A Arte da Omissao

Geoengenharia – arrefecimento do planeta

Julho 2012

Experiência no Novo México tentará estabelecer a possibilidade de arrefecer do planeta dispersando aerossóis de sulfato

Geoengineering--a-rainbow-008

O teste de campo da geoengenharia solar, visa em última análise, criar uma tecnologia que replique os efeitos observados dos vulcões quando expelem sulfatos na estratosfera. Fotografia: Gallo Images / Getty Images

Dois engenheiros de Harvard pretendem pulverizar partículas químicas que reflictam o sol na atmosfera, para esfriar artificialmente o planeta, usando um balão a voar à altitude de 80.000 pés sobre Fort Sumner, no Novo México.

A experiência de campo em geoengenharia solar, visa em última análise, criar uma tecnologia que replique os efeitos observados  em vulcões quando expelem sulfatos na estratosfera, usando aerossóis de sulfato para devolver a luz solar de volta para espaço e diminuir a temperatura da Terra.

David Keith, um dos investigadores, argumentou que a geoengenharia solar poderia ser um método barato para desacelerar o aquecimento global, mas outros cientistas advertem que poderão ocorrer imprevistos desastrosos para os sistemas climáticos da Terra e fontes de alimento. Grupos ambientalistas temem que o impulso para fazer  da geoengenharia o plano B” para a mudança climática, venha a minar os esforços na  redução das emissões de carbono.

Keith, que administra um fundo de investigação multimilionário fornecido pelo fundador da Microsoft, Bill Gates, previamente encomendou um estudo a uma empresa aeroespacial dos EUA, para ver a viabilidade da implantação em larga escala de tecnologias de geoengenharia solares.

A sua experiência, conduzida pelo americano James Anderson, terá lugar dentro de um ano e envolvem o lançamento de dezenas ou centenas de quilos de partículas para medir os impactos sobre a química do ozono, e testar formas de fazer aerossóis de sulfato com tamanho apropriado. Uma vez que é impossível simular a complexidade da estratosfera em laboratório, Keith diz que experiência proporcionará uma oportunidade para melhorar os modelos de como a camada de ozono pode ser alterada com pulverizações de sulfato, a grande escala.

“O objectivo não é o de alterar o clima, mas simplesmente investigar os processos numa micro escala”, disse Keith. “O risco directo é muito pequeno.”

Embora a experiência possa não prejudicar o clima, grupos ambientalistas dizem que os riscos ambientais globais da geoengenharia solar foram amplamente identificados através da modelagem e estudo dos impactos da poeira sulfúrica emitida por vulcões.

“Entre os impactos,  incluem-se a potencial possibilidade de danificar a camada de ozono, interrupção das chuvas, particularmente nas regiões tropicais e subtropicais – potencialmente ameaçando o abastecimento de alimentos de bilhões de pessoas”, disse Pat Mooney, director executivo do ETC Group com sede no Canadá. Não se vai diminuir os níveis de gases de efeito estufa na atmosfera nem interromper a acidificação dos oceanos.  A geoengenharia solar é susceptível de aumentar o risco de conflitos internacionais relacionados com o clima – uma vez que a modelagem até à data mostra que representa maiores riscos para o Sul . 

Um estudo científico publicado no mês passado concluiu que a gestão da radiação solar pode diminuir em 15% as chuva em áreas da América do Norte e norte da Eurásia e em mais de 20% na América do Sul central.

No Outono passado, um teste britânico com um balão e uma mangueira que teria de bombear  água para o céu, gerou muita controvérsia. O projecto financiado pelo governo – Stratospheric Particle Injection for Climate Engineering (Spice) –  foi cancelado depois  de uma disputa de patentes e do clamor público de  ONG globais, algumas das quais  argumentaram que  o projecto era um “cavalo de Tróia”, que abriria a porta para a plena implantação da tecnologia em grande escala.

Keith, desde o início disse que era contra o Spice, porque não teria ainda um conhecimento dos riscos ou eficácia da geoengenharia solar, ao contrário de sua própria experiência.

“Eu saúdo o governo britânico para sair e tentar alguma coisa”, disse ele. “Mas gostaria que eles tivessem um processo melhor, porque aqueles que se opõem a tais testes vão vê-lo como uma vitória e assim vão tentar também impedir outras experiências.”

The Guardian entende que Keith está a planear  usar o fundo de Gates  para organizar uma reunião com o fim de estudar as lições do Spice. (fonte)

ligne-rougeOs chemtrails não têm resultado?

Estamos num mundo de loucos. Preferem provocar riscos irreversíveis ao Planeta do que implementar polítcas para a  redução das emissões de carbono.

Geoengineering-001

Nota: realces desta cor são da minha responsabilidade.

Advertisements

2 comments on “Geoengenharia – arrefecimento do planeta

  1. voza0db
    7 de Fevereiro de 2014

    Cheguei à conclusão que quanto mais depressa… Melhor! 😎

    Gostar

  2. Pingback: Experiência da Geoengenharia cancelada devido a conflito de interesses | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: