A Arte da Omissao

ACTIVOS HUMANOS: TERRORISMO SOCIAL – ESCRAVATURA?

images (4)Sim, de tudo um pouco. Terrosrismo social e escravatura.  Andamos tão preocupados com tudo que nem nos apercebemos com a política do TERROR que  tem sido “injectada” pelo governo e por alguns empregadores nos últimos tempos. Para não falar da total destruição do que custou tanto aos nossos pais adquirir. Uma lei de trabalho minímamente justa. Mais uma vez à pala da CRISE, se leva um país à total aniquilação.

Ao ler o artigo ACTIVOS HUMANOS: TERRORISMO SOCIAL – ESCRAVATURA?, recordei algo que me foi dito há pouco tempo, por alguém ligado a um grande Grupo Português. Dizia-me então que tinha conhecimento de funcionários que picavam o cartão na sua hora de saída, mas depois regressavam ao seu posto de trabalho. E nem pensar abrirem o bico. Com muito pena, acreditem, não posso revelar nomes, mesmo porque não me informaram as respectivas localizações. Infelizmente quem regula, ataca só os pequeninos e não faz o seu trabalho como deve ser, pois na maioria dos casos, existem elementos comuns nos dois lados.

A propaganda de terror foi/ é tem sido fácil de implantar, devido à “crise” que deu origem a esta recessão e eles sabem muito bem como tirar partido dela. Mas existem muitas forma de delatar o que se passa numa empresa sem ter que se identificar.  Os canais televisivos estão sedentos destes casos. Perpetuar esta conduta criminosa de alguns empregadores (curiosamente, empresas com muita saúde financeira) não será de certo a forma de acabar com a escravatura que já está  implantada em Portugal.

Nota: Nem por acaso, hoje tive conhecimento que numa loja em Aveiro, pertence ao grande concorrente do falado em cima, foi feita uma denuncia de comportamentos semelhantes ao falado atrás. Mas, quando a inspecção lá foi, quis o destino que nada de irregular fosse encontrado. Pois está claro que não encontram. Se o escravo não picou a entrada nem a saída, não existe tempo de trabalho. E ficam-se por aí!… Bem conveniente!! Pagamos a estes reguladores para quê? Não sabem fazer uma espera durante vários dias e ver quem sai de noite e depois averiguar os dados nocturnos desse dia? É difícil? É nojento,  Deve existir muito boa gente com dificuldade em dormir.

Advertisements

2 comments on “ACTIVOS HUMANOS: TERRORISMO SOCIAL – ESCRAVATURA?

  1. Padeira D'Aljubarrota
    13 de Agosto de 2013

    Eu trabalhei numa multinacional, um colosso planetário, de origem alemã. Os cinco Continentes, o fundo do mar, o espaço têm a sua marca na tecnologia instalada. Já adivinharam, não há outra.
    Um dia dirigi-me à ACT – Autorida para as Condições do Trabalho (com um nome assim tão forte, eu pensei que teria feedback) e expus a situação fora-da-lei que estava a ser instalada. Falava-se nessa altura nos media, na alteração à Lei do Trabalho. A multinacional, ciente do seu poder, não perdeu tempo e antecipou-se à aprovação da Lei.
    Os “inspectores” da ACT lá apareceram na fábrica (eu seu porque me disseram, mas não os vi) acompanhados dos responsáveis do Departamento do Pessoal mas não falaram com um só trabalhador. Como não me passa pela cabeça que os inspectores da ACT estejam limitados no seu trabalho que é falar com as duas partes, patrão e trabalhador, ficou claro qual é afinal o papel destes ditos “inspectores”.
    Feita a “visita guiada”, foram à sua vida e a administração da empresa continuou o seu trabalho de escravização que hoje está devidamente implantado.

    A minha saída, por atingir a idade de reforma por velhice, dá-se precisamente na fase final em que o trabalho extraordinário ainda era pago a dobrar de acordo com a Lei em vigor. Hoje a escravatura está implantada.

    Eu explico:

    Quando a empresa precisa de satisfazer uma encomenda e não o pode fazer em tempo normal, precisa do Sábado, mas os trabalhadores, os que conservam alguma coragem, negam-se desculpando-se como podem. Outros já estão domados e parecem carneiros. Para ocupar os lugares dos trabalhadores que se recusam a trabalhar de borla, a empresa recorre às famigeradas empresas de recrutamento de pessoal. Para terem uma ideia do poder que a empresa tem, existe uma destas empresas instalada nas próprias instalações da fábrica! No fundo é Departamento de Pessoal da própria empresa que contrata, mas que está num gabinete com uma placa na porta com o nome de uma empresa de recrutamento de pessoal.
    Para acabar o raciocínio da implantação da “escravatura” na dita multinacional, o Departamento de Pessoal mas agora camuflada com nova designação, contacta a sua imensa lista de desempregados e candidatos a uma côdea de pão, e psme-se, consegue pessoal que se sujeita a fazer dois turnos seguidos nos tais Sábados, porque de outra forma não conseguiria esse trabalho. Ou dois turnos, ou nada.
    Aveiro, Século XXI

    Gostar

    • urantiapt
      14 de Agosto de 2013

      Curioso o seu exemplo.
      Outra GRANDE empresa que não vive a crise mas escraviza.
      Como também não temos um sistema judicial adequado e isento, as empresas a quem pagamos para fiscalizar cumprem as ordens de quem lhes enche os bolsos, por baixo da mesa.

      Reza a história. Nenhum império até hoje foi eterno.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 12 de Agosto de 2013 by in DIANTE DOS NOSSOS OLHOS, Em nome dos Direitos Humanos, exploração e escravidão, Portugal and tagged .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: