações em torno da atrocidade Peteano. O juiz Casson descobriu que não tinha havido nenhum inquérito policial na cena e que o relatório que na altura tinha responsabilizado as Brigadas Vermelhas  era uma  falsificação. Marco Morin, um especialista de explosivos da polícia italiana, tinha deliberadamente fornecido uma falsa perícia.

Marco foi um membro da organização de direita italiana ‘ordine nuovo’ e no contexto da guerra fria, contribuiu com sua parte, pensando ser uma forma legítima de luta contra ainfluência dos comunistas italianos. Juiz Casson foi capaz de provar que o explosivo usado no Peteano, ao contrário do referido por Marco, foi C4, o mais poderoso disponível no momento, também usado pela NATO. Casson, anos mais tarde disse aos jornalistas no seu pequeno escritório nas margens da Lagoa de Veneza ;“ Eu queria que uma luz nova fosse derramada sobre esses anos de mentiras e de mistérios. Eu quis  que a Itália pela primeira vez soubesse da verdade“.

Em 24 de Fevereiro de 1972, um grupo de Carabinieri descobriram por acaso, um subterrâneo  perto de Trieste contendo armas, munições,  explosivos. O  C4 entrado era igual ao usado em Peteano.  Os Carabinieri acreditaram ter revelado o arsenal de uma rede criminosa. Anos mais tarde, o inquérito do juiz Casson foi capaz de reconstruir e de provar, que  eles tinham tropeçado no arsenal de um exercito secretostay-behindda NATO ligado à Itália com o nome de Gladio. Casso descobriu  também que o serviço secreto italiano e o governo na época tentaram manter a descoberta de Trieste e, acima de tudo, seu contexto estratégico no maior segredo.

Como Casson continuou a investigar o misterioso caso de Peteano e Trieste, acabou também por descobrir com surpresa, que não só a esquerda mas também a direita Italiana, em conjunto com o serviço secreto militar, tinham estado envolvidos no terror de Peteano. A investigação de Casson, revelou  ainda que a organização de direita, “Ordine Nuovo”, colaborou estreitamente com o serviço militar secreto italiano, SID (ServizioInformazioni Difesa). Juntos, projectaram o terror Peteano e então culparam injustamente  a militante extrema-esquerda italiana, as brigadas vermelhas.

Juiz Casson identificou o membro da “Ordine Nuovo “, Vincenzo Vinciguerra como o homem que colocou a bomba de Peteano. Sendo o último homem numa longo Cadeia de comando, Vinciguerra foi preso anos após o crime.  Ele confessou e testemunhou que foi ”protegido” por uma rede inteira de simpatizantes na Itália e no exterior, os quais asseguraram que após o ataque ele poderia escapar. ‘Entrou um grande mecanismo em acção ‘, Vinciguerra recorda, “isto é, o Carabinieri, o Ministro do Interior, os serviços aduaneiros, os serviços de inteligência militar e civil, aceitaram a causa ideológico do ataque ‘

Vinciguerra estava certo ao assinalar que o terror de Peteano tivesse ocorrido durante um período particularmente agitado da história. Com o início da “revolução da flor”, os estudantes em massa protestaram contra a violência em geral e contra a guerra no Vietname em particular e, a batalha ideológica entre a esquerda política e o direito político, intensificou-se na Europa Ocidental e  Estados Unidos no final da década de 1960.

A grande maioria das pessoas envolvidas nos movimentos sociais de esquerda, baseavam-se em formas não-violentas de protesto, incluindo demonstrações, desobediência civil e acima de tudo acalorados debates. No Parlamento italiano, o partido comunista (Partito Communisto Italiano, PCI) e em menor grau, o partido socialista italiano  (Partito integrou Italiano, PSI), simpatizavam com o movimento. Criticavam os Estados Unidos, a guerra do Vietname e, acima de tudo, a distribuição de poder na Itália, apesar de sua força numérica no Parlamento, ao PCI não eram atribuídos cargos ministeriais e, portanto, foi deliberadamente mantido fora do governo. Também a direita italiana sabia que se tratava de uma discriminação flagrante e uma violação de princípios democráticos básicos.

Foi neste contexto de guerra fria e devido à batalha pelo poder na Europa Ocidental, que a extrema-esquerda e a extrema-direita recorreram ao terror. Na extrema  esquerda, as Brigadas Vermelhas comunistas italianas e  a Germany’s Rote Armee Fraktion (RAF) foram os dois grupos terroristas mais proeminentes na Europa Ocidental.”

A NATO, em colaboração com a CIA , MI6 e outros serviços secretos locais nos países onde operava, é responsável por numerosos actos terroristas que falsamente atribuía à esquerda. Interveio secretamente na política dos países europeus,  colocou-se à parte dos cidadãos e seus governos supostamente «democráticos» e  organizou fraudes eleitorais e golpes de Estado.

Obra a ler. Está disponível em inglês / português na Net. Ganhará um conhecimento de como a NATO operou e continua a operar. O exemplo mais recente é a Líbia. E fala-se à boca cheia em terrorismo. Paradoxo, os próprios terroristas. Tudo tem que cair, sem dúvida. Para tudo renascer. Não vejo outra saída para a Humanidade.

Parte 1 Parte 2 Parte 3 Parte 4 Parte 5 

 

Anúncios

8 comments on “Os exércitos secretos da NATO (5)

  1. Pingback: 4) Os exércitos secretos da NATO « A Arte da Omissao

  2. chatice_tuga
    25 de Maio de 2011

    Um vídeo e assunto a considerar no momento presente.
    – Nova Ordem Mundial
    – Movimento de Contra-Reforma

    Os segredos dos Jesuítas

    Gostar

  3. Pingback: Os exércitos secretos da NATO (1) | A Arte da Omissao

  4. Pingback: Os exércitos secretos da NATO (2) | A Arte da Omissao

  5. Pingback: Os exércitos secretos da NATO (3) | A Arte da Omissao

  6. Chatice
    3 de Outubro de 2013

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 25 de Maio de 2011 by in Nato and tagged , , , , , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: