A Arte da Omissao

Gangue Gulabi-mulheres rurais com saris rosa, munidas de paus lutam contra a injustiça

header

Em 2006, no distrito de Banda de Uttar Pradesh, norte da Índia, uma mulher de nome Sampat Pal Devi faz nascer o gangue Gulabi. Banda de Uttar Pradesh é uma das zonas mais pobres da Índia, com uma forte cultura patriarcal, alto grau de analfabetismo feminino, violência doméstica, trabalho infantil, casamento entre crianças… Gulabi, ou o gangue cor de rosa, segundo os seus elementos só femininos que usam saris rosa brilhante e manejam varas de bambu, é um gangue pela justiça.

O gangue Gulabi foi inicialmente concebido para punir maridos, pais e irmãos opressores e combater a violência doméstica. Os infractores mais graves foram envergonhados publicamente quando recusaram a ouvi-las ou a cederem. Quando eles recorrem ao uso da força, as mulheres de rosa  defendem-se com os seus lathis.

Hoje, o Gulabi tem dezenas de milhares de mulheres como membros, simpatizantes do sexo masculino e grandes sucessos. Actuam também em áreas de solidariedade, quando asseguram a distribuição pública de grãos para pessoas abaixo da linha da pobreza, ou o desembolso de pensão a viúvas idosas que não têm certidão de nascimento para provar sua idade, ou a prevenirem o abuso de mulheres e crianças A irmandade Rosa está a provocar alterações no sistema ao adoptarem o mais simples dos métodos – a acção directa e o confronto.

Embora as intervenções do grupo incidam mais na defesa de mulheres, elas são cada vez mais chamadas pelo sexo oposto para desafiarem não só a autoridade masculina sobre as mulheres, mas todos os abusos de direitos humanos infligidos sobre os mais fracos.

ligne-rouge

Divulguem este documentário. O mundo precisa de saber a realidade crua que se passa nestas zonas pobres da Índia, e o governo indiano precisa de saber que o mundo está a par da corrupção implantada na polícia, deixando estas mulheres vítimas de agressão e  violação sem defesa.

Temos aqui um bom exemplo,  que responde à frase  já padronizada,   “sozinho,  o que posso fazer”?

Sampat Pal Devi não pensou assim

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 19 de Outubro de 2014 by in Índia, Documentários, Em nome dos Direitos Humanos, O mundo visto ao microscópio and tagged , .

Navegação

Categorias

%d bloggers like this: