A Arte da Omissao

Nem todos andam zombies!

images

Activistas na Argentina contra a expansão da americana Monsanto na América Latina – Jan 2013

Argentinos disseram não, ao que apelidam de negócio “mortal” da Monsanto, na América Latina. Em Buenos Aires, o grupo  activista “Milhões contra a Monsanto” organizou um protesto na Casa de Córdoba, província localizada no centro da Argentina, onde a empresa  multinacional americana está a desenvolver a  sua maior fábrica na região.

Segundo os activistas, a construção das instalações foi aprovada pelas autoridades provinciais, mas ainda não foi realizado nenhum relatório oficial sobre os danos ambientais.

Cumplicidade política, é o que os líderes do protesto dizem, está a promover a expansão da “cadeia de lucro e morte” da Monsanto: Monsanto vende sementes que são resistentes ao seu próprio glifosato Roundup, herbicida usado na indústria da soja.

Enquanto isso, milhares de agricultores estão expostos a graves riscos de saúde: cancro,  bebé deformados – como uma recente investigação da Universidade de Buenos Aires demonstrou. Mas a Argentina é apenas um link da expansão da bilionária Monsanto na América Latina. No Paraguai, por exemplo, os manifestantes denunciaram que a empresa de biotecnologia conseguiu introduzir no ano passado a sua soja transgénica, graças aos lobbies económicos ligados ao  presidente Fernando Lugo. Chamam-lhe o “golpe do agronegócio”.

Monsanto reportou ter quase triplicado os seus lucros no primeiro trimestre fiscal de 2012, com o seu boom de vendas regional e com a ajuda dos governos na sua expansão.

Enquanto isso, nas margens da manifestação contra Monsanto, argentinos legisladores da esquerda realizaram uma reunião política onde condenam o poder corporativo do agronegócio e do crescente controle da soberania alimentar por empresas transnacionais. (fonte)

O Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento (BERD) tirou o tapete à Monsanto – Jan 2013

O Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento (BERD) decidiu não dar a mão à gigante OGM Monsanto, num movimento que deixou a controversa empresa americana a lutar para poder continuar o seu planeado desenvolvimento na Europa Oriental.

“Informamos que, nesta transição particular, o BERD e Monsanto foram incapazes de encontrar um projecto estrutural satisfatório de financiamento. Cada instituição continuará a explorar outras oportunidades, a fim de proporcionar aos agricultores e distribuidores um financiamento adequado em tempo adequado, que reconhecemos ser um dos principais desafios para aumentar a produtividade agrícola na região do Banco de operações “(Fonte:. Email com o BERD)

BERD tinha planeado aceitar uma  “partilha de riscos “ no valor de USD 40 milhões com a Monsanto. O BERD estava a  explorar um projecto de financiamento para que médios e grandes agricultores e distribuidores na Rússia, Ucrânia, Sérvia, Hungria, Bulgária e Turquia, pudessem comprar sementes da Monsanto e agro-químicos em parcelas, sem  esta  perder dinheiro caso ocorresse um incumprimento.

Depois de uma forte reacção de grupos por todo o mundo, incluindo uma carta assinada por 158 organizações, cartas  individuais, reuniões com o BERD, um protesto na Sérvia e questões colocadas nos parlamentos alemão e esloveno, temos o prazer de informar que o BERD confirmou que o projecto não ia adiante. Esse fiasco destaca um dos problemas que uma instituição tão grande como o BERD tem, que é o difícil acesso de agricultores individuais sem intermediários, porque o banco não tem a infra-estrutura ns locais nem o conhecimento do local para poder fornecer milhares de empréstimos no valor de algumas centenas ou milhares de euros.

Entretanto a BASF, a maior empresa do mundo em produtos químicos, decidiu na terça-feira, que não vai continuar a pedir a aprovação europeia para as suas batatas geneticamente modificadas, em face da dura resistência.

A BASF disse num comunicado que vai “interromper a busca de aprovações regulamentares para os projectos das suas batatas geneticamente modificadas, fortuna, amadea e modena na Europa, porque o investimento contínuo não pode ser justificado devido à incerteza no ambiente regulatório e às ameaças de destruição dos campos.”

Há um ano atrás, a gigante tinha anunciado que iria interromper o desenvolvimento e comercialização dos novos produtos geneticamente modificados destinados ao mercado Europeu, devido às preocupações de alguns países acerca da tecnologia.

A recente decisão da BASF surge dias depois da  Comissão Europeia, ter anunciado em Bruxelas, que vai congelar o processo de aprovação para as culturas alimentares geneticamente modificados até o final do seu mandato no próximo ano, enquanto  trabalha no sentido de um acordo com países membros da UE. (fonte)

 

Artigos relacionados:

UE quer suspender uso de três inseticidas da Basf e Syngenta

2 comments on “Nem todos andam zombies!

  1. voza0db
    2 de Fevereiro de 2013
  2. Pingback: Monsanto desiste de plantar novos transgénicos na UE | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 1 de Fevereiro de 2013 by in Argentina, Europa, OGM, Saúde and tagged , , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: