A Arte da Omissao

ACORDEM

Os fundos abutre que desmembram a Argentina vêm também de Espanha

Les fonds vautours qui dépècent l’Argentine se jettent sur l’Espagne

“Fundos abutres” referem-se a empresas que compram dívidas insolventes a baixo preço e depois forçam os devedores a comprá-las de novo. O bilionário Paul Singer é especialidade neste tipo de negócio. Hoje, pretende consolidar a sua fortuna pessoal à custa do povo argentino, enquanto o seu apetite começa a virar-se para Espanha.

| 31 Julho de 2014

 

1-4737-3cffd

Paul Singer, sionista bilionário é o principal doador do Partido Republicano. Ele está particularmente empenhado em apoiar o militarismo e gays.

O fundo NML Capital, que juntamente com outros, mantém a Argentina à beira da suspensão de pagamento, já está a devorar a carne podre do mercado espanhol. Elliott Management Company, fundo oportunista do especulador americano Paul Singer, já recuperou 1 bilião € em créditos falidos da Bankia e 300 milhões de euros do Santander. Segundo o Auraree.com, ele teria pago apenas US $ 50 milhões pelas duas carteiras.

Em Março de 2013, a imprensa económica espanhola relatava que Elliott tinha adquirido ao Grupo Santander uma carteira de € 300 milhões de empréstimos ao consumidor em incumprimento do Santander Consumer Finance, com um desconto de cerca de 96%. O preço pago foi irrisório: quase 12 milhões €, de acordo com o diário  Cinco Días.

Em Agosto do mesmo ano, Bankia, a entidade nacionalizada que mais beneficiou com o resgate dos bancos espanhóis e que levou a aumentar consideravelmente a dívida pública, informou que tinha vendido três carteiras de créditos em incumprimento por um volume total de dívida de 1.353,9 milhões de Euros.

No comunicado à CNMV (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários – NdT) não foi mencionado a quem os empréstimos foram vendidos nem a que preço. Apesar da aparente falta de transparência, a imprensa financeira colocou nomes e números na operação, a qual se estima que “pode ter tido um desconto de 95%.”

Os compradores das três carteiras foram o fundo abutre Cerberus, – recomendado pelo filho do ex-primeiro-ministro José Maria Aznar Jr.,- Elliott e a empresa norueguesa Lindorff. “As carteiras foram avaliadas em 1.354 milhões de euros, mas pagaram somente 68 milhões”, de acordo com o Finanzas.com. Entrámos em contacto com a Bankia para confirmar estes dados, mas a sua resposta foi que devido a “questões de confidencialidade” nunca transmitem os valores e “os compradores que não querem ser identificados.”

Alguns meses mais tarde, surge a notícia que o fundo Elliott comprou  a agência de gestão da dívida espanhola Gesif para a converter na sua base de operações no mercado espanhol. Sua directora geral, Melania Sebastian, foi a responsável da Gestão da Informação do Banca Comercial de Caja, em Madrid. É interessante realçar como um ex director do Caja de Madrid passa actuar como intermediário entre o Bankia nacionalizado e fundo abutre Elliott.

O que aconteceu na Argentina

Os fundos abutre ganham dinheiro tirando proveito de países em dificuldades, como a Argentina durante a crise de 2001, com a compra de dívida barata. Depois, esperam pelo momento certo para os forçar, pela via judicial, a comprá-la de volta a um preço muito mais alto, onde incluem juros de mora e custas judiciais.

Assim especulam sobre a dívida pública, comprometendo os gastos sociais que beneficiem a grande maioria da população. Estes abutres escolhem acções judiciais, recusando fazer parte dos 93% dos credores que negociaram com o governo argentino. E agora o juiz do distrito de Nova Iorque, Thomas Griesa, prioriza os pagamentos dos fundos abutre, abre as portas para uma enxurrada de acções que poderiam ter levado à suspensão de pagamentos da Argentina a 30 de Julho. Como afirmado por Julio C. Gambina, “ninguém sabe em rigor o quanto as exigência dos credores poderão tornar a dívida impagável”, mas sabemos que o custo para o povo argentino pode ser catastrófico.

Mas quem está por trás destes fundos abutre? O NML Capital é uma subsidiária do fundo de investimento Elliott Management Corporation, registada no paraíso fiscal das Ilhas Caimão. É o império do multimilionário norte-americano Paul Singer, defensor do partido republicano e apoiante do Tea Party.

Elliott especula com as dívidas públicas, violando a soberania dos Estados e seus povos. Mas também especula com dívidas privadas. Em 2011, chegou a ter dois milhões de dólares do Lehman Brothers.

Singer foi o maior financiador da campanha presidencial de George W. Bush em 2004; deu o seu contributo para as campanhas de Mitt Romney em 2012 e do perfeito de Nova York, Rudolph Giuliani. É o maior financiador privado da Polícia de Nova Iorque. Assim, como um dos principais financiadores do Partido Republicano, desempenha um papel importante na política americana e internacional.

A fundação que tem seu nome, Fundação Paul E. Singer, é louvada pela sua filantropia, pela liderança na expansão do livre comércio, pela gestão a favor da segurança nacional dos Estados Unidos e “futuro de Israel.” Além disso, Singer é o presidente do Instituto Manhattan de Pesquisa Política [1].

Em relação ao caso argentino, o NML Capital é o principal financiador da American Task Force Argentina (AFTA), lobby que influencia o Congresso e a Justiça americana prejudicando a Argentina. Para se ter uma ideia do poder destes abutres, o NML embargou a fragata argentina Libertad em Gana em Outubro de 2012, exigindo ao governo argentino que pagasse cerca de 370 milhões de dólares em títulos não pagos.

O que está a acontecer na Argentina é emblemático do que se começa a viver na Grécia, onde os fundos abutre como o Dart Management operam. Dart tem sede nas ilhas Caimão e opera também na Argentina. Já em 1999, o NML Capital obteve, graças a um julgamento nos Estados Unidos, o pagamento de US $ 58 milhões do Peru por uma dívida que o fundo tinha comprado de 11 milhões. Ele também fez negócios com a República Democrática do Congo.

Jérome Duval

Fatima Fafatale

[1] «El Manhattan Institute, laboratorio del neoconservadurismo», por Paul Labarique, Red Voltaire , 30 de enero de 2005.

Nota: realces desta cor são da minha responsabilidade

Artigos relacionados: Fundos “abutre” interessados na dívida do BES

Reza a história que todos os impérios caem.

Enquanto traduzia este artigo e tomava consciência de mais outro tipo de abutre a contribuir para a escravidão de Estados e dos seus povos (Portugal também já está debaixo de olho), passei por vários estados de alma, mas o que mais predominou foi o da certeza que um dia, à custa de muitas vidas (os povos vão deixar de estar neste estado zombi), este império miserável vai acabar e que se inicie um ciclo onde predominem os valores humanos e não só os materiais.

Estejamos atentos, o abutre Singer já apontou canhões para a Península Ibérica.

 

2 comments on “Os fundos abutre que desmembram a Argentina vêm também de Espanha

  1. Rafael
    8 de Setembro de 2014

    Mau, muito mau mesmo!
    Mas o que se espera desta canalhagem??!!

    Gostar

  2. Pingback: banqueiros estrangeiros estupram a Ucrânia | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 28 de Agosto de 2014 by in Argentina, Espanha and tagged , , , , , , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: