A Arte da Omissao

A história dos Rothschild – Parte 13

links e realces de frases  nesta cor são da minha responsabilidade

Continuação da linha do tempo:(1980)

1980: Começa o fenómeno global das privatizações. Os Rothschilds estão por trás desde o seu início, com o fim de assumirem o controle de todos os activos estatais mundiais.

1981: Banque Rothschild é nacionalizado pelo governo francês. O novo banco passa a ser chamado, Compagnie Européenne de Banque. Os Rothschilds posteriormente criaram um sucessor para este banco, o Rothschild & Cie Banque (RCB), que passou a ser um banco de investimento líder em França.

1982: De 16 de Setembro a 18 do mesmo mês, o futuro Primeiro-Ministro de Israel e então Ministro da Defesa, o judeu Ashkenazi Ariel Sharon, coordena a invasão de Israel ao Líbano, coordenação essa que lhe deu a iluminação de facilitar o assassinato de  1000 a  2000 homens, mulheres e crianças nos massacres de Sabra e Shatila.

1985: Eustace Mullins publica, “Who Owns The TV Networks(Quem é dono das redes de TV – Ndt),” e revela que os Rothschilds têm o controle das três redes principais de TV: NBC; CBS e ABC.

O New York Times reporta que o FBI está ciente de pelo menos uma dúzia de incidentes em que as autoridades americanas forneceram informação classificada aos israelitas, citando o (ex-director assistente do FBI) Raymond Wannal, o departamento de Justiça nada fez.

Richard Smyth, proprietário da MILCO, é  acusado de contrabando de dispositivos temporizadores nucleares a Israel.

N. M. Rothschild & Sons aconselha o governo britânico a privatizar a British Gas. Posteriormente aconselham-no praticamente em todas as outras privatizações estatais de activos, incluindo a British Steel e a British Coal. Norman Lamont, ex banqueiro Rothschild e futuro Ministro das Finanças britânico esteve  intensamente envolvido nessas privatizações.

1986: Mordechai Vanunu, técnico na Dimona (instalação nuclear em Israel) de 1976 a 1985, descobre que a fábrica produzia secretamente armas nucleares. A sua consciência fê-lo falar e em 1986, forneceu ao London Sunday Times os factos e fotos,  e o jornal expôs ao mundo o programa de armas nucleares de Israel. O seu depoimento mostrou que Israel tinha cerca 200 ogivas nucleares armazenadas, sem qualquer debate ou autorização dos seus próprios cidadãos.

A 30 de Setembro de 1986, Vanunu é seduzido a ir a Roma. Lá, foi sequestrado, drogado e enviado para Israel. Após julgamento secreto, foi condenado a 18 anos por, “traição” e “espionagem”, (algo que Israel está muito familiarizado com), embora não tenha recebido nenhum pagamento nem comunicado directamente com potências estrangeiras. Ele ficou em total isolamento por 11 anos, com permissão de visitas ocasionais da família, advogado e um padre, realizadas através de uma tela de metal. Embora ele tenha completado já a sua sentença, o governo de Israel continua a segurá-lo contra a sua vontade.

1987: Edmond de Rothschild cria o World Conservation Bank, destinado à transferência de dívidas de países do terceiro mundo, em troca de terras “doadas” pelos mesmos. Isto é assim projectado para que os Rothschilds possam também ganhar o controle do terceiro mundo que representa 30% da superfície da terra. 

No dia 24 de Abril o jornal Wall Street revela que o ” Role of Israel in Iran-Contra Scandal Won’t be Explored in Detail  by Panels” (o papel de Israel no escândalo  do Irangate não será explorado em detalhe – Ndt)”

1988: A ADL abre um concurso nacional para estudantes de direito para ser elaborado um projecto de lei anti ódio a grupos minoritários. A competição é ganha por Joseph Ribakoff, cuja tese propõe que não só deve ser banido o ódio motivado por violência, mas também  as palavras que a estimulem: suspeitas, atritos, ódio e possível violência, devem ser criminalizadas.

A ADL ao premiar Joseph Ribakoff,  sugere que não só as agências estatais devem monitorizar e restringir a liberdade de expressão em geral, como também devem censurar todos os filmes que critiquem grupos identificáveis. Além disso, mesmo que a pessoa que faz a declaração a possa justificar, por exemplo a crítica dos cristãos à homossexualidade porque a Bíblia expressamente o proíbe, Ribakoff afirma que a verdade não deve ser defendida em tribunal.  A única prova que um tribunal necessitará para garantir uma condenação de discurso de ódio é basear-se em algo que foi dito, e que um grupo minoritário ou membro dele ficou com danos emocionais como resultado de tal crítica.

Portanto, sob as propostas que a ADL forçou a serem leis por todo o mundo,  Jesus Cristo teria sido preso pelo crime de ódio. Esta lei destina-se também a proteger a conspiração de Rothschild. Se esta cabala criminosa for criticada, você poderá será visado como anti-semita e assim corre risco de prisão.

Morre Philippe de Rothschild.

1989: Muitos dos Estados satélites da Europa Oriental, através da influência da Glasnost, tornam-se mais abertos nas suas exigências de liberdade da governação comunista nas suas repúblicas.

Muitas revoluções aconteceram em 1989, a maioria delas envolvendo o derrube de governos comunistas e a substituição deles por repúblicas. Assim, o domínio que os comunistas tinham tido sobre a Europa Oriental (a cortina de ferro) torna-se mais fraco. Como resultado da Perestroika e Glasnost, o comunismo cai não só na União Soviética, mas também na Europa Oriental.

Na Rússia, Boris Yeltsin (cuja esposa é filha do casamento de Joseph Stalin com Rosa Kaganovich) e o governo republicano tomam medidas para acabar com o poder do partido comunista, ao suspender e proibir o partido e apreenderem os seus bens. Isto simbolizou a queda do comunismo na Rússia e resultou no início de um êxodo em massa de 700.000 judeus da antiga União Soviética para Israel.

No jornal israelita, Hotam de 24 de Novembro de 1989, há uma referência a um discurso que, Binyamin Netanyahu, judeu Ashkenazi e na altura Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros deu aos estudantes da Universidade Bar Ilan, e no qual afirma:

“Israel deveria ter aproveitado a repressão das manifestações na China, quando a atenção do mundo estava focada nele, para executar expulsões colectivas dos  árabes do território.”

Os Rothschilds de Londres e Paris anunciam o lançamento de uma nova filial, Rothschild GmbH, em Frankfurt na Alemanha.

 

Fonte:  http://www.rense.com/general88/hist.htm 

A história dos Rothschild – Parte 14 

A história dos Rothschild – Parte 1  – A história dos Rothschild – Parte 2  –   A história dos Rothschild – Parte3 

A história dos Rothschild – Parte 4 –  A história dos Rothschild – Parte 5   –  A história dos Rothschild – Parte 6

A história dos Rothschild – Parte 7 – A história dos Rothschild – Parte 8   –  A história dos Rothschild – Parte 9

A história dos Rothschild – Parte 10 – A história dos Rothschild – Parte 11 –  A história dos Rothschild – Parte 12


 

Anúncios

10 comments on “A história dos Rothschild – Parte 13

  1. Pingback: A história dos Rothschild – Parte 12 « A Arte da Omissao

  2. Ricardo
    4 de Julho de 2012

    Uma questão me intriga, porque em 1981: Banque Rothschild é nacionalizado pelo governo francês?

    Gostar

    • urantiapt
      4 de Julho de 2012

      Fiz alguma pesquisa a encontrei esta possível explicação.

      Parte do sucesso do banco que James Rothschild construiu foi adquirido através dos financiamentos de empréstimos a governos europeus.
      Este sector da banca começou a declinar durante a última parte do século XIX, após a introdução de novos métodos de financiamento a governos.
      Ainda assim, os Rothschilds foram uma grande força nos mercados financeiros europeus até seu banco e Imétal serem nacionalizados em 1981
      pelo governo francês, ficando o banco estatal Compagnie Européenne de Banque. Só em 1986, quando os socialistas perderam o poder, é que os membros da família Rothschild obterem uma nova licença de operação bancária. Em 1987 foi criada a Rothschild & Cie Banque David R. de Rothschild, acompanhado por seu meio-irmão Edouard e primo Eric de Rothschild.
      Em 2003, após a aposentadoria de Sir Evelyn de Rothschild como chefe das empresas N M Rothschild & Sons of London, as firmas inglesa e francesa fundiram-se no Group Rothschild sob a liderança de David R. de Rothschild. Em 2006, a divisão bancária francesa expandiu-se para Bruxelas, Bélgica.

      Gostar

  3. M. Cezar
    4 de Julho de 2012

    É… sem dúvida A história dos Rothschild daria um belo de um filme.

    Esses Ashkenazis são capazes de sacrificar milhares do seu próprio povo somente para usar isso como arma caso alguém decida rebelar seus planos e logo será considerado um anti-semita. Eles precisam ser vistos como um povo inoscente para que a elite tenha o direito de pôr em prática suas ações e pra isso farão quantas guerras forem necessárias. O holocausto foi friamente cauculado:

    Esse é o tipo de coisa que você nunca vai ver na TV.

    Gostar

  4. M. Cezar
    5 de Julho de 2012

    Muito bom esse documentário. Jim Tucker… um grande veterano da teoria.

    Gostar

  5. Pingback: A história dos Rothschild – Parte 14 « A Arte da Omissao

  6. Pingback: A história dos Rothschild – Parte 15 « A Arte da Omissao

  7. Pingback: A história dos Rothschild – Parte 14 | A Arte da Omissao

  8. Pingback: A história dos Rothschild – Parte 15 | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: