A Arte da Omissao

Público ocidental assustado com o general Al-Sissi

Enquanto 95% dos egípcios apoiam o golpe militar que derrubou o presidente Morsi, a imprensa ocidental apela o regresso da ditadura e lamenta as vítimas mortais civis da repressão. Para Thierry Meyssan, esta atitude decorre da emasculação das populações ocidentais que esqueceram as lições dos seus velhos e acham que todos os conflitos podem encontrar soluções pacíficas.

VOLTAIRE NETWORK | DAMASCO (SÍRIA) | 26 de Agosto de  2013 

ligne-rouge

130814195743850_23_000_apx_470_

A imprensa dos Estados Unidos e Europa juntam-se na causa comum contra o golpe militar no Egito e lamentam os milhares de mortes que se seguiram. É claro para estes meios de comunicação ocidentais que os egípcios, que derrubaram a ditadura de Hosni Mubarak, são agora as vítimas de uma nova ditadura e Mohamed Mursi, eleito “democraticamente”, é o único que pode legitimamente exercer o poder.

No entanto, esta visão é contrariada pela unanimidade da sociedade egípcia por trás de seu exército. Abdelfatah Al-Sissi anunciou a remoção do presidente Morsi na presença dos representantes de todos os setores do país, incluindo o reitor da Universidade de Al-Azhar e líder do Salafist que manifestaram concordância. Ele pode orgulhar-se de ser apoiado na sua luta por representantes de 95% dos seus compatriotas.

Para os egípcios, a legitimidade de Mohamed Morsi não é medida na forma da sua nomeação como presidente, com ou sem eleições, mas o serviço que prestou ou não ao país. Mas a Fraternidade têm mostrado principalmente que seu slogan “O Islão é a solução!” mal consegue disfarçar a sua incompetência e impreparação.

Para o homem da rua, o turismo secou, ​​a economia regrediu e a libra caiu 20%.

Para a classe média, Morsi nunca foi eleito democraticamente. A maioria das assembleias de voto foram ocupadas militarmente pela Irmandade Muçulmana e 65% dos eleitores abstiveram-se. Esta mascarada foi encoberta pelos observadores internacionais enviados pelos Estados Unidos e União Europeia, que apoiaram a Irmandade. Em Novembro, o presidente Morsi revogou a separação de poderes, proibindo os tribunais de contestar as suas decisões. De seguida, dissolveu a Corte Suprema e demitiu o Procurador-Geral. Também revogou a Constituição e fez uma nova proposta elaborada por uma comissão nomeada por ele, antes de aprovar esta lei fundamental num referendo boicotado por 66% dos eleitores.

Para o exército, Morsi anunciou a sua intenção de privatizar o canal de Suez, símbolo da independência económica e política do país, vendendo-o aos seus amigos do Catar. Começou a vender terras públicas no Sinai a figura do Hamas para que estes pudessem transferir trabalhadores do Egito e Gaza e permitir a Israel acabar com a sua “questão palestina”. Acima de tudo, apelou que se juntassem à guerra contra a Síria, posto avançado histórico do Egito para o Levante. Com tal apelo, colocou em perigo a segurança nacional, que ele foi prometeu proteger.

No entanto, o problema fundamental do ocidente com respeito à crise egípcia está relacionado com violência. Visto de Nova Iorque ou Paris, um exército que dispara balas reais contra os manifestantes é tirano. E, para adicionar ao horror, a imprensa destaca que muitas das vítimas são mulheres e crianças.

Esta é uma visão emasculada das relações humanas, onde uma pessoa estaria disposta a discutir porque seria desarmada. Mas o fanatismo é um comportamento que não tem nada a ver com estar armado ou não. Os ocidentais enfrentaram este problema há 70 anos. Na altura, quando Franklin Roosevelt e Winston Churchill arrasaram cidades inteiras, como Dresden (Alemanha) e Tóquio (Japão), a população civil foi desarmada. [1] Ambos os líderes não são considerados criminosos e são celebrados como heróis. Era evidente e indiscutível que o fanatismo dos alemães e japoneses fizeram uma solução pacífica impossível.

Será que a Irmandade Muçulmana é terrorista e deve, ser derrotada? Uma resposta abrangente seria errada, porque há muitas tendências na Irmandade Internacional. No entanto, o seu registo fala por si só: eles têm uma longa história de golpes em vários estados árabes. Em 2011, organizaram a oposição a Muammar el-Qaddafi e aproveitaram a sua derrubada pela NATO. Eles continuam a luta armada para tomar o poder na Síria. No que diz respeito à Irmandade no Egito, o presidente Morsi reabilitou os assassinos do seu antecessor, Anwar Sadat e libertou-os. Também nomeou como governador de Luxor, o segundo no comando que massacrou 62 pessoas, a maioria turistas, em 1997. Além de tudo isto, durante o apelo simples à demonstração do restabelecimento do “seu” presidente, queimaram 82 igrejas coptas. (fonte)

Thierry Meyssan

[1] Videos : DresdeTokyo.

Nota: Links e realces com esta cor são da minha responsabilidade.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: