A Arte da Omissao

As negociações secretas de Washington com Havana e Teerão

Traduçao do artigo, Washington’s secret negotiations with Havana and Tehran, de Thierry Meyssan

O anúncio do restabelecimento das relações diplomáticas de Washington com Havana prefigura o das relações com Teerão. Os Estados Unidos não abandonaram as suas ambições imperialistas e esses dois estados não renunciaram aos seus ideais revolucionários. No entanto, Washington reconhece que Cuba e Irão não serão derrotados por isolamento diplomático e guerra económica. Está a preparar-se para um outro tipo de confronto.

Rede Voltaire | Damasco (Síria) | 22 de Dezembro de 2014

ligne-rougeVisita oficial de Mahmoud  Ahmadinejad aRaúl Castro (Janeiro de 2012)1-5036-60057-2-16f90

O anúncio simultâneo de Barack Obama e Raúl Castro sobre a restauração das relações diplomáticas entre os Estados Unidos e Cuba, foi uma surpresa para a Europa. Como de costume, Washington vinha a negociar secretamente com o seu oponente, enquanto impunha que a EU aplicasse sanções,  que em breve serão levantadas por Washington, em proveito próprio.

Há dois a esta parte, o presidente Obama vem tentando apaziguar os conflitos entre o império norte-americano e os Estados que a ele resistem: Cuba na América Latina e o Irão no “Grande Médio Oriente”. Na verdade, pode constatar-se que as sanções unilaterais, verdadeiros actos de guerra económica, iniciados por Washington e estendidos aos seus aliados, não funcionam. Cuba e a República Islâmica do Irão sofreram muito, mas resistem.

Meio século de luta

Durante a Guerra Fria, Cuba mobilizaou-se contra a política do apartheid que a África do Sul pretendia estender aos seus vizinhos. O regime branco em Pretória era então, apoiado pelos Estados Unidos e Israel. O exército cubano implantou-se em Angola e Namíbia, até à celebração do acordo de paz em 1988. Fidel Castro foi, assim, capaz de derrotar uma ideologia que divide a humanidade em duas: senhores e escravos. No entanto, foram necessários mais de três anos para o regime do apartheid da África do Sul ser desmantelado e para Nelson Mandela se tornar presidente do povo sul africano reunido.

Da mesma forma, a República Islâmica do Irão também se mobilizou contra a política de apartheid que Israel pretendia estender aos seus vizinhos. O regime sionista de Telavive tem sido apoiado pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido desde a sua proclamação ilegal em 1948. Reclama toda a terra do Nilo ao Eufrates. O Irão apoia a Síria, o Hezbollah e as organizações da resistência palestina. Sob a presidência de Mahmoud Ahmadinejad, os Estados Unidos e Israel têm sofrido muitas derrotas, especialmente no Líbano, Palestina, Síria e Iémene.

As relações entre a África do Sul e Israel têm sido amplamente documentadas. Os dois estados têm a mesma origem: África do Sul foi organizada pelo magnata do diamante, Cecil Rhodes – o teórico do “imperialismo alemão” [1] – enquanto Israel nasce do discípulo de Rhodes, Theodor Herzl, que seguiu todos os aspectos do modelo Rodesiano. Em 2002, a rainha Elizabeth censurou a publicação da correspondência entre Rhodes e Herzl, a qual só é conhecida através da carta reproduzida por este último numa das suas obras.

4-47-5be24-3-18ea4

As ligações entre a revolução Cubana e a Revolução Islâmica são ténues.

Certamente, Ali Shariati, o pensador que preparou a revolução iraniana, foi o tradutor de Che Guevara para persa.

Mas os dois Estados não tiveram ligações políticas significativas. Ao conversar com os respectivos líderes, fiquei surpreendido ao encontrar mútua ignorância.

É verdade que existem diferenças culturais que dificultam os contactos: a sociedade cubana é sexualmente altamente permissiva, enquanto a sociedade iraniana (Antes da Revolução Islâmica) é, pelo contrário, ultra protectora neste campo.

Dois Estados revolucionários

É claro que os interesses dos Estados Unidos, por um lado, e os do Irão e Cuba por outro, são irreconciliáveis e assim continuarão a ser. Não pode haver compromissos entre o imperialismo e o nacionalismo. No entanto, tal não impede a finalização de acordos de cessar-fogo regionais. Além disso, a retoma das relações diplomáticas não significa o levantamento total dos “bloqueios económicos” que Washington chama de “sanções”, como se fossem sempre punições decididas pelo Conselho de Segurança.

Actualmente, a esquerda europeia considera Cuba uma ditadura, mas a ilha é reconhecida pela esquerda latino-americana como um exemplo de resistência. Fidel Castro tem uma aura de libertação e exerce grande atracção em todo o continente.

Identicamente, a esquerda Europeia considera a República Islâmica do Irão um regime medieval, embora seja o aliado essencial de qualquer movimento de resistência no “Grande Médio Oriente”. No entanto, apesar de Ahmadinejad desfrutar de grande popularidade, o líder supremo Ali Khamenei é menos conhecido no exterior.

3-86-e6b25-3-de399Em ambos os casos, os Estados foram vítimas das suas imagens.

Assim, Cuba é apelidada de “comunista”, mas Fidel Castro não o era até à sua vitória.

Era o seu irmão Raúl que era militante do Partido Comunista.

Da mesma forma, Che Guevara opunha-se ao modelo económico soviético e escreveu sobre isso, antes de se demitir do seu cargo de Ministro da Indústria, e de sair para lutar no Congo, ao lado de Laurent-Désirée Kabila.

Tendo o Irão proclamado ser uma República Islâmica, geralmente é vista como muçulmana. Mas Ali Shariati assegurou que o Islão é um processo revolucionário e que todos os revolucionários do mundo são muçulmanos, a partir do momento que lutam pela justiça. Além disso, o Irão xiita também interveio na África e apoiou … o cristão, Laurent Christian Desiree Kabila quando este chegou ao poder

Em ambos os casos, a história recordará que foram Estados revolucionários. Mas as revoluções, à medida que ocorrem e quando conseguem emancipar os homens, são apenas aprovadas quando terminam e não ameaçam nenhum privilégio.

A estratégia de Washington

Para os Estados Unidos, era urgente e oportuno suspender os seus conflitos com a resistência cubana e iraniana. O reinvestimento dos EUA na América Latina e o movimento de tropas norte-americanas do “Grande Oriente Médio” para o Extremo Oriente foi bloqueado. Além disso, a solução tinha que estar em vigor antes da Cimeira das Américas. Na verdade, sob a liderança de Rafael Correa, o Panamá hospedou a Cimeira e pela primeira vez convidou Cuba. Obama teria que cumprimentar o seu adversário, Raúl Castro. Da mesma forma, os Estados Unidos não podem esperar criar três estados independentes no Iraque sem o consentimento iraniano.

Nota final: o cessar-fogo com Washington é particularmente perigoso. Os Estados Unidos não vão parar de tentar desestabilizar estes Estados revolucionárias, vão agora fazê-lo com acesso ao interior. Nem Cuba nem o Irão poderão agora monitorizar os muitos americanos que chegam em negócios ou turismo. A CIA, nos próximos dois anos, irá tentar as revoluções coloridas.

A retoma das relações diplomáticas entre Washington e Havana prefigura a entre Washington e Teerão.

Thierry Meyssan

[1] Rhodes spoke of “German imperialism” to describe the British Empire. The sovereigns of the United Kingdom are in effect Germanic.

ligne-rouge

Artigos relacionados:Russia to reopen spy base in Cuba as relations with US continue to sour

2 comments on “As negociações secretas de Washington com Havana e Teerão

  1. Phi
    29 de Dezembro de 2014

    Olá,

    Aqui está um artigo com o qual discordo do ponto de vista do Thierry Meyssan!

    Instalado o cerne consumista em Cuba, não haverá necessidade de forçar uma revolução colorida, é só deixar o gérmen capitalista brotar…

    Gostar

    • urantiapt
      29 de Dezembro de 2014

      O contraditório é sempre bem vindo.Obrigado por partecipar.
      Só o tempo poderá responder.
      Bom ano

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 29 de Dezembro de 2014 by in A arte da Guerra, Cuba, DIANTE DOS NOSSOS OLHOS, Irão, Israel, USA and tagged , , , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: