A Arte da Omissao

“A Verdadeira História do Grupo Bilderberg ” e o que agora podem estar a planear (1)

Links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Gostaria de realçar que o artigo The True Story of the Bilderberg Group” and What They May Be Planning Now, de Stephen Lendman, que traduzo a seguir,  foi escrito em 2009 e,  pretende ser uma revisão do livro de «Daniel Estulin». Poderão verificar como os planos descritos, hoje são terrivelmente reais.

################

113808

Daniel Estulin, ao longo de mais de 14 anos, investigou e pesquisou a influência do grupo Bilderberg, nos negócios e finanças, política global, guerra e paz, controle dos recursos do mundo bem como o seu dinheiro.

No seu livro, “A Verdadeira História do Grupo Bilderberg”, publicado em 2005 e  actualizado numa nova edição em 2009, afirma que, em 1954 “os homens mais poderosos do mundo encontraram-se pela primeira vez” em Oosterbeek, Holanda, onde “debateram o futuro do mundo” e, decidiram reunir-se anualmente em segredo. Eles se intitularam de Grupo Bilderberg, com uma adesão representada por elites do poder mundial, principalmente da América, Canadá e Europa Ocidental, com nomes sobejamente conhecidos, como David Rockefeller, Henry Kissinger, Bill Clinton, Gordon Brown, Angela Merkel, Alan Greenspan, Ben Bernanke, Larry Summers, Tim Geithner, Lloyd Blankfein, George Soros, Donald Rumsfeld, Rupert Murdoch, outros chefes de Estado, senadores influentes, deputados e parlamentares, influentes do Pentágono e NATO, membros da realeza europeia, representantes seleccionados dos media – e outros, alguns em silêncio, como Barack Obama e muitos de seus principais funcionários.

Sempre bem representados por figuras de topo do Council on Foreign Relations (CFR), FMI, Banco Mundial, Comissão Trilateral, União Europeia, poderosos banqueiros centrais da Reserva Federal, do BCE, Bank of England e Mervyn King.

O autor Daniel Estulin, afirma que por mais de meio século, nenhum tema da agenda ou discussão veio a público, nem era permitida qualquer cobertura pela imprensa. No entanto, Estulin empreendeu “uma jornada de investigação” que se tornou a obra de sua vida:

“Lentamente, uma a uma, penetrei nas várias camadas de secretismo em torno do Grupo Bilderberg, mas nada teria sido possível sem a ajuda de objectores de consciência de dentro e de fora”. Em contrapartida, teve que manter os seus nomes em sigilo.

Seja qual fosse a sua missão no inicio, o grupo é agora  “um governo sombra mundial .. ameaça retirar o nosso direito de dirigirmos os nossos destinos,  (ao criarem) uma realidade perturbadora”, altamente prejudicial ao bem-estar dos povos. Em suma, Bilderberg querem suplantar a soberania individual do Estado-Nação, com um governo mundial todo-poderoso, que controle as corporações com um  check-mated  levado a cabo pela imposição militarizada.

“Imagine um clube privado onde presidentes, primeiros-ministros, banqueiros e generais internacionais esfregam ombros, onde acompanhantes reais garantem que todos se dêem e, onde as pessoas que executam as guerras, mercados e Europa (e América) dizem o  que nunca se atrevem a dizer em público”.

No início da sua história, os Bilderberg decidiram propositadamente “criar uma aristocracia” entre a Europa e Estados Unidos (para chegarem a um consenso como governar o mundo em questões de política, economia e estratégia (geral).”

A NATO era essencial para os seus planos – para garantir que a “guerra perpétua e a chantagem nuclear” fossem usadas sempre que necessárias. Em seguida, avançariam para o saque do planeta, alcançariam a riqueza e poder e, esmagariam todos os adversários.

Junto com o domínio militar, controlar o dinheiro do mundo é crucial, pois com ele vem o controlo absoluto, visão logo entendida pela poderosa família «Rothschild». Assim  o disse, o patriarca Amschel Rothschild :  “Dê-me o controle do dinheiro de uma nação e eu não me importo com quem faz suas leis“.

Os Bilderberg compõem o clube mais exclusivo do mundo. Só o comité directivo dele é quem decide quem convidar e, em todos os casos, os participantes são adeptos de uma só ordem mundial, executada pelas melhores elites do poder. 

De acordo com as regras do Comité Directivo:

“Os convidados têm que vir sozinhos, sem esposas, namoradas, maridos ou namorados. Assistentes pessoais (ou seja, seguranças, guardas-costas, CIA ou outros serviços de segurança secretos) não podem  participar na conferência e têm de comer numa sala separada. Os convidados estão explicitamente proibidos de dar entrevistas a jornalistas”, ou de divulgar o  que se passa nas reuniões.

Os governos anfitriões oferecem segurança total para afastar os intrusos. Um terço dos participantes são figuras políticas. Os outros pertencem à indústria, finanças, académicos, trabalho ou medias corporativas.

A política usada na reunião segue os parâmetros Chatham House Rules, ou seja, os participantes expressam livremente as suas opiniões num ambiente descontraído, pois sabem que  nada  será citado ou revelado ao público. As reuniões “são sempre francas, mas nem sempre terminam  com consenso”.

Na reunião anual participam cerca dos  80 dos mais poderosos do mundo e outros convidados apenas ocasionalmente, por causa do seu conhecimento ou envolvimento em temas relevantes. Os mais valorizados são convidados de novo, e alguns marinheiros de primeira viagem são escolhidos devido à sua possível utilidade mais tarde.

Bill Clinton, Governador do Arkansas, por exemplo, participou em 1991. “Lá, David Rockefeller explicou-lhe o porquê do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) …ser uma prioridade dos Bilderberg e que o grupo precisava dele para o apoiar. No ano seguinte, Clinton foi eleito presidente” e, a 1 de Janeiro de 1994, o NAFTA entrou em vigor. Outros inúmeros exemplos são semelhantes, incluindo quem é escolhido para o governo poderoso, militares ou outras posições chave.

Os objectivos Bilderberg

O grande projecto do Grupo é  “um só governo mundial (World Company) com um único mercado global, policiado por um único exército mundial, financeiramente regulado por um só ‘banco  (Central) mundial’,  uma só moeda global.” A sua “lista de desejos” inclui:

– “Uma identificação internacional, um conjunto de valores universais”;

– Controlo centralizado das populações mundiais através do  “controle da mente”; em outras palavras, controlar a opinião pública mundial;

– Uma nova ordem mundial sem classe média, apenas “governantes e servos”, e, é claro, sem  democracia;

– “Uma sociedade de crescimento zero” sem prosperidade ou progresso, apenas uma maior riqueza e poder para os governantes;

Crises fabricadas e guerras perpétuas;

Controle absoluto da educação para programar a mente do público e treinar os escolhidos para várias funções;

– “Controlo centralizado de todas as políticas nacionais e estrangeiras”

– Expansão do NAFTA e  «WTO» a nível mundial;

Tornar a NATO numa força militar mundial;

– Impor um sistema jurídico universal

– globalizar o “estado de bem-estar, onde os escravos obedientes serão recompensados ​​e os não-conformistas serão alvo de extermínio.”

Parceiros Secretos

Nos EUA, o CFRCouncil on Foreign Relations, (Conselho de Relações Exteriores – Ndt) é dominante. Um de seus 1921 fundadores, Edward Mandell House, foi o principal conselheiro de Woodrow Wilson e correram rumores na altura de ser o verdadeiro poder da nação entre 1913-1921. O Federal Reserve Act foi aprovado em Dezembro de 1913, através do qual foi dado o poder aos banqueiros para criar dinheiro e, a 16th Amendment foi ratificada em Fevereiro, criando o imposto de renda federal para fornecer um fluxo de receita para pagar o serviço da dívida do governo.

Desde os seus primórdios, o CFR esteve comprometido com “um governo mundial baseado num sistema global de financiamento centralizado ….” Hoje, tem milhares de membros influentes (inclusive alguns importantes nos media corporativos), mas mantém um perfil público baixo, especialmente em relação à sua verdadeira agenda. O historiador Arthur Schlesinger chamou-o de “organização de fachada para os americanos .” Ele atende em privado e só publica o que quer que o público saiba. Os seus membros são só americanos.

A Comissão Trilateral é um grupo semelhante que “reúne os correctores de poder global“. Foi fundada por David Rockefeller,  que também é um líder Bilderberg e presidente emérito do CFR, organizações que continua a financiar e apoiar.

Os seus antigos e actuais membros reflectem o seu poder:

– Quase todos os candidatos presidenciais de ambos os partidos;

– Senadores líderes e congressistas;

– Membros-chave do  quarto estado  e seus patrões

– Altos funcionários do FBI, CIA, NSA, instituição de defesa e, outras agências governamentais principais, incluindo o estado, o comércio, o sistema judiciário e tesouraria.

Por sua parte, o  “CFR tem servido como uma agência de emprego virtual para o governo federal sob democratas e republicanos.” Seja quem for que ocupe a Casa Branca, “o poder e a agenda do CFR” não se tem alterado desde a sua fundação em 1921.

O CFR  defende um super estado global, com a América e outras nações a sacrificarem as  suas soberania para um poder central. O fundador de CFR, Paul Warburg era um membro do  grupo de confiança de Roosevelt. Em 1950, o seu filho, James, disse no Comité das Relações Exteriores do Senado : “Teremos um governo mundial quer queiram ou não – pela conquista ou pelo consentimento

Mais tarde, na reunião do Grupo Bilderberg  de 1992, Henry Kissinger disse:

“Hoje, os americanos ficariam indignados se as tropas da ONU entrassem em Los Angeles para restaurar a ordem, amanhã eles agradecerão. Isto é especialmente verdade se fossem informados da eventual existência de uma ameaça externa, fosse ela real ou promovida e que ameaçasse a nossa própria existência. Será então que todos os povos do mundo pedirão aos líderes mundiais para os livrar deste mal …. os direitos individuais serão renunciados de boa vontade com a garantia do bem-estar a eles concedido pelo seu governo mundial.

O CFR planeou uma nova ordem mundial antes de 1942, e a “UN começou com um grupo de membros dele chamado de Informal Agenda Group.” Eles elaboraram a proposta original da ONU, apresentaram-na a Franklin Roosevelt que no dia seguinte a anunciou publicamente. Tal como os 1945 fundadores, os membros do CFR compõem mais de 40 dos delegados dos Estados Unidos.

Segundo o professor William G. Domhoff, autor do Who Rules America  (Quem governa a América – ndt), o CFR opera em “pequenos grupos que congregam líderes das seis categorias conspiradoras (industriais, financeiros, ideólogos, militares, especialistas profissionais – advogados, médicos, etc – e organizações sindicais),  para discutirem detalhadamente os  temas específicos na área dos negócios estrangeiros “. Domhoff acrescentou:

“O Conselho de Relações Exteriores (CFR), embora não seja financiado pelo governo, trabalha  tão estreitamente com ele que é difícil distinguir uma acção do conselho estimulada pelo governo versus uma autónoma. A  maioria das fontes  de rendas são empresas líderes e grandes fundações”. The Rockefeller, Carnegie, Ford,  para citar três e, que são dirigidas por funcionários chaves  da empresas.

Os media – Parceiros dominantes 

O ex-presidente da CBS News, Richard Salant (1961-1964 e 1966-1979) explicou o papel dos grandes media: “O nosso trabalho é dar às pessoas não o que elas querem, mas o que nós decidimos que elas devem ter.”

CBS e outros gigantes da comunicação controlam tudo o que vemos, ouvimos e lemos – através da televisão, rádio, jornais, revistas, livros, filmes, e grandes partes da Internet. Seus altos funcionários e alguns jornalistas comparecem  às reuniões do grupo Bilderberg – com a condição de  não relatarem nada. (Pinto Balsemão tem uma cadeira vitalícia nestas reuniões – Ndt)

A família Rockefeller exerce um poder enorme, apesar do seu patriarca reinante, David fazer 94 anos a 12 de Junho e, certamente, está perto o fim do seu domínio. No entanto, durante anos, “os Rockefellers (liderados por David) ganharam grande influência sobre os media. (Com isso) a família ganhou influência sobre a opinião pública. Com o pulso da opinião pública, ganharam profunda influência na política. E com esta política subtil de corrupção, eles estão a assumir o controle da nação” e, agora, apontam para a dominação mundial total.

O esquema Bilderberger-Rockefeller é fazer com que seus pontos de vista “tão atraentes (camuflados)  se convertam em políticas públicas e pressionem os líderes mundiais a submeterem-se às  ‘necessidades dos mestres do universo’. “A imprensa mundial livre”  é o seu instrumento para disseminar “a propaganda acordada.”

CFR – Gabinete de Controle

“A Lei da Segurança Nacional de 1947, estabeleceu o cargo do Secretário da Defesa.” Desde então, 14 secretários do «DOD» foram membros do CFR.

Desde 1940, cada secretário de Estado, excepto James Byrnes, foi membro do CFR e/ou da Comissão Trilateral.

Nos últimos 80 anos, “Praticamente todos os conselheiros da Defesa Nacional e  Políticas Externas, têm sido membros do CFR.

Quase todos os principais generais e almirantes foram membros do CFR.

Muitos candidatos presidenciais foram /​​são membros do CFR, incluindo Herbert Hoover, Adlai Stevenson, Dwight Eisenhower, John Kennedy, Richard Nixon, Gerald Ford, Jimmy Carter (também membro da Comissão Trilateral) George HW Bush, Bill Clinton, John Kerry e John McCain.

Inúmeros directores da CIA foram / ​​são membros do CFR, incluindo Richard Helmes, James Schlesinger, William Casey, William Webster, Robert Gates, James Woolsey, John Deutsch, George Tenet, Porter Goss, Michael Hayden, e Leon Panetta.

Muitos secretários do Tesouro foram / ​​são membros do CFR, incluindo Douglas Dillon, George Schultz, William Simon, James Baker, Nicholas Brady, Lloyd Bentsen, Robert Rubin, Henry Paulson e Tim Geithner.

Na verdade,  é dito aos presidentes, quem nomear, inclusive os designados para o Tribunal Superior e os mais baixos.

Programação da opinião pública

De acordo com o sociólogo Hadley Cantril, no seu livro de 1967, a Dimensão Humana – Experiências em Pesquisa Política (The Human Dimension – Experiences in Policy Research):

As  “operações governamentais psico políticas são campanhas de propagandas destinadas  a criar tensão contínua  e a manipular diferentes grupos de pessoas a aceitarem o clima de parecer que o CFR procura alcançar no mundo.”

O escritor canadense Ken Adachi (1929 – 1989) acrescentou:

“O que a maioria dos americanos acredita ser “opinião pública ” é, na realidade propaganda cuidadosamente elaborada para induzir um desejado comportamental como resposta por parte do público “.

E o activista australiano, Alex Carey (1922 – 1988) explicou os três mais importantes acontecimentos do século 20 – O crescimento da democracia, o crescimento do poder corporativo e o crescimento da propaganda corporativa como meio de proteger o poder corporativo contra a democracia. “

Controlo da web

Numerosos grupos de reflexão, fundações, os grandes media e outras organizações chave são “equipadas” com membros do CFR. A maior parte dos seus membros vitalícios também pertencem à  Comissão Trilateral e ao grupo Bilderberg, operam secretamente e exercem um poder enorme sobre vários temas nos EUA e no mundo.

Comissão Trilateral fundada por Rockefeller (TC)

Na página 405 das suas memórias, David Rockfeller escreveu:

“Alguns até acreditam que fazemos parte de uma cabala secreta a trabalhar contra os melhores interesses dos Estados Unidos, caracterizando a minha família e eu como ‘internacionalistas’ a conspirar com outros ao redor do mundo, para construir uma estrutura política e económica global mais integrada – Um Mundo, se você quiser. Se essa é a acusação, então sou culpado e estou orgulhoso disso. “

Nesta aliança com os Bilderbergers, a TC também “desempenha um papel vital no esquema da nova ordem mundial, ao usar a riqueza, concentrada nas mãos de poucos, para exercer o controlo do mundo.” Membros do TC partilham pontos de vista comuns e todos se relacionam com o incontestável domínio global. («António Borges – Membro da Comissão Trilateral (grupo Europa

Fundada em 1973 e sediada em Washington, os membros poderosos dos EUA, da UE e do Leste Asiático buscam um objectivo comum – uma “nova ordem económica internacional”, ou  simplesmente uma “nova ordem mundial” dirigida por elites globais dessas  três partes do mundo.

De acordo com o web site do TC “cada grupo regional tem um presidente e um vice-presidente, que juntos constituem a liderança do Comité. A Comissão Executiva reúne mais 36 indivíduos”, que representam proporcionalmente os EUA, União Europeia e Ásia Oriental nos seus primeiros anos, agora alargado para se tornar amplamente global.

Os membros do Comité reúnem-se várias vezes por ano para discutir e coordenar o seu trabalho. O Comité Executivo escolhe membros e, a qualquer momento, cerca de 350 pertencem por um período renovável de três anos. Cada um é um insider perfeito com  experiência em negócios, finanças, política, forças militares, meios de comunicação, incluindo ex-presidentes, secretários de Estado, banqueiros internacionais, grupos de reflexão,  executivos de fundações, presidentes de universidades,  académicos seleccionados, ex-senadores,  congressistas, entre outros.

Apesar dos seus relatórios anuais estarem disponíveis, o seu funcionamento interno, objectivos actuais e operações são secretas – e com uma boa razão. Os seus objectivos para prejudicar o público, não podem ser revelados. Antony Sutton escreveu sobre a Comissão Trilateral:  

“Este grupo de cidadãos estão organizados de uma forma precisa que garanta que os seus pontos de vista colectivos tenham impacto significativo sobre as políticas públicas.”

No seu livro, The Trilateral Commission and Elite Planning for World Management, Holly Sklar escreveu :

Figuras poderosas da América, Europa e Ásia Oriental deixam  “os ricos …. salvaguardar os interesses do capitalismo ocidental num mundo explosivo – provavelmente ao desencorajar o proteccionismo, nacionalismo, ou qualquer resposta que atice as elites umas contra as outras , “na sua busca comum pelo domínio global.

O trilateralista Zbigniew Brzezinski,  (co-fundador da TC) escreveu  no seu livro, Between Two Ages – America’s Role in the Technotronic Era:

As pessoas, governos e economias de todas as nações devem servir as necessidades dos bancos e corporações multinacionais. (A Constituição está ) inadequada …. o antigo quadro da política internacional com a sua esfera de influência …. a ficção da soberania ….claramente  não é mais compatível com a realidade …. ” 

A TC de hoje é global, com membros de países tão diversos como a Argentina, Ucrânia, Israel, Jordânia, Brasil, Turquia, China e Rússia. Antony Sutton acredita que o objectivo da TC é colaborar com os Bilderbergers e CFR para “estabelecerem  objectivos de políticas públicas a  implementar pelos governos de todo o mundo.” Ele acrescentou que “os trilateralistas rejeitaram a Constituição dos EUA e o processo político democrático”. Na verdade, a TC foi criada para conter a “crise da democracia”.

Num relatório oficial da TC, mostraram-se temerosos com “o aumento da participação popular no controle das instituições sociais, políticas e económicas e, sobretudo, com a  concentração do poder do Congresso e governos estatais e locais.”

Para resolver isso, o controle dos media foi essencial para exercer a “restrição sobre o que os jornais, televisões  e rádios podiam noticiar“ Então, de acordo com Richard Gardner , em Julho de  1974 sobre um assunto dos Negócios Estrangeiros (uma publicação CFR):

A liderança da CFR deve fazer “uma corrida final em torno da soberania nacional, desgastando-a parte por parte,” até que a própria noção desapareça do discurso público.

O sucesso dos Bilderberg / CFR / Trilateralistas depende de encontrarem “uma forma de nos levarem a entregar as nossas liberdades em nome de alguma ameaça / crise comum” (o caos – Ndt).  As fundações, instituições de ensino e grupos de reflexão suportados por (essas organizações), obrigadas pelo financiamento dos chamados “estudos”,  são então usados ​​para justificar todos os seus excessos. As desculpas variam, mas o objectivo é sempre a liberdade individual. Nossa liberdade e muito mais.

Bilderbergers, Trilateralistas e membros do CFR querem “um monopólio abrangente” – sobre o governo, dinheiro, indústria e bens que são “auto perpétuos e eternos.” Frederick C. Howe, no seu livro In Confessions of a Monopolist (1906), explica o seu funcionamento em prática:

“As regras dos grandes negócios: Obter um monopólio; deixar que a sociedade trabalhe para si. Enquanto vemos todos os revolucionários internacionais e todos os capitalistas internacionais como inimigos implacáveis ​​uns dos outros, perdemos um ponto crucial ….uma parceria entre o capitalismo monopolista internacional e o socialismo revolucionário. “

No arquivo Rockefeller, Gary Allen escreveu:

“Até o final do século XIX, os santuários de Wall Street entenderam que a forma mais eficiente para ganhar um monopólio foi dizer que era para o” bem público “e” interesse público “.

David Rockefeller aprendeu a mesma coisa de seu pai, John D., Jr, que aprendeu com seu pai, John D. Sr. Eles odiavam concorrência e incansavelmente esforçaram-se para a eliminar – através de David, numa escala global através da Nova Ordem Mundial.

Nos anos 70 e 80, os trilateralistas e membros do CFR colaboraram no “Projecto 1980″, a maior iniciativa de sempre da CFR para orientar acontecimentos mundiais “em direcção a um determinado e desejado resultado (envolvendo) a desintegração total da economia.” Porquê?

Porque na década de 1950 e 1960, o crescimento industrial mundial significou mais concorrência. Foi também um modelo seguido por outros e, “tinha de ser estrangulado no berço” ou, pelo menos, muito contido. Nos Estados Unidos, foi logo no início dos anos 1980. O resultado tem sido a transferência de riqueza dos pobres para os ricos, o encolhimento da classe média, e um plano para a sua eventual extinção.

  Parte 2

Anúncios

11 comments on ““A Verdadeira História do Grupo Bilderberg ” e o que agora podem estar a planear (1)

  1. Já não há mais paciência para esta merda
    3 de Maio de 2013

    Controle centralizado das populações mundiais significa mesmo o controle da mente, do cérebroe da sua bioquímica e electrónica não se trata de controlar a opinião. Escravos obedientes ou os não-conformistas serão recompensados com vidas curtas e acéfalas.

    Gostar

  2. Pingback: “A Verdadeira História do Grupo Bilderberg “e o que agora podem estar a planear (2) | A Arte da Omissao

  3. Pingback: Ufo, energia livre e a soberania mundial | A Arte da Omissao

  4. Pingback: Citizen Hearing On Disclosure | A Arte da Omissao

  5. flavio
    21 de Dezembro de 2013

    o culpado de tudo isso somos nós, inocentes ao votar nesses politicos.”a maior fraqueza do mundo somos nós em votar neles”.Muitas decisões são tomadas de forma autoritaria pelos politicos:sem sentimentos com a nação que trata deles e é escravizada por eles,deveria ter leis mais severas aos facistas e corruptos em todo o mundo assim pensariam varias vezes em efetuar um plano diabolico.na verdade as grandes nações querem guerra p/ roubar um do outro,isso é fato em todas as guerras que ocorreu,que mundo filho da puta é esse,sem amor com outro.no futuro o que faremos sendo forçado a participar de uma guerra que não é nossa.

    Gostar

  6. Pingback: Até quando? | A Arte da Omissao

  7. João Sousa
    10 de Fevereiro de 2016

    Um livro escrito por Stephen Lendman? Esse tipo só faz propaganda em favor de Putin, que credibilidade pode isso ter? Além disso, tem livro escrito a atacar os Estados Unidos e a Ucrânia em favor da Rússia. Acho piada a estes blogs de cegueira ideológica e que apenas fazem desinformação com base em fontes duvidosas. Qual o problema de uma única moeda a nível mundial é um só governo? Deixaria de haver especulação financeira seus iluminados, pois ninguém especula contra a própria moeda! A inclusão dos povos só se faz na união e nunca na fragmentação mas as forças de esquerda por detrás de blogs anónimos com meias verdades e fontes duvidosas e tendenciosas só demonstram o quão alucinados e desesperados são! O mundo é bem mais complexo que as vossas teorias patéticas da conspiração que não passas de ideologia cega encapotada. Quem quiser ler lê o livro do Estulin e depois lê outros mais mas antes de se tirar conclusões é preciso saber quem são os autores como Stephen Lendman e de onde veem! Basta ver na Amazon as críticas ao seu “livro” panfletário sobre a Ucrânia para ficarmos esclarecidos e não é nenhum blog que substitui a cultura e formação das pessoas nem patranhas vendidas na net sem fontes credíveis e apenas fazedoras de opinião curiosamente tal como acusam outros jornais e meios de comunicação mas acabam a fazer a mesma triste figura!

    Gostar

    • Carlos
      11 de Fevereiro de 2016

      Aprende a escrever!

      Gostar

  8. saogens1
    10 de Fevereiro de 2016

    Meus amigos e minhas amigas, deixem-se de merdas, estes de fato e gravata controlam porque não há NERVOS nas pessoas de hoje, vamos para a rua, matar politicos corruptos, incendiar, raptar familiares, tudo o imaginavel é a solução!!! Olhos na Russia é a saída!

    Gostar

  9. Pingback: Interpretações divergentes no campo anti-imperialista – 2ª parte | A Arte da Omissao

  10. Pingback: Interpretações divergentes no campo anti-imperialista – 2ª parte | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 2 de Maio de 2013 by in Bilderberg, Nova Ordem Mundial and tagged , , , , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: