A Arte da Omissao

Kosovo na UE : Estratégia bizarra de Washington

Não satisfeitos em terem patrocinado a criação artificial do Kosovo, os Estados Unidos decidiram agora empurrar um estado mafioso para a NATO e União Europeia. Um novo membro com estas características é a última coisa que a Europa agora necessita. No entanto, será bom para a consolidação da agenda política e militar da U.S. na região, para não falar no florescente comércio de heroína do Afeganistão… os quais, como Engdahl aponta nesta análise, representam uma ameaça para a Rússia e o no final o tiro poderá sair pela culatra ..

Num dos mais bizarros anúncios de política externa da administração Obama, o Secretária de Estado Hillary Clinton anunciou que Washington irá “ajudar” Kosovo a juntar-se à NATO e União Europeia. Fez esta promessa depois da recente reunião em Washington com o primeiro-ministro do Kosovo, Hashim Thaci, onde elogiou o progresso do governo Thaci na “integração Europeia e desenvolvimento económico”. (1Este anúncio, sem dúvida causou graves dores a governos e oficiais militares de várias capitais da NATO. Poucas pessoas apreciam o plano louco de Clinton em empurrar Kosovo para a NATO e EU.

Geopolítica do Kosovo

O controverso pedaço de estado real hoje chamado Kosovo, fazia parte da Jugoslávia e estave amarrado à Sérvia, até que a campanha militar da NATO em 1999, demoliu o que restava da Sérvia de Milosevic e abriu caminho para os Estados Unidos, com o auxílio duvidoso de nações da UE, sobretudo da Alemanha, à divisão da antiga Jugoslávia em pequenos estados. Foi o caso do Kosovo, assim como o da Macedónia. A Eslovénia e Croácia tinham-se anteriormente separado da Jugoslávia com um forte apoio do Ministério dos Negócios Estrangeiros alemão.

Um breve recordar das circunstâncias que levaram à separação do Kosovo da Jugoslávia, ajudará a perceber o quanto arriscado é para o futuro da Europa, a adesão do Kosovo à NATO ou à EU. Hashim Thaci, actual primeiro-ministro do Kosovo, ocupou esta posição, não através de eleições livres e democráticas mas através do departamento de estado dos EUA. Kosovo não é reconhecido como estado legítimo pela Rússia, Sérvia e uma centena de outras nações. No entanto, foi imediatamente reconhecido, quando declarou a independência em 2008, pela administração Bush e por Berlim.

A adesão do Kosovo à EU, será um dar boas vindas a outro estado falhado, algo que talvez não incomode a Secretária de Estado Hillary Clinton. Com uma taxa de desemprego a rondar os 60%, a sua economia foi sempre a mais pobre da Jugoslávia e hoje ainda é pior. No entanto, a verdadeira questão em termos da segurança e paz futura na EU,  é a natureza do Estado Kosovo que foi criado por Washington desde o final dos anos 90.

O Kosovo é uma pequena parcela de terra num dos locais mais estratégicos da Europa, do ponto de vista geopolítico e  militar americano no controlo dos fluxos de petróleo e na evolução política do Oriente Médio, rico em petróleo, até à Rússia e Europa Ocidental. O atual reconhecimento da auto-declarada República do Kosovo é a continuação da política americana para os Balcãs, desde as ilegais operações de bombardeamento, conduzidas por USA-NATO à  Sérvia — um destacamento da NATO nunca aprovado pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, alegadamente na premissa de que o exército de Milosevic estava prestes a realizar um massacre genocida dos albaneses do Kosovo.

Alguns meses antes desses bombardeamentos, um dos mais pesados desde a II Guerra Mundial, um alto funcionário da inteligência americana numa conversa privada, falou a oficiais do Exército Croata em Zagreb, sobre a estratégia de Washington para a antiga Jugoslávia. De acordo com estes relatos, comunicados confidencialmente a este autor, o objetivo do Pentágono já no final de 1998 era o de assumir o controle do Kosovo, no sentido de garantir uma base militar para controlar toda a região sudeste europeia até às terras do petróleo do Médio Oriente.

Desde Junho de 1999, quando a NATO Kosovo Force (KFOR) ocupou o Kosovo, na altura parte integrante da República Federativa da Jugoslávia (incluindo Sérvia e Montenegro), Kosovo ficou tecnicamente sob um mandato das Nações Unidas, através da resolução 1244 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. A Rússia e a China também concordaram com esse mandato, o que especifica a função da KFOR em assegurar o fim da luta interétnica e das atrocidades entre a minoria sérvia e a maioria islâmica albanesa do Kosovo. De acordo com a resolução 1244, Kosovo permaneceria parte da Sérvia, enquanto se aguardava uma solução pacífica do seu estado. Em 2008, a resolução da ONU foi descaradamente ignorada pelos EUA, Alemanha e outros países  da UE.

Imediatamente após o bombardeamento da Sérvia em 1999, o Pentágono apreendeu 1000 hectares de terra no Kosovo, em Uresevic perto da fronteira com a Macedónia e adjudicou um contracto com Halliburton, quando Dick Cheney era ainda seu Director Executivo e construiu uma das maiores bases militares ultramarinas do mundo, Camp Bondsteel, hoje com mais de 7000 tropas.

O Pentágono já garantiu mais sete novas bases militares na Bulgária e na Roménia, no mar Negro e a norte dos Balcãs, incluindo as bases aéreas Graf Ignatievo e Bezmer na Bulgária e Mihail Kogalniceanu na Roménia, usadas nas operações militares do Afeganistão e Iraque. A instalação Romena hospeda a Joint Task Force–East.

O colossal  Camp Bondsteel no Kosovo e a utilização / valorização dos portos croatas e do Montenegro Adriático na implantação da marinha americana, completa a militarização dos Balcãs.

A agenda estratégica americana para o Kosovo é principalmente militar, seguida ao que parece, do tráfico de narcóticos. Seu foco principal é contra a Rússia e o controlo dos fluxos de petróleo do mar Cáspio ao Médio Oriente. Ao declarar a independência do Kosovo, Washington ganha um Estado fraco totalmente controlável. Enquanto  parte da Sérvia, controlado pelos  militares da NATO, politicamente era inseguro. Hoje o Kosovo é controlado como uma satrapia (província do império Persa) militar da NATO, cuja KFOR tem lá 16.000 militares para uma pequena população de 2 milhões de pessoas. O seu Camp Bondsteel, é uma das cadeias de bases identificadas por Donald Rumsfeld, de “forward operating bases-FOB” e “lily pads”, prontas para acções militares a Leste e a Sul.

Agora se levarem o Kosovo para a União Europeia e NATO, solidificarão essa força militar, uma vez que a República da Geórgia sob a protecção americana falhou miseravelmente em 2008, a preencher esse papel na NATO.

Corredor de transporte da heroína

O controlo militar U.S.-OTAN no Kosovo, vai servir várias finalidades da grande agenda geoestratégica de Washington. Primeiro vai permitir um  maior controle americano  das  rotas do petróleo e  gás para a UE, que partem do Cáspio e Médio Oriente, bem como o controle dos corredores de transportes que ligam a UE ao mar Negro.

Também irá proteger o comércio multi milionário de heroína, que tem crescido significativamente no Afeganistão de acordo com funcionários de narcóticos da UN, desde a ocupação americana. O Kosovo e Albânia são as rotas mais importantes da heroína para a Europa. De acordo com um relatório anual do Departamento de Estado dos EUA, sobre o tráfego internacional de narcóticos, alguma rotas chaves do tráfico de drogas passam pelos Balcãs. Kosovo é mencionado como um ponto-chave para a transferência de heroína da Turquia e Afeganistão para a Europa Ocidental. Essas drogas  fluem sob o olhar atento do governo de Thaci.

A Cia, desde as suas relações com a tribo de Meo no Laos, durante a era de Vietname, protegeu o tráfego de estupefacientes em locais chaves, para garantirem o financiamento das suas operações secretas. Hoje, a escala do tráfego internacional de narcóticos é tal, que os grandes bancos americanos, como o Citigroup, são mencionados por obterem uma parte significativa dos seus lucros a partir do processo de branqueamento.

Uma das notáveis características da pressa indecente de Washington e de outros Estados em reconhecerem a independência do Kosovo, foi o facto de  eles saberem bem que o governo e os dois principais partidos políticos foram de fato dirigidos pelo crime organizado albanês do Kosovo.

Hashim Thaci, actual primeiro-ministro do Kosovo e chefe do partido democrático do Kosovo, é o antigo líder da organização terrorista que os EUA e a NATO treinaram chamada de Exército de Libertação do Kosovo (KLA)

Em 1997, o enviado especial do Balcãs do Presidente Clinton, Robert Gelbard, descreveu o KLA como “sem duvida alguma  um grupo terrorista.” Era muito mais do que isso. Era uma máfia fechada, impossível, portanto, de alguém se infiltrar, que controlava a economia paralela do Kosovo. Hoje o partido democrático de Thaci, de acordo com fontes da polícia europeia, mantém as suas ligações com o crime organizado., ou em albanês, UCK. Em círculos do crime no Kosovo, ele é conhecido como Hashim “The Snake / a cobra”, derivada da sua crueldade pessoal contra os adversários.

A 22 de Fevereiro de 2005 German BND, rotulado de Top Secret, mas que desde então já veio a público, afirmou: “Über die chave-jogador (z wie. b. Haliti, Thaci, Haradinaj) bestehen engste Verflechtungen zwischen Politik, Wirtschaft und operierenden internacional OK-Strukturen im Kosovo.Die dahinter stehenden kriminellen Netzwerke fördern dort die politische Instabilität. Sie haben kein Interesse am Aufbau einer funktionierenden staatlichen Ordnung, durch die ihre florierenden lojas beeinträchtigt werden können.” (OK = Kriminalität organizada). (Tradução: “através de jogadores-chave — por exemplo Thaci, Haliti, Haradinaj — existe uma interligação estreita entre a política, a economia e a criminalidade organizada internacional no Kosovo. As organizações criminosas promovem a instabilidade política. Elas não têm interesse na construção de um funcionamento ordenado do Estado, pois poderia ser altamente prejudicial para os seus negócios em expansão.“[3]

O KLA começou a sua ação em 1996 com o bombardeamento de campos de refugiados que abrigavam refugiados sérvios das guerras da Bósnia e Croácia. Repetidamente chamado para a “libertação” das áreas de Montenegro, Macedónia e partes do Norte da Grécia. Thaci é no mínimo uma figura da estabilidade regional.

Thaci, de 44 anos foi um protegido pessoal da Secretaria de Estado de Clinton, Madeleine Albright, na década de 1990, quando ele era ainda um mero gangster de 30 anos. O KLA foi apoiado desde o início, pela CIA e BND alemão (Serviço Federal de Inteligência da Alemanha). Durante a guerra de 1999, o KLA foi diretamente apoiado pela NATO. Na época, em meados da década de 1990, qundo os Estados Unidos pegaram em Thaci, ele fundou o Grupo Drenica, um sindicato do crime no Kosovo com ligações às mafias organizadas albanêsas, macedónias e italianas. Um relatório classificado de Janeiro de 2007, elaborado para a Comissão da UE, rotulado de”VS-Nur für den Dienstgebrauch” vazou para a comunicação social. Nele estava detalhado o crime organizado do KLA e do sucessor do Partido Democrático.

Em Dezembro de 2010, um relatório do Conselho da Europa, lançado um dia após a comissão eleitoral do Kosovo, referia que o partido do Sr. Thaci ganhou a primeira eleição pós-independência e acusava as potências ocidentais de cumplicidade ao ignorarem as atividades criminosas lideradas por Thaci: “Thaci e esses outros membros do ‘Grupo Drenica’, são consistentemente referenciados como ‘protagonistas’, em relatórios da inteligência, das estruturas mafiosas do crime organizado do Kosovo” refere o relatório. “Descobrimos que o “Grupo Drenica” tinha como chefe  – ou para usar a terminologia das redes do crime organizado –  seu ‘patrão’ – o operador político … Hashim Thaci.” [4]

O relatório declarou que Thaci exerceu “violento controle” sobre o comércio de heroína. Dick Marty, o investigador da União Europeia, apresentou o relatório aos diplomatas europeus dos outros Estados-Membros. A resposta foi o silêncio. Washington estava por atrás de Thaci. 

O mesmo relatório do Conselho da Europa sobre o crime organizado no Kosovo,  acusou a organização mafiosa de Thaci de comércio de órgãos humanos. Figuras do círculo interno do Thaçi foram acusadas de sequestrarem na fronteira da Albânia após a guerra, um número de sérvios cujos rins venderam no mercado negro. Em 2008, num caso revelado num processo judicial da corte do distrito de Pristina,  foi dito que órgãos foram retirados das pobres vítimas numa clínica conhecida como Medicus  [6]

A questão então é a seguinte, porque é que Washington, NATO, UE e o Governo da Alemanha, estavam tão ansiosos em  legitimar um Kosovo separatista?  Um Kosovo gerido internamente por redes criminosas organizadas é fácil para o controlo da NATO. Ele assegura um Estado fraco, que é muito mais fácil trazer sob o domínio da NATO. Combinado com o controle da NATO no Afeganistão, de onde vem a heroína de Kosovo controlada pelo primeiro-ministro Thaci,  o Pentágono está a construir uma rede para cercar a Rússia,que é tudo menos pacífica.

A dependência de Thaci das boas graças dos Estados Unidos e da NATO,  garante que o governo de Thaci vai fazer o que lhe for solicitado. Que, por sua vez, assegure que os EUA ganhem ao consolidarem a sua presença, estrategicamente  vital, no  Sudeste da Europa. É um passo importante na consolidação do controlo da NATO na Eurásia e dá aos Estados Unidos uma grande oscilação no equilíbrio de poder europeu. Pouco admira que Moscovo não tenha acolhido favoravelmente este  desenvolvimento. Os E.U. estão literalmente a jogar com dinamite, potencialmente também com uma guerra nuclear nos Balcãs.

[1RIA Novosti, “US to Help Kosovo Join EU NATO: Clinton,” April 5, 2012.

[2] Rick Rozoff, “Pentagon and NATO Complete Their Conquest of The Balkans,” Global Research, November 28, 2009.

[3] Tom Burghardt, “The End of the Affair: The BND, CIA and Kosovo’s Deep State,” wileaks.org.

[4The Telegraph, “Kosovo’s prime minister ’key player in mafia-like gang,’” December 14, 2010.

[6] Paul Lewis, “Kosovo PM is head of human organ and arms ring Council of Europe reports,” The Guardian, 14 December 2010

Artigos Relacionados:

Five EU countries should recognise Kosovo asap

#########

É doentio o servilismo da UE.

One comment on “Kosovo na UE : Estratégia bizarra de Washington

  1. maria celeste ramos
    14 de Abril de 2012

    Os USA é quem mais ordena !!!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 13 de Abril de 2012 by in Europa, Kosovo and tagged , , , , , , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: