A Arte da Omissao

O início da viragem do mundo

A estratégia russa face ao imperialismo anglo-saxónico

The Beginning of World Shift de Thierry Meyssan

A agressão anglo-saxónica contra a Rússia está a tomar forma de guerra económica e financeira. No entanto, Moscovo preparava-se para as hostilidades armadas, com o desenvolvimento da auto-suficiência da sua agricultura e com o multiplicar das suas alianças. Para Thierry Meyssan, após a criação do califado no Levante, Washington deverá jogar uma nova cartada em São Petersburgo no próximo mês de Setembro. A capacidade da Rússia em manter a sua estabilidade interna irá determinar o curso dos acontecimentos.

| Damasco (Síria) | 13 De Agosto de 2014

1-4754-54c66-9-858af

A Organização de cooperação de Xangai representará 40% da população mundial, a partir do seu provável alargamento em Setembro de 2014.

A ofensiva liderada pelos anglo-saxões (EUA, Reino Unido e Israel) para dominar o mundo continua simultaneamente em duas linhas: por um lado a criação do ” Grande Médio Oriente”, com os ataques simultâneos ao Iraque, Síria, Líbano e Palestina, e por outro a separação da Rússia da União Europeia através da crise que organizaram na Ucrânia.

Nesta corrida de velocidades, parece que Washington quer impor o dólar como moeda única no mercado do gaz, a fonte de energia do século XXI, do mesmo modo que a impôs no mercado do petróleo[1].

A comunicação ocidental quase que nem noticia a guerra do Donbass (guerra na Ucrânia – NTd), e a sua população ignora a amplitude dos combates, a presença dos militares americanos, o número das vítimas civis, a vaga dos refugiados. No entanto, focam com detalhe, os acontecimentos no Magrebe e no Levante, apresentando-os como resultantes de uma pretensa «primavera árabe» (quer dizer, na prática, de uma tomada de poder pelos Irmãos muçulmanos), ou como o efeito destrutivo de uma civilização violenta em si mesma. Mais do que nunca, é necessário vir em socorro dos árabes incapazes de viver pacificamente, na ausência dos colonos ocidentais.

A Rússia é agora a principal potência capaz de liderar a resistência ao imperialismo anglo-saxão. Ela tem três ferramentas: BRICS, aliança de rivais económicos que sabem que não podem crescer uns sem os outros, a Shanghai Cooperation Organization (Organização de Cooperação de Xangai – NdT), aliança estratégica com a China para estabilizar a Ásia Central e, por fim a Organization for Collective Security Treaty (Organização do Tratado de Segurança Colectiva- Ndt), aliança militar de ex-repúblicas soviéticas.

1-4756-69617-8-ce76e

Na cimeira da Fortaleza (Brasil), que foi realizada de 14 a 16 de Julho, BRICS anunciou a criação de um fundo monetário de reserva (principalmente chinês) e um Banco BRICS como alternativas ao Fundo Monetário Internacional e ao Banco Mundial, o sistema de dólar [2].

Mesmo antes deste anúncio, os anglo-saxões tinham posto em acção já a resposta: a transformação da rede terrorista da Al-Qaeda, a fim de gerar uma inquietação entre todos os povos muçulmanos da Rússia e China. [3]

Continuaram a sua ofensiva na Síria e transbordou as fronteiras, tanto no Iraque como no Líbano. No entanto, falharam na expulsão de parte dos palestinianos para o Egipto e desestabilizaram profundamente a região. Finalmente, mantiveram-se longe do Irão para dar ao Presidente Hassan Rohani a chance de enfraquecer o poder dos khomeinistas anti-imperialistas.

Dois dias após o anúncio dos BRICS, os Estados Unidos acusaram a Rússia de destruir o voo MH17 da linhas aéreas da Malásia, onde morreram 298 pessoas. Com base nisso, puramente arbitrário, obrigaram os europeus a entrarem numa guerra económica contra a Rússia. Agindo como um tribunal, o Conselho da União Europeia, julgou e condenou a Rússia sem provas e sem lhe dar a oportunidade de se defender. O CEU deliberou “sanções” contra o sistema financeiro russo.

Ao reconhecer que os líderes europeus não estão a trabalhar para os interesses dos seus povos, mas para os dos anglo-saxões, a Rússia absteve-se de ir para a guerra na Ucrânia. Ela suporta os insurgentes com armas e inteligência, e abriga mais de 500 mil refugiados, mas recusa-se a enviar tropas para o terreno. É provável que não intervenha até que a grande maioria dos ucranianos se revolte contra o presidente Poroshenko, mesmo que tal signifique entrar no país só após a queda da República Popular de Donetsk.

Confrontada com a guerra económica, Moscovo optou por responder com medidas semelhantes, mas na área da agricultura, não na financeira. Duas considerações guiaram essa escolha: primeiro, a curto prazo, outros BRICS podem atenuar as consequências das chamadas “sanções”; por outro lado, a médio e longo prazo, a Rússia está a preparar-se para a guerra e pretende reconstruir completamente a sua agricultura de forma a ser auto-suficiente.

Além disso, os anglo-saxões planearam paralisar a Rússia a partir de dentro. Primeiro, activando, através do Emirado Islâmico (EIS), grupos terroristas dentro da sua população muçulmana, e organizar um desafio mediático aquando das eleições municipais de 14 de Setembro. Grandes somas de dinheiro foram distribuídas a todos os candidatos da oposição nas trinta maiores cidades envolvidas, enquanto pelo menos 50 mil agitadores ucranianos, misturados com os refugiados, reagrupam-se em São Petersburgo. A maioria deles tem cidadania russa dupla. Isto é claramente para reproduzir a nível provincial as mesmas manifestações que se seguiram às eleições em Moscovo, em Dezembro de 2011 – com a adição da violência; e envolver o país num processo de revolução colorida, para o qual, certos funcionários da classe dominante são favoráveis.

Para o fazer, Washington nomeou um novo embaixador para a Rússia, John Tefft, que preparou a “Revolução Rosa” na Geórgia e o golpe na Ucrânia.

Será importante para o presidente Vladimir Putin, ser capaz de confiar no seu primeiro-ministro, Dmitry Medvedev, que Washington esperava recrutar para o derrubar.

1-4755-84952-9-6420b

Considerando o perigo iminente, Moscovo terá sido capaz de convencer Pequim a aceitar a adesão da Índia  à Organização de Cooperação de Xangai (SCO). Esta decisão deverá ser anunciada na Cimeira de Dushanbe (Tadjiquistão) de 12 a 13 de Setembro. Deverá ser colocado um fim ao conflito que opôs a Índia e China durante séculos e envolvê-los a cooperar militarmente. Esta inversão, se confirmada, também acabaria com a lua de mel entre Nova Delhi e Washington, que esperava distanciar a Índia da Rússia em particular, dando-lhe acesso a tecnologias nucleares. A associação com Nova Deli é também uma aposta na sinceridade do novo primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, apesar da suspeita de que ele teria encorajado a violência antimuçulmana em 2002 em Gujarat, quando era o principal ministro.

2-74-bfde0-9-0230d

Além disso, a adesão do Irão, a qual é uma provocação a Washington, deve dar ao SCO, o conhecimento preciso dos movimentos jihadistas e como os combater. Mais uma vez, se confirmada, irá reduzir a disposição do Irão para negociar uma trégua com o ” Great Satan ” que o levou a eleger o Sheik Hassan Rohani para a presidência. Seria uma aposta sobre a autoridade do líder supremo da Revolução Islâmica, o aiatolá Ali Khamenei.

Na verdade, estas parcerias marcariam o início da mudança do mundo do Ocidente para o Oriente. [4] No entanto, esta tendência tem de ser protegida militarmente. Este, é o papel da Organization for Collective Security Treaty (CSTO), formada em torno da Rússia, mas à qual a China não pertence. Ao contrário da NATO, esta organização é uma aliança clássica, de acordo com a Carta das Nações Unidas, uma vez que cada membro tem a opção de sair se quiser. Por isso, é com base nessa liberdade que Washington tem tentado nos últimos meses comprar alguns membros, incluindo a Arménia. No entanto, a situação caótica na Ucrânia parece ter arrefecido aqueles que sonhava com a “protecção” da USA.

A tensão deverá aumentar nas próximas semanas.

[1] “What do wars in Ukraine, Gaza, Syria and Libya have in common ?”, by Alfredo Jalife-Rahme, La Jornada (Mexico), Voltaire Network, 8 August 2014.

[2] “6th BRICS Summit: the seeds of a new financial architecture”, by Ariel Noyola Rodríguez, Voltaire Network, 3 July 2014. “Sixth BRICS Summit : Fortaleza Declaration and Action Plan”, Voltaire Network, 16 July 2014.

[3] « Un djihad mondial contre les BRICS ? », par Alfredo Jalife-Rahme, Traduction Arnaud Bréart, La Jornada (México), Réseau Voltaire, 18 juillet 2014.

[4] “Russia and China in the Balance of the Middle East : Syria and other countries”, by Imad Fawzi Shueibi, Voltaire Network, 27 January 2012.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 14 de Agosto de 2014 by in GEOPOLÍTICA MUNDIAL and tagged , , .

Navegação

Categorias

%d bloggers like this: