A Arte da Omissao

ACORDEM

As negociações secretas de Washington com Havana e Teerão

Links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Tradução do artigo Washington’s secret negotiations with Havana and Tehran, de Thierry Meyssan

O anúncio do restabelecimento das relações diplomáticas de Washington com Havana prefigura o das relações com Teerão. Os Estados Unidos não abandonaram as suas ambições imperialistas e esses dois estados não renunciaram aos seus ideais revolucionários. No entanto, Washington reconhece que Cuba e Irão não serão derrotados por isolamento diplomático e guerra económica. Ela prepara-se para um outro tipo de confronto.

Rede Voltaire | Damasco (Síria) | 22 de Dezembro de 2014

ligne-rougeVisita oficial de Mahmoud  Ahmadinejad a Raúl Castro (Janeiro de 2012)1-5036-60057-2-16f90

O anúncio simultâneo de Barack Obama e Raúl Castro sobre a restauração das relações diplomáticas entre os Estados Unidos e Cuba foi uma surpresa para a Europa. Como de costume, Washington vinha a negociar secretamente com o seu oponente enquanto impunha que a EU aplicasse sanções,  as quais serão em breve levantadas por Washington, em proveito próprio.

Há dois anos a esta parte, o presidente Obama tem tentado apaziguar os conflitos entre o império norte-americano e os Estados que a ele resistem: Cuba na América Latina e o Irão no “Grande Médio Oriente”. Na verdade pode constatar-se que as sanções unilaterais, verdadeiros actos de guerra económica iniciados por Washington e estendidos aos seus aliados, não funcionam. Cuba e a República Islâmica do Irão sofreram muito, mas resistem.

Meio século de luta

Durante a Guerra Fria, Cuba mobilizou-se contra a política do apartheid que a África do Sul pretendia estender aos seus vizinhos. O regime branco em Pretória era então apoiado pelos Estados Unidos e Israel. O exército cubano implantou-se em Angola e Namíbia até à celebração do acordo de paz em 1988. Fidel Castro foi assim capaz de derrotar uma ideologia que divide a humanidade em duas: senhores e escravos. No entanto, foram necessários mais de três anos para que o regime do apartheid da África do Sul fosse desmantelado e para Nelson Mandela se tornar presidente do povo sul africano reunido.

Da mesma forma, a República Islâmica do Irão também se mobilizou contra a política do apartheid que Israel pretendia estender aos seus vizinhos. O regime sionista de Telavive tem sido apoiado pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido desde a sua proclamação ilegal em 1948. Reclama toda a terra do Nilo ao Eufrates. O Irão apoia a Síria, o Hezbollah e as organizações da resistência palestiniana. Sob a presidência de Mahmoud Ahmadinejad, os Estados Unidos e Israel têm sofrido muitas derrotas, especialmente no Líbano, Palestina, Síria e Iémen.

As relações entre a África do Sul e Israel têm sido amplamente documentadas. Os dois Estados têm a mesma origem: África do Sul foi organizada pelo magnata do diamante, Cecil Rhodes – o teórico do “imperialismo alemão” [1] – enquanto Israel nasce do discípulo de Rhodes, Theodor Herzl, que seguiu todos os aspectos do modelo Rodesiano. Em 2002, a rainha Elizabeth censurou a publicação da correspondência entre Rhodes e Herzl, a qual só é conhecida através da carta reproduzida por este último numa das suas obras.

As ligações entre a revolução Cubana e a Revolução Islâmica são ténues.

Certamente, Ali Shariati, o pensador que preparou a revolução iraniana, foi o tradutor de Che Guevara para persa.

Mas os dois Estados não tiveram ligações políticas significativas. Ao conversar com os respectivos líderes fiquei surpreendido ao encontrar mútua ignorância.

É verdade que existem diferenças culturais que dificultam os contactos: a sociedade cubana é sexualmente altamente permissiva, enquanto a sociedade iraniana (Antes da Revolução Islâmica) é, pelo contrário, ultra protectora neste campo.

Dois Estados revolucionários

É claro que os interesses dos Estados Unidos e os do Irão e Cuba são irreconciliáveis e assim continuarão a ser. Não pode haver compromissos entre o imperialismo e o nacionalismo. No entanto, tal não impede a finalização de acordos de cessar-fogo regionais. Além disso, a retoma das relações diplomáticas não significa o levantamento total dos “bloqueios económicos” que Washington chama de “sanções”, como se fossem sempre punições decididas pelo Conselho de Segurança.

Actualmente, a esquerda europeia considera Cuba uma ditadura mas a ilha é reconhecida pela esquerda latino-americana como um exemplo de resistência. Fidel Castro tem uma aura de libertação e exerce grande atracção em todo o continente.

Identicamente, a esquerda Europeia considera a República Islâmica do Irão um regime medieval embora seja o aliado essencial de qualquer movimento de resistência no “Grande Médio Oriente”. No entanto, apesar de Ahmadinejad desfrutar de grande popularidadr o líder supremo Ali Khamenei é menos conhecido no exterior.

3-86-e6b25-3-de399Em ambos os casos, os Estados foram vítimas das suas imagens.

Assim, Cuba é apelidada de “comunista” mas Fidel Castro não o era até à sua vitória. O seu irmão Raúl é que era militante do Partido Comunista

Da mesma forma, Che Guevara opunha-se ao modelo económico soviético e escreveu sobre isso antes de se demitir do seu cargo de Ministro da Indústria e de sair para lutar no Congo, ao lado de Laurent-Désirée Kabila.

Tendo o Irão proclamado ser uma República Islâmica geralmente é vista como muçulmana. Mas Ali Shariati assegurou que o Islão é um processo revolucionário e que todos os revolucionários do mundo são muçulmanos, a partir do momento que lutam pela justiça. Além disso, o Irão xiita também interveio na África e apoiou … o cristão Laurent Christian Desiree Kabila quando este chegou ao poder.

Em ambos os casos, a história recordará que foram Estados revolucionários. Mas as revoluções à medida que ocorrem e quando conseguem emancipar os homens são apenas aprovadas quando terminam e não ameaçam nenhum privilégio.

A estratégia de Washington

Para os Estados Unidos, era urgente e oportuno suspender os seus conflitos com a resistência cubana e iraniana. O reinvestimento dos EUA na América Latina e o movimento de tropas norte-americanas do “Grande Oriente Médio” para o Extremo Oriente foi bloqueado. Além disso, a solução tinha que estar em vigor antes da Cimeira das Américas. Na verdade, sob a liderança de Rafael Correa, o Panamá hospedou a Cimeira e pela primeira vez convidou Cuba. Obama teria que cumprimentar o seu adversário Raúl Castro. Da mesma forma, os Estados Unidos não podem esperar criar três Estados independentes no Iraque sem o consentimento iraniano.

Nota final: o cessar-fogo com Washington é particularmente perigoso. Os Estados Unidos não vão parar de tentar desestabilizar estes Estados revolucionárias, vão agora fazê-lo com acesso ao interior. Nem Cuba nem o Irão poderão agora monitorizar os muitos americanos que chegam em negócios ou turismo. A CIA, nos próximos dois anos irá tentar as revoluções coloridas.

A retoma das relações diplomáticas entre Washington e Havana prefigura a retoma entre Washington e Teerão.

[1] Rhodes spoke of “German imperialism” to describe the British Empire. The sovereigns of the United Kingdom are in effect Germanic.

ligne-rouge

Artigos relacionados:Russia to reopen spy base in Cuba as relations with US continue to sour

2 comments on “As negociações secretas de Washington com Havana e Teerão

  1. Phi
    29 de Dezembro de 2014

    Olá,

    Aqui está um artigo com o qual discordo do ponto de vista do Thierry Meyssan!

    Instalado o cerne consumista em Cuba, não haverá necessidade de forçar uma revolução colorida, é só deixar o gérmen capitalista brotar…

    Gostar

    • urantiapt
      29 de Dezembro de 2014

      O contraditório é sempre bem vindo.Obrigado por partecipar.
      Só o tempo poderá responder.
      Bom ano

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 29 de Dezembro de 2014 by in Cuba, Irão, USA and tagged , , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers gostam disto: