A Arte da Omissao

Treze anos após os ataques de 11 de Setembro, a cegueira persiste

Treze anos após os ataques de 11 de Setembro, a cegueira persiste
de Thierry Meyssan

Thierry Meyssan foi o primeiro a demonstrar a impossibilidade da versão oficial do 11 de Setembro e a concluir que uma mudança profunda na natureza política do regime dos EUA havia ocorrido. Enquanto a maioria dos seus leitores continua a ficar animado com o dia de hoje, ele seguiu o seu caminho e comprometeu-se contra o imperialismo no Líbano, Líbia e agora na Síria. Ele olha para trás, para esse dia louco.

Rede Voltaire | Damasco (Síria) | 16 de Setembro de 2014

ligne-rouge

Os eventos do 11 de Setembro permanecem gravados na memória colectiva através de uma forma bem planeada pela comunicação social: enormes ataques contra Nova York e Washington. Mas o jogo de poder que mudou o mundo naquele dia ainda está escondido.

Por volta de 10 horas, já tinham ocorrido os ataques contra o World Trade Center e Pentágono, quando o conselheiro em anti terrorismo da Casa Branca, Richard Clarke, activou o programa de “continuidade do governo.” Este programa destina-se a substituir o Executivo e o Legislativo, em caso de destruição numa guerra nuclear. Não havia nenhuma razão para que fosse implementado naquele dia. A partir desse momento, o presidente George W. Bush foi demitido em favor de um governo militar.

Durante todo o dia, os membros do Congresso e suas equipes foram levadas em mão pela autoridade militar e foram colocados em dois bunkers seguros, localizados perto de Washington, no complexo Greenbrier  (Virgínia Ocidental) e no Mount Weathe na Virginia. O poder foi devolvido pelos militares aos civis no final do dia, e o presidente Bush pode dirigir-se aos seus concidadãos na televisão por volta das 20:00.

Naquele dia, o ex-presidente George W. Bush vagueava pelo país. Em duas bases militares por onde passou, exigiu atravessar a pista num veículo blindado, com medo de ser morto por um dos seus soldados. O presidente Vladimir Putin, que tentou o dia todo contactá-lo por telefone para evitar quaisquer mal-entendidos e acusações contra a Rússia, não conseguiu alcançá-lo.

Por volta de 16:00, o primeiro-ministro israelita, Ariel Sharon interveio na televisão para dizer “aos Estados Unidos de que os israelitas tinham sabido há pouco tempo dos horrores do terrorismo e compartilhou a sua dor. Acidentalmente, anunciou que os ataques tinham terminado, facto que só poderia saber se neles tivesse participado.

Podemos argumentar interminavelmente sobre as inconsistências da versão oficial dos ataques, mas não há espaço para a discussão sobre esse facto: a “continuidade do Governo” foi activada desnecessariamente. Em todo o país, a remoção do presidente e a prisão de parlamentares por parte do exército tem um nome: é um golpe militar.

1-4834-9952c

Vai-se objectar que o presidente Bush recuperou o cargo no final da tarde. Este é precisamente o que foi aconselhado pelo neoconservador americano-israelita, Edward Luttwak no seu Manual do golpe de Estado. Segundo ele, um bom golpe de Estado é aquele em que ninguém está consciente dele, pois mantém no poder os mesmos indivíduos, mas impõe uma nova política.

Nesse dia, o princípio do permanente estado de emergência nos Estados Unidos foi validado. Logo foi traduzida na acção pelo Patriot Act. E o princípio das guerras imperialistas foi também validado. Foi oficialmente promulgado pelo presidente Bush, alguns dias depois, em Camp David: os Estados Unidos deveriam atacar o Afeganistão, Iraque, Líbia e Síria via Líbano, Sudão e Somália, e, por fim, Irão. (General Americano conta que as guerras no oriente médio estavam planeadas há 10 anos atrásN.dT.)

Há 13 anos, a maioria dos aliados dos Estados Unidos recusou-se a reconhecer a evidência, e, dessa forma, negaram a eles próprios a capacidade de prever a política de Washington. Se só se pode julgar a verdade com o passar do tempo, estes 13 anos foram conclusivos: tudo o que anunciei – e que os meus adversários consideraram de “antiamericanismo” ocorreu. E, por exemplo, ficaram atordoados quando a NATO invocou a Al Qaeda para derrubar a Jamahiriya Árabe Popular Socialista da Líbia.

Sinto orgulho em ter alertado o mundo para o golpe e as guerras que estavam para vir, mas triste por ver que a opinião pública ocidental se perdeu numa discussão sobre a impossibilidade física da versão oficial. Observo, no entanto, que alguns eventos ainda hoje estão escondidos, como o incêndio que destruiu os escritórios do edifício Eisenhower, anexo à Casa Branca, ou ainda o míssil registado pela camaras de vídeo da televisão de New York em frente ao World Trade Center (veja o vídeo abaixo).

A guerra continua a destruir o mundo muçulmano, enquanto os ocidentais, decididamente cegos, continuam a discussão sobre o colapso das torres.

Nota: Link desta cor é da minha responsabilidade

Advertisements

One comment on “Treze anos após os ataques de 11 de Setembro, a cegueira persiste

  1. Pingback: 11/9 – mais uma manobra de diversão | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: