A Arte da Omissao

ACORDEM

Slides da NSA explicam o programa de recolha de dados, PRISM

Notas do tradutor: links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Tradução do artigo NSA slides explain the PRISM data-collection program

do The Washington Post  em 6 de Junho de 2013

O programa super secreto Prism, permite que a comunidade dos serviços secretos dos EUA ganhe acesso a partir de nove empresas de Internet, a uma ampla gama de informações digitais, incluindo dados de e-mails e dados armazenados, de alvos estrangeiros que operam fora dos Estados Unidos.

O programa é aprovado pelo tribunal e não exige mandados individuais. Em vez disso, opera sob a autorização mais ampla de juízes federais que supervisionam o uso do Foreign Intelligence Surveillance Act (FISA). Alguns documentos que descrevem o programa foram lançados pela primeira vez pelo The Washington Post no dia 6 de Junho de 2013. Os documentos recém-divulgados abaixo, fornecem detalhes adicionais sobre o funcionamento do programa, incluindo os níveis de revisão, controlo e supervisão na NSA e FBI. Os documentos também mostram como o programa interage com as empresas de Internet. Esses slides, anotados pelo Post, representam uma selecção do documento em geral e algumas partes redigidas.

Programa Upstream

upstream-slide

Este slide mostra o PRISM apenas como uma parte do sistema de espionagem electrónica da NSA. O programa “Upstream” recolhe das redes por cabo de fibra óptica, que carregam uma grande parte dos dados telefónicos e da internet do mundo. O mapa de base descreve os cabos submarinos que ligam América do Norte ao resto do mundo. Como se pode ver o Prism recolhe directamente de fornecedores de serviços norte americanos: Microsoft, Yahoo, Goggle, Facebook, Paltalk, AOL, Skype, youtube e Apple.

Aquisição de dados a partir de um novo alvo

O slide seguinte descreve o que acontece quando um analista da NSA gera uma nova tarefa no sistema PRISM para obter informações sobre um novo alvo. O pedido para o adicionar é passado automaticamente a um supervisor que analisa os “selectores”, ou os termos da busca. O supervisor tem de confirmar a “convicção razoável” do analista definida em 51 por cento de confiança, de que o destino especificado é um cidadão estrangeiro que está no exterior no momento da recolha.

prism-slide-6

O Tribunal de Vigilância da Espionagem Estrangeira não supervisiona qualquer pedido de recolha

Fornecedores (Google, Yahoo, etc) O FBI usa equipamentos do governo na empresa privada para obter informações de uma empresa participante, como a Microsoft ou Yahoo e passa-as sem mais análises à NSA.

PINWALE, NUCLEON, etc – Para comunicações armazenadas, mas não para vigilância ao vivo, o FBI consulta os seus próprios bancos de dados para garantir que os seleccionadores não correspondem a americanos conhecidos. Este é o local onde os dados entram nos sistemas da NSA, descritos mais detalhadamente no próximo slide.

Análise de informações recolhidas das empresas privadas

Depois da aquisição das informações das comunicações, os dados são processados ​​e analisados ​​por sistemas especializados que lidam com voz, texto, vídeo e “informações da rede digital”, que incluem as localizações e as assinaturas exclusivas dos dispositivos dos destinos.

prism-slide-7

A cada alvo é assignado  um código

De acordo com o The Post, o formato do código reflecte a disponibilidade da vigilância em tempo real, bem como o conteúdo armazenado.

prism-slide-8

A pesquisa ao banco de dados do PRISM

A 5 de Abril, de acordo com slide seguinte, existiam 117.675 alvos de vigilância activa no banco de dados do Prism contra o terrorismo. O slide não mostra quantos os utilizadores  da Internet, e entre esses quantos norte-americanos, tiveram  as suas comunicações recolhidas  “acidentalmente” durante a fiscalização desses alvos.

prism-slide-9

Slide seguinte  instrui os analistas da NSA acerca da eficácia do programa e  apresenta os logótipos das empresas envolvidas.

Monitorização de um alvo

O diagrama seguinte mostra como a maioria das comunicações electrónicas do mundo se movem através de empresas sediadas nos Estados Unidos.

prism-slide-2

Fornecedores de serviços e dados

O programa PRISM recolhe uma ampla gama de dados a partir de nove empresas, embora os detalhes variem entre elas.

prism-slide-4

fornecedores participantes

A seguir mostra-se quando cada empresa aderiu ao programa, com a Microsoft a ser a primeira em 11 de Setembro de 2007, e a Apple a mais recente, em Outubro de 2012.

prism-slide-5

3 comments on “Slides da NSA explicam o programa de recolha de dados, PRISM

  1. Pingback: prisioneiro da google | A Arte da Omissao

  2. Pingback: Somos impelidos a usar a nuvem, mas a que custo? | A Arte da Omissao

  3. Pingback: Atenção utilizadores da Yahoo | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 19 de Novembro de 2013 by in Edward Snowden, NSA Files and tagged , , , , , , , , , , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: