A Arte da Omissao

Estado não pára mais PPP e entrega poder negocial aos privados

«Entrou em vigor no passado dia 1 de Julho o Decreto-Lei 111/2012 de 23 de Maio. Este decreto, que revoga o anterior DL 86/2003 que regia as parcerias publico-privadas, informa claramente sobre qual a perspectiva do Governo em relação ao futuro das PPP.

Ao contrário das afirmações públicas mais recentes, este decreto-lei assinado por Pedro Passos Coelho e Vítor Gaspar esclarece que o Estado não pretende abdicar do modelo de PPP para realizar investimentos do dinheiro público e que pretende abdicar do poder que lhe é conferido pelo Código de Contratação Pública para poder alterar as condições destas parcerias danosas. O artigo 48º esclarece que, no que diz respeito a poder alterar contratos de parceria já celebrados, derrogações das regras ou modificações a procedimentos de parceria, o Estado abdicará do seu poder negocial, manietando-se de poderes que lhe são conferidos pela Lei Geral.

O que isto significa é que o governo, no caso de precisar de renegociar contratos de PPP (como seria de esperar considerando-se os elevadíssimos encargos das mesmas para as contas públicas destas parcerias) limita a sua capacidade negocial e permite uma liberdade quase total aos privados, que não aceitarão sair prejudicados de eventuais renegociações. Sendo esta interpretação da nova lei legítima, tal significa que de facto ela será assim interpretada em eventuais acções judiciais por parte das concessionárias, atando o Estado a compromissos insustentáveis, entregando a faca e o queijo na mão dos privados que vivem de parcerias público-privadas de custos públicos e lucros privados. Neste decreto-lei é ainda criada a figura da “Unidade Técnica” para inspeccionar e acompanhar as PPP que, no entanto, existe até agora apenas no papel (prevendo-se que venha a existir apenas para PPP futuras).

O governo prepara-se portanto não só para não parar as futuras PPP como para manietar-se a si mesmo de renegociar as PPP tendo em conta o interesse público.

Caem por terra as afirmações mais audazes que nos últimos tempos surgiam atacando o modelo das PPP, exigindo uma melhor distribuição dos riscos, cortes de encargos para o Estado, comissões parlamentares de inquérito e cortes na despesa. O governo acaba de confirmar por escrito e oficialmente que não pretende alterar as PPP, mantendo-as opacas, caras e insustentáveis. Os grupos económicos que capturam o dinheiro público através deste esquema – Mello, Espírito Santo, Mota-Engil, Soares da Costa – veêm através da nova lei o seus lucros serem estendidos até ao final das concessões. Não existe qualquer interesse do governo em acabar com gastos inúteis ou cortas as subvenções aos grandes grupos económicos, e esta legislação prova-o.»

Fonte: http://auditoriacidada.info/article/parcerias-publico-privadas-estado-n%C3%A3o-p%C3%A1ra-mais-ppp-e-entrega-poder-negocial-aos-privados

Decreto-Lei 111/2012 de 23 de Maio

Advertisements

5 comments on “Estado não pára mais PPP e entrega poder negocial aos privados

  1. Guevara
    18 de Julho de 2012

    Resumindo: A demora do Governo em mexer nas PPP e que eu pensava ser consequência do melindre do assunto e ter de ser tratado com pinças, afinal todo este tempo foi ocupado pelo Passos Coelho em garantir às PPP a continuidade do saque dos dinheiros públicos, através do Decreto-Lei 111/2012 de 23 de Maio.
    Esta decisão do governo prova uma coisa: A burrice dos governantes que participaram nos contratos das PPP que estão a sorver valores incomportáveis para a economia não foi burrice nenhuma, foi cumplicidade na formatação dos contratos em causa. Os tais governantes preparam a mesa com que irão mais tarde banquetearem-se. São por isso criminosos de alto calibre. Os actuais governantes através da lei garantem a legalidade da fraude. E não há quem os fôda!
    Fico incrédulo com o que assisto, ainda mais porque o sacrifício pedido ao povo está a ser violentíssimo, mais até com o que o povo passou no tempo da ditadura.

    Gostar

    • urantiapt
      18 de Julho de 2012

      São os criminosos.

      Merecem o mesmo tratamento que a Islândia aplicou aos criminosos que a levaram à Banca rota.

      Gostar

  2. voza0db
    18 de Julho de 2012

    Olá… Pois é! Afinal parece que andam mesmo por aí uns “diabinhos negros”…

    Gostar

    • urantiapt
      19 de Julho de 2012

      Parece?

      Gostar

      • voza0db
        19 de Julho de 2012

        Dia 18 de Julho de 2012… Foi um dia em que estava especialmente “iluminado” e generoso!!! 😉

        Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 17 de Julho de 2012 by in Portugal and tagged .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: