A Arte da Omissao

Cyberbullying: quando o miúdo franzino pode tornar-se poderoso

Propague para amigos que tenham no seu agregado potenciais agressores / vítimas

ligne-rouge

As vítimas de bullying tornam-se muitas vezes agressores no cyberbullying. Estudo europeu de 2014 reporta que 5% dos miúdos portugueses dos 9 aos 16 anos dizem ter tido experiências de cyberbullying alguma vez na vida.

Maria tem 16 anos, é sociável, popular e bonita, uma excelente aluna, esteve no quadro de mérito na escola secundária onde frequenta o 10º ano. Tal como cerca de 70% dos adolescentes portugueses, tem um perfil numa rede social. Alguém pegou numa das fotografias que tinha no seu Facebook, em que estava numa festa de casamento, muito produzida, com sapatos de salto alto. Depois criou com essa imagem um perfil falso onde alguém a critica por não ter idade para andar com aquelas roupas, diz que dorme com muitos rapazes e chama-lhe “nomes feios, muito feios, começados por p.”, conta a mãe, funcionária pública de 48 anos, que anda há um ano em tribunal a tentar descobrir quem fez aquilo à filha. Maria foi vítima de cyberbullying.

É uma nova forma de violência que amplia as consequências do bullying presencial. Trata-se de usar a Internet como meio para difundir ameaças, difamações e violência psicológica. “O bullying são quatro ou cinco pessoas a assistir e a incentivar no momento. No cyberbullying a audiência é potencialmente infinita”, diz o psicólogo João Faria. Podem ser usadas as redes sociais, as sms, o twitter. O estudo europeu Net Children Go Mobile, reporta que 2% dos miúdos portugueses dos 9 aos 16 anos dizem ter tido experiências de cyberbullying alguma vez na vida (dados de 2010), número que subiu para os 5% em 2014. A média dos sete países europeu s estudados é de 7%.

No bullying presencial “o perfil das vítimas é mais evidente”, são muitas vezes os mais fracos. “São os mais franzinos, os gordinhos, ou que usam óculos, ou tem dificuldades cognitivas. A vítima do cyberbullying é mais difusa”, diz a psicóloga do Hospital Amadora-Sintra Filipa Fonseca, que nos últimos dois anos tem começado a receber casos deste tipo. A vítima pode ser alguém como Maria (nome fictício). “Ela nunca teve problemas na escola, sempre teve imensos amigos”, conta a mãe.

O bully (agressor) também já não é necessariamente “o miúdo forte com as costas quentes, o miúdo franzino torna-se poderoso”, nota João Faria, psicólogo que coordena o Núcleo de Intervenção na Internet e nas Telecomunicações, na Progresso Infantil, um centro especializado em perturbações do desenvolvimento das crianças, em Carcavelos.

“Há muitas vezes uma inversão. As vítimas de bullying tornam-se muitas vezes agressores no cyberbullying.” E lembra um caso que acompanhou de um miúdo que sofria de uma perturbação do espectro do autismo, que tinha sido vítima de bullying na escola, que passava o tempo em casa, muito isolado. “Fez um vídeo demolidor dos seus agressores.”

Enquanto o bullying presencial acontece muitas vezes no espaço da escola e esta não pode desresponsabilizar-se, no caso do cyberbullying a experiência de João Faria é que as “escolas tentam sacudir a água do capote”. Afinal, as “agressões são muitas vezes feitas a partir de casa”. “As escolas querem desresponsabilizar-se, as famílias querem responsabilizar as escolas”. “Na era dos smartphones ainda torna mais complexo este fenómeno”, diz Jose Ilídio Sá, investigador do Departamento de Educação da Universidade de Aveiro, que fez a sua tese de doutoramento sobre este fenómeno.

Os perigos da rapidez
Iniciar um rumor já podia ser uma arma psicológica, a diferença é que na sua versão electrónica –  quer através da criação de falsos perfis ou tornando públicas fotografias de situações íntimas ou embaraçosas – tudo acontece muitas vezes “de forma impulsiva”. “Não reflectem e depois de colocar posts às vezes arrependem-se”, constata a psicóloga. Além da dimensão da audiência, outro dos grandes riscos “é a rapidez com que tudo é executado”, nota João Faria. “Qualquer zanga pode dar azo a difamações para os contactos”, junta Filipa Fonseca.

O problema é que “o mundo não os está a ajudar a esperar, está a empurrar para a impulsividade”, diz João Faria que dá um exemplo muito concreto, quando nos restaurantes se vê pais a darem às crianças um Ipad enquanto esperam pela comida. “Não estão a esperar. É preciso deixá-los estar com os seus pensamentos, a divagar.” Filipa Fonseca constata que “no campo social estão pouco habituados a esperar para resolver os seus problemas. É preciso treinar a espera“, alerta a psicóloga do Amadora-Sintra.

“É preciso trabalhar questões da auto-regulação, da impulsividade”, acrescenta. Há um termo novo que se chama regras de “netiqueta” e que trata de ensinar o respeito pelo outro online, como por exemplo mandar uma mensagem e não insistir logo para ter uma resposta imediata. “Pensa antes de publicar” é uma das mensagens de um cartaz criado por uma agência irlandesa, a Fuzion, depois de dois casos de bullying electrónico no país que conduziram ao suicídio. O site português de promoção do uso seguro da Internet por crianças, MiudosSegurosNa.Net, convida à sua divulgação. Fonte

ligne-rouge

Nota: Links e realces desta cor são da minha responsabilidade.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 10 de Dezembro de 2014 by in cyberbullying, DIANTE DOS NOSSOS OLHOS and tagged .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: