A Arte da Omissao

ACORDEM

As contradições da União Europeia sobre o Hezbolá

Ao designar a ala militar do Hezbollah como uma organização terrorista, a UE manifestou a sua incompreensão da resistência libanesa, que não é nem se tornará num partido político, ainda que participe na política libanesa. Bruxelas manifestou a sua lealdade ao bloco anglo-saxónico (incluindo Israel) à custa de seus próprios princípios.

Rede Voltaire | Beirute (Líbano) | 2 de Agosto de  2013 

ligne-rouge

APphoto_Belgium EU Hezbollah

Durante o Conselho Europeu, o chanceler francês Laurent Fabius congratulou-se pela sua vitória com o seu colega esloveno.

Três dias mais tarde, a Comissão Europeia publicou a sua declaração de decisão sobre a adição da ala militar do Hezbollah à sua lista de organizações terroristas. Ao contrário do costume, a notícia já tinha andado em torno da Terra e Hezbollah respondeu.

O documento oficial foi acompanhado por uma declaração conjunta do Conselho e Comissão, salientando que este “não impede a continuação do diálogo com todos os partidos políticos no Líbano e não afecta a prestação de assistência ao país.” Esta revisão tem como objectivo esclarecer a distinção entre as agências civis e militares do Hezbollah, que permitem à União Europeia discutir com agências civis enquanto condenam as militares.

Na mesma linha, Angelina Eichhorst, embaixadora da União Europeia, foi a Beirute visitar Ammar Moussawi, designado pelo Hezbollah para as relações internacionais, para o informar  que a decisão não afecta o seu relacionamento.

O problema é que esta decisão não faz sentido.

Para ocultar as aspirações místicas do Hezbollah

Na sua essência, o Hezbollah não é um partido político, mas uma rede de resistência à invasão israelita, composta por famílias xiitas, modelada no iraniano Basiji, que adoptou a bandeira (amarela). Aos poucos, a resistência incorporou não-xiitas numa estrutura ad hoc, substituiu o fracasso do Estado libanês, assim como ajudou as famílias dos mártires e os feridos na reconstrução do sul do país, completamente destruído por aviões israelitas. Esta evolução levou a nomear candidatos para as eleições e a participarem no governo.

Sayyed Hassan Nasrallah, seu secretário-Geral, tem repetidamente manifestado relutância em face da política, que para ele é uma actividade corrupta. Em vez disso, ele tem aproveitado cada oportunidade para reafirmar o seu ideal de morrer como um mártir no campo de batalha, como seu filho mais velho, Muhammad Hadi, seguindo os passos de Hussein,  iman na Batalha de Karbala.

Na essência, o Hezbollah é o resultado de uma abordagem mística e não pode ser comparado a um partido europeu. Os seus soldados nada ganham quando combatem e perdem as suas vidas. Envolve-se na guerra porque a sua causa é justa e é uma oportunidade para o sacrifício, ou seja, o desenvolvimento humano. Este foi o significado da revolução do aiatola Ruhollah Khomeini e é a deles.

Apesar da ambiguidade que dá origem à tradução do seu nome, Hezbollah, como “Partido de Deus”, esta rede não é uma organização política e não tem intenção de se tornar numa. Seu nome, derivado do Alcorão, está na sua bandeira: “Quem é aliado Deus, da Sua Mensagem e das suas crenças [terá sucesso] porque é o partido de Deus que será vitorioso.” Aqui deve-se entender o termo “Partido de Deus”, no seu sentido escatológico: é Deus que acabará por triunfar sobre o mal, no final dos tempos.

Muito estranhamente, os europeus – que na sua maioria vê a separação entre os poderes temporal e religioso como uma conquista democrática – censura a essência espiritual do Hezbollah e quer “normalizá-lo” como um partido político. Nas suas mentes, a resistência libanesa não está relacionada com a colonização da Palestina nem da Síria. Seriam sem dúvida melhores a cuidar das suas carreiras políticas do que arriscar as suas vidas numa batalha.

A decisão do Conselho Europeu tem pouco significado prático. Consiste essencialmente em proibir os membros da “ala militar” de viagens na UE e no congelamento das suas contas bancárias: mas não está claro porque é que a luta clandestina contra poderes coloniais iriam abrir contas bancárias com eles.

Então porquê esta confusão? A inclusão do Hezbollah na lista da EU das organizações terroristas é uma velha reivindicação de Tel Aviv, apoiada pelo império anglo-saxão. Trata-se de um esforço de propaganda em que os “bons” são os israelitas e os “maus” são os que recusam que a sua terra seja roubada. A interdição apresentado pelo presidente de Israel, Shimon Peres aos governos da UE e Parlamento Europeu a 12 de Março passado, foi levado até ao Conselho  Europeu pelos Ministros dos Negócios Estrangeiros britânico e francês, William Hague  e Laurent Fabius. Estes juntaram-se aos seus colegas holandês  e austríaco, Frans Timmermans e Michael Spindelegger, após uma forte mobilização dos sionistas americanos, incluindo o ex-governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger.

Mascarar a fracasso de Israel na Argentina

Os comunicadores de Israel tinham urgência para agir. Desde 1994, eles acusaram o Hezbollah e o Irão de explodir um imóvel da mutualista judia em Buenos Aires, matando 85 pessoas. Esta versão  é apresentada como certa em muitas enciclopédias e livros didácticos. No entanto, a justiça argentina questionou tal durante anos. Em Janeiro de 2013, Argentina e Irão criaram uma comissão de juristas independentes para lançar luz sobre a questão. Já existem indicadores de que o ataque foi idealizada pelo ex-ministro do Interior, Vladimir Corach.

Tel Aviv acusou o Hezbollah e o Irão de explodir um autocarro israelita na Bulgária, matando sete pessoas (incluindo um homem-bomba), em 18 de Julho 2012. Inicialmente, o governo búlgaro da centro direita apoiou a acusação antes de ser contrariada pelo seu sucessor de centro-esquerda. Pouco importa, para o Conselho europeu e na ausência de prova judicial, o Hezbolá é politicamente o autor de um atentado no território da União.

De um modo geral, Israel acusa o Hezbollah de fomentar e por vezes de executar  em 30 anos, cerca de vinte ataques contra civis em todo o mundo, uma acusação que ostraciza da Resistência.

Novamente, muito estranhamente, os europeus – que consideram a presunção de inocência como um dado adquirido numa democracia – condena o suspeito antes que ele seja considerado culpado, ou mesmo indiciado. 

Mascarar o fracasso europeu na Síria

Quanto ao mérito, não escapou a ninguém que a verdadeira novidade, neste caso, não foi reconhecida: a intervenção do Hezbollah na guerra na Síria. Já que traímos o nosso compromisso de derrubar o presidente Bachar el-Assad, levemos ao menos o nosso apoio aos «rebeldes» condenando o Hezbolá: assim se pensa em Bruxelas. Foi esse argumento que, ao que parece, ganhou a decisão do Conselho Europeu. Por outro lado, é evidenciado o fracasso britânico e francês de influenciar seja o que for, num conflito que deliberadamente provocaram, para capturar a Síria enquanto acenam a bandeira da colonização, que se tornou a do Exército Sírio Livre.

É esse argumento que, ao que parece, ganhou a decisão do Conselho Europeu. Por outro lado, é evidenciado o fracasso britânico e francês e influenciar seja o que for, num conflito que provocaram intencionalmente para capturar a Síria, enquanto acenam a bandeira da colonização, que se tornou o do Exército Sírio Livre.

Acima de tudo esta condenação tem o mérito de clarificar os campos: de um lado a resistência à opressão colonial, do outro as potências colonizadoras.

Se a atitude britânica não espanta, o Reino Unido a reivindicar o seu estatuto colonial, o mesmo não já não, no que se refere à França, que alternou na sua história os períodos revolucionários e os imperiais.

Assim, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, adoptada em 1789, enuncia no seu 2º artigo, quatro direitos fundamentais, um deles refere a «resistência à opressão». Foi com esta base que em 1940, Charles De Gaulle se opôs ao armistício entre a França e o Reich nazi, ao tomar o comando da Resistência.

Ao contrário, no decurso dos anos 1880, Jules Ferry incarnou a expansão francesa de uma facção de patrões, apregoando uma maior rentabilidade para os seus investimentos, do que em França, na medida em que era o contribuinte que pagaria o exército colonial. Para arregimentar o país, Ferry tornou a escola pública gratuita e obrigatória. Os professores, chamados «black hussars of the Republic » deviam convencer os jovens a alistar-se nas tropas coloniais. E, foi sob os auspícios de Jules Ferry que o actual presidente francês, François Hollande, consagrou o seu mandato.

Se a França moderna é Charles De Gaulle, ele teria podido ser Philippe Pétain, um marechal razoável, que considerou a submissão ao vitorioso Reich tanto mais desejável quanto ele aí via um meio de acabar com a herança de 1789. É, certamente, muito cedo para que as elites francesas o reabilitem, mas condenar a resistência libanesa, é condenar pela  segunda vez Charles De Gaulle à morte por terrorismo.

Definitivamente, os ideais que fizeram a glória da França são actualmente melhor defendidos em Beirute do que em Paris.

Thierry Meyssan (fonte)

ligne-rouge

Nota: realces com esta cor. são da minha responsabilidade

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 11 de Agosto de 2013 by in Hezbollah, Libano, União Europeia and tagged , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers gostam disto: