A Arte da Omissao

ACORDEM

Quem representará a oposição em Genebra 2?

Who will represent the opposition at Geneva 2?

de  Thierry Meyssan

A questão da representação da oposição síria na Conferência de Genebra 2 pode parecer incongruente, agora que a reunião inaugural em Montreux já está para trás. Ao contrário, ela continua a ser questão central. A Coligação Nacional, que falou diante das câmaras, foi abandonada por quase todos os seus componentes e perdeu as suas antenas na Síria. O único propósito da sua presença na sessão pública era satisfazer a Arábia Saudita. Deverá agora rapidamente desistir da sua cadeira para a dar a outros jogadores.

REDE VOLTAIRE | Damasco | 27 de Janeiro 2014

ligne-rouge

1-4179-86b5b

A sessão inaugural da Genebra 2 teve muito pouco a ver com uma conferência diplomática. Foi um grande espectáculo transmitido a todo o mundo. Na realidade, cada orador dirigiu-se a uma fracção do público, geralmente à do seu país e de alguns aliados, sem necessariamente se preocupar com o que daí poderia advir. Além disso, a sua avaliação é completamente diferente, dependendo se o evento é percebido em termos de relações públicas ou como uma busca pela paz.

Aparentemente, a delegação síria monopolizou a palavra por muito tempo, enquanto a oposição clamava pela renúncia do presidente Assad com o forte apoio da delegação dos EUA. Até se poderia acreditar que Damasco estava prestes a abdicar.

No entanto, a imprensa ocidental não ficou cega com a miragem. Enquanto John Kerry solenemente afirmava que era impensável que o presidente Bashar al-Assad pudesse participar de um governo de transição, os membros de seu gabinete reuniam-se na sala de imprensa para explicar aos jornalistas que a Síria sem Assad seria pior do que com ele. Eles estavam assim a subscrever os argumentos já apresentados pelo embaixador Ryan Crocker C. no New York Times. Assim, tornou-se claro que o discurso do secretário de Estado foi destinado a pacificar os seus aliados sauditas e não para ser levado à letra. 

A delegação da Coligação Nacional argumentou convincentemente contra os “crimes do regime” e reivindicou todo o poder para si, comprometendo-se a respeitar as minorias. Mas o seu discurso não resistiu à mínima discussão. Assim apregoou um relatório, publicado dois dias antes – que acusa o governo de ter matado sob tortura 11.000 pessoas – apresentando-o como um “relatório independente”, quando na verdade é mais uma peça de propaganda do Qatar. Além disso, fica no ar a pergunta: como é que a Coligação Nacional iria respeitar no futuro, as minorias que perseguiu durante a guerra? No final da sua actuação, o Sr. Jarba anunciou que não iria participar nas negociações, sem especificar quem iria liderar a sua delegação na sua ausência.

Aqui, novamente, a imprensa ocidental não se deixou enganar. Todo mundo podia ver que, apesar do Sr. Jarba ser bom a ler discursos escritos pelos seus patrocinadores, não tem a estatura para o trabalho, ao passo que a delegação síria é composta por profissionais de primeira classe. Mas, além da falta de competência, o Sr. Jarba encontra-se numa situação nada invejável: ele posou como vencedor de uma guerra que perdeu: ele fingiu falar em nome de um povo que o ignora. Claramente, a Coligação Nacional só fala em seu próprio nome. Os principais grupos que a compunham já saíram de cena; o seu governo no exílio pediu demissão, ficando só a Irmandade Muçulmana e a Arábia Saudita.

O que todos devermos lembrar é o discurso de abertura do Sergey Lavrov em Montreal, ao referir que o comunicado final da Genebra 1 e a resolução 2118 do Conselho, em quais a conferência se baseia, estipulam que todos os grupos políticos da Síria devem ser representados na Genebra 2. No entanto, a pedido de Washington, apenas os restos da Coligação Nacional foram convidados. O ministro das Relações Exteriores russo sublinhou a sua esperança de que a oposição patriótica interna da Síria tenha um lugar na mesa de negociações, apesar da sua ausência na sessão inaugural.

ligne-rouge

One comment on “Quem representará a oposição em Genebra 2?

  1. Pingback: Washington em Genebra sempre a manobrar a Síria | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 22 de Fevereiro de 2014 by in Síria, USA and tagged , , , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: