A Arte da Omissao

Bananas GM não testadas em animais vão directamente para testes em humanos

Banana-Yellow-Single

Estão previstos testes em humanos com a nova banana geneticamente modificada (GM), com níveis artificiais do precursor da vitamina A, o betacaroteno, sem antes a testarem em animais. Os pesquisadores planeiam alimentar estudantes universitários que frequentam Iowa State University (ISU), com a “frankenfruit”, embora os detalhes sobre como estudo será conduzido e se os alunos sabem o que vão comer, têm sido limitados.

O Des Moines Register (DMR) relata que 12 estudantes do sexo feminino em cada 500 que responderam ao apelo para se voluntariarem, serão seleccionados nos próximos meses para comer a banana GM durante quatro dias, durante três períodos de estudo separados. Cada participante receberá 900 dólares em compensação pela sua participação, cujo resultado é totalmente desconhecido, pois a banana GM em questão nunca foi testada num organismo vivo e muito menos num ser humano.

Projecto da Fundação Bill & Melinda Gates, a banana transgênica é destinada ao cultivo e uso em países pobres da África, onde a deficiência de vitamina A está generalizada. Assim como o infame “Golden Rice” GM (arroz dourado transgénico, Ndt), que falhou em todos os testes até hoje feitos, a banana GM está a ser oferecida como a solução à  deficiência de vitamina A, embora se saiba que abundam outras frutas e vegetais naturais, como mangas e batata doce, que contêm altos níveis de betacaroteno.

Porque é que os cientistas do Bill Gates, não testam primeiro a banana GM em animais?

Para além da natureza controversa do projecto em si – os alimentos geneticamente modificados para conterem nutrientes, têm sido repetidamente apontados por prejudicarem  os seres humanos – muitos interrogam-se sobre o facto dos testes da banana não serem feitos em animais. A Regulação Europeia exige que qualquer nova proposta de OGM deve ser primeiro testada em animais pelo menos durante 90 dias, mas neste caso, os cientistas correm em linha recta para os seres humanos.

Isto equivale a testes brutos em seres humanos, tais como os hediondos feitos pelos cientistas nazis, durante a Segunda Guerra Mundial, a prisioneiros dos campos de concentração. É impossível para os que participam em tais testes, darem consentimento informado, pois não têm a mínima ideia do que estão a consentir nem os cientistas que os estão a realizar!

Escreveu Claire Robinson para a GMWatch.eu.

“Ir directamente do desenvolvimento do OGM para testes em humanos é exactamente o que aconteceu com os teste com o arroz dourado transgénico, que alimentou crianças sem consentimento informado e sem antes ser testado em animais “. A falta dos testes em animais foi condenada por cientistas internacionais como uma violação do Código de Nuremberga, criado após a Segunda Guerra Mundial para evitar a repetição das experiências nazis em seres humanos.” (ver http://www.youtube.com/watch?v=X2AAuWp7e7Am, Ndt)

Já existem bananas naturais com elevadas quantidades de betacaroteno

Quando confrontados com a existência de bananas ricas em betacaroteno na natureza, os cientistas que apoiam o projecto de banana GM, humoristicamente tentaram alegar que as pessoas que vivem no leste da África, provavelmente, não as iriam comer, porque, vejam só – elas são muito doces para os seus gostos. Assim, é essencial que Bill Gates & Co. se precipitem a salvar o dia com uma banana feita pelo homem, a qual pode acabar no final, por matar a população alvo.

Esta loucura é o que impulsiona os cientistas genéticos que empurrarem este tipo de absurdo para a homem, quando algo tão simples como suplementos de vitamina A de baixo custo seriam mais do que suficiente para lidar com a deficiência da vitamina A no Terceiro Mundo. Ou então ensinar as pessoas nesses países a cultivarem alimentos que sejam naturalmente ricos em betacaroteno e outros carotenóides precursores da vitamina A. (algo que já está a ser feito nas Filipinas, NdT)

“Tal como no Golden Rice, esses aspirantes a super-heróis do Ocidente irão falhar a sua bala de prata para o que é um problema social e ecológico complexo”, escreveu um comentarista da DMR. “O primeiro passo para ajudar essas crianças seria parar de despejar o nosso milho excedente na sua economia, abaixo do custo de produção.”

“A diversidade na agricultura é a resposta para os problemas alimentares longe e no nosso próprio [país]. Apostar nas balas de prata da biotecnologia não vai ajudar … e se a história for um indicador, provavelmente vamos apenas fazer pior. “

Fonte: Untested GMO bananas to move directly to human experimentation

Nota: links com esta cor são da minha responsabilidade

Video reacionado:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 7 de Outubro de 2014 by in Industria Alimentar, OGM, Saúde and tagged , , , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: