A Arte da Omissao

O real estado da nação: insolvências de famílias

«É um número que ajuda a clarificar o retrato da crise em Portugal. Nos primeiros três meses do ano, 28 famílias apresentaram diariamente pedidos de insolvência.

Há quatro anos que, a cada trimestre que passa, aumenta o número de famílias que recorre à justiça para declarar incapacidade financeira.

Os pedidos, mas acima de tudo as decisões dos tribunais, dispararam desde que a contabilidade começou a ser tratada estatisticamente em 2007.

O Diário de Notícias conta na edição de hoje que, desde o início do ano e até 31 de março, tinham sido decretadas 4149 falências de famílias, mais 5,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

Em termos anuais, são quase quatro vezes mais insolvências individuais decretadas. Se fosse contabilizado apenas o primeiro trimestre de cada ano, o aumento é de seis vezes.

O DN analisa estes números, divulgados no final do mês passado pela Direção Geral de Política de Justiça, e revela que são 28 famílias por dias a declarar falência nos primeiro três meses do ano.» (fonte)

ligne-rouge

 

Advertisements

One comment on “O real estado da nação: insolvências de famílias

  1. Sara
    16 de Agosto de 2013

    …escolarizando para uma vida melhor…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 12 de Agosto de 2013 by in DIANTE DOS NOSSOS OLHOS, Portugal and tagged .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: