A Arte da Omissao

Afinal há paredes que têm ouvidos

O fim do Grupo Espírito Santo em discurso directo

Por vezes o Cosmos resolve dar uma ajudinha. E fê-lo, colocando à disposição do SOL, os registos gravados das reuniões que tiveram lugar no edifício do Grupo Espírito Santo (GES) na Rua de São Bernardo, em Lisboa, entre o  final de 2013 e verão de 2014.

“Na reunião de 2 de Junho, um mês e meio antes da detenção e constituição de arguido de Ricardo Salgado, pairava já a sombra da falência. O desespero torna-se evidente. A família chega a um consenso para a cartada de último recurso: um pedido de ajuda às autoridades portuguesas, para viabilizar um financiamento bancário de emergência – através da Caixa Geral de Depósitos – ao ramo não financeiro do grupo”.

Para alivar a porta do Espírito Santo International dos credores que a não largavam, procuraram em Portugal por um apoio financeiro no valor de 500 a 750 milhoes de euro, dando como garantia os hoteis Tivoli e a Herdade da Comporta.

“A meio da reunião, apesar de a ideia atropelar as regras da supervisão, Ricardo Salgado arriscou e ligou ao governador do Banco de Portugal. Não se saiu bem: Carlos Costa declinou (a linha de recapitalização é apenas para os bancos) e alertou para os riscos de contágio – ao BES e a todo o sistema bancário – das dificuldades das empresas do GES. A família vira-se para um nome de peso, Carlos Moedas, na altura secretário de Estado-adjunto do primeiro-ministro. Ricardo Salgado foi  de novo o interlocutor e a conversa levantou o moral do Conselho: o governante disponibilizou-se, não só para contactar o presidente da CGD, José de Matos, como para interceder junto do ministro luxemburguês da Justiça (um luso-descendente) para que Salgado pudesse ter acesso a informações sobre a investigação que a Procuradoria deste país acabara de instaurar e que caíra como uma bomba no Conselho.”

(fonte)

ligne-rouge

É sempre bom saber o nome dos narizes de Pinóquio!

 BES: Pequenos investidores em tribunal contra venda de ativos

Bruxelas sabia da resolução do BES

PJ investiga branqueamento de capitais envolvendo BES e general angolano

One comment on “Afinal há paredes que têm ouvidos

  1. Rafael
    21 de Outubro de 2014

    “para que Salgado pudesse ter acesso a informações sobre a investigação que a Procuradoria deste país acabara de instaurar”.
    Para se saber coisas, supostamente, confidenciais, recorre-se às mais altas influencias possiveis. Para isso basta estar no topo da suposta piramide.
    Enquanto isso, nós cá embaixo, temos de aguentar!!!
    Cambada!!!!!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 20 de Outubro de 2014 by in banca, classe política, corrupção, DIANTE DOS NOSSOS OLHOS, Portugal and tagged , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: