A Arte da Omissao

2012- Aumentam as tensões energéticas no mar Egeu da Grécia, Turquia, Chipre e Síria

Em 2012, F. William Engdahl, escrevia:

A descoberta, no final de 2010, da enorme e rica fonte de gás natural nas margens mediterrânicas de Israel,  desencadeou que outros países vizinhos passassem a olhar mais de perto as suas próprias águas. Os resultados revelaram que todo o Mediterrâneo oriental está a nadar em enormes reservas de petróleo e gás não exploradas. Essa descoberta está a ter consequências políticas, geopolíticas e económicas. E também pode ter potenciais consequências militares.

Explorações preliminares confirmam impressionantes reservas de gás e petróleo nas águas ao largo da Grécia, Turquia, Chipre e, potencialmente, na Síria.

‘energia Sirtaki ‘ grega

Não é de surpreender, que a meio da sua crise financeira, o governo grego tenha começado a explorar seriamente o seu petróleo e gás. Desde então, o país tem estado numa curiosa dança com os governos do FMI e da UE, numa espécie de “energia Sirtaki” sobre quem irá controlar e, por fim beneficiar, das enormes descobertas dos recursos gregos.

Em Dezembro de 2010, quando parecia que a crise grega ainda podia ser resolvida sem os enormes resgates e privatizações, o Ministério de Energia da Grécia formou um grupo especial de peritos para pesquisar perspectivas de petróleo e gás em águas gregas. A Energean Oil & Gas da Grécia aumentou os investimentos nas perfurações em águas marítimas após uma descoberta de menor sucesso de petróleo em 2009. As principais pesquisas geológicas foram feitas. Hoje, as estimativas preliminares são de que o petróleo em águas gregas ultrapasse os 22 bilhões de barris no mar Jónico e cerca de 4 bilhões de barris no norte do Mar Egeu. [1]

O sul do Mar Egeu e Mar de Creta ainda não estão explorados, de modo que os números poderão ser significativamente maiores. Um anterior relatório do Conselho Nacional de Política Energética grego, afirmava que,  “A Grécia é um dos países menos explorados da Europa sobre os potenciais de hidrocarbonetos (petróleo e gás).” [2] De acordo com o analista grego, Aristóteles Vassilakis, “os levantamentos já realizados que mediram a quantidade  estimativa de gás natural, apontam para cerca de nove trilhões de dólares.”[3] Mesmo que apenas uma fração estivesse disponível, transformaria as finanças da Grécia e de toda a região.

David Hynes, especialista em petróleo da Universidade Tulane, disse recentemente numa audiência em Atenas, que a Grécia poderia potencialmente resolver toda a sua crise da dívida pública através do desenvolvimento da sua recém-descoberta de gás e óleo. Ele estima que a exploração das reservas já descobertas poderiam dar ao país mais de 302.000.000.000 € por mais de 25 anos. Em vez disso, governo grego  acabou por ser  forçado a concordar com enormes demissões do governo, cortes salariais  e nas pensões,  para obter acesso a um segundo empréstimo da UE e do FMI,  que só irá conduzir o país ao mais profundo declínio económico. [4]

Notavelmente, os governos do FMI e da UE, entre eles a Alemanha, exigem que a Grécia venda os seus valiosos portos e empresas públicas, entre eles, é claro, as empresas petrolíferas estatais gregas, para reduzir a dívida do Estado. Na melhor das condições, a rápida venda dos activos traria para o país talvez € 50 bilhões. [5] Surgem Planos de privatização de 65% da acções da empresa estatal grega de gás natural, DEPA, para reduzir a dívida. [6] Os compradores provavelmente vêm de fora do país, pois poucas empresas gregas estão em posição de comprar.

Um problema significativo, para além do facto do FMI exigir à Grécia a liquidação dos seus interesses petrolíferos públicos, reside no facto de que a Grécia não declarou a sua zona económica exclusiva,  como a maioria dos outros países que perfuram à procura de óleo. Não tinha tido grande necessidade até agora. A Terceira Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), que entrou em vigor em novembro de 1994, dá a um Estado que declara uma Zona Económica Exclusiva (ZEE),  especiais direitos minerais nas águas registadas nessa declaração. De acordo com CNUDM III, uma nação pode reivindicar uma ZEE de 200 milhas marítimas da sua costa. [7]

A Turquia já anteriormente tinha declarado que consideraria um ato de guerra, se a Grécia perfurasse  mais para o Egeu. [8] Até agora, tal não parece ter tido consequências económicas graves, uma vez que as reservas de petróleo ou de gás eram desconhecidos. Agora a história é completamente diferente.

Evangelos Kouloumbis, ex-ministro da Indústria da Grécia, declarou recentemente que a Grécia poderia cobrir “50% das suas necessidades com o petróleo a ser encontrado em jazidas no Mar Egeu, mas o  único obstáculo para isso é a oposição turca para uma eventual exploração grega.” [ 9]

Hillary também dança a Sirtaki….

Em Julho de 2011 Washington,  a Secretária de Estado Hillary Clinton voou para Atenas com a energia na sua mente e com Richard Morningstar, enviado Especial para a Energia na Eurasia. Morningstar tinha sido conselheiro especial do presidente  Bill Clinton  e um dos agentes estratégicos de Washington, nas batalhas geopolíticas para desmembrar a União Soviética e por cercar uma Rússia dominada pelo caos, com estados ex-pró-NATO hostis à URSS. Morningstar, juntamente com o seu controverso assessor, Matthew Bryza, têm sido os principais arquitetos de Washington dos projectos geopoliticamente motivados pelo petróleo e gás, que iriam isolar a Rússia e os seus recursos de gás Gazprom da União Europeia. Bryza é um adversário aberto ao  gasoduto da Gazprom South Stream da russa, que fará transitar os estados do leste do Mediterrâneo. [10] É evidente que a Administração Obama não é de todo neutra acerca das novas descobertas de petróleo e gás gregos. Três dias depois de Hillary deixar Atenas, o governo grego propôs a criação de uma nova agência governamental para criar propostas de pesquisas de petróleo e gás e para lances de perfuração finais.

Morningstar é o especialista norte-americano na guerra económica contra a diplomacia energética russa. Ele foi fundamental no apoio ao controverso oleoduto B-T-C 220px-Baku_pipelines.svg, um empreendimento caro projectado exclusivamente para ignorar o trânsito do oleoduto russo. Propôs abertamente que a Grécia e Turquia deixassem cair todas as diferenças históricas sobre o Chipre e acordassem em reunir conjuntamente todas as suas reservas de petróleo e gás do Mar Egeu. E também disse que o governo grego deveria esquecer a cooperação com Moscovo nos  projectos de gasoduto do South Stream e Burgas-Alexandroupolis. [11]

De acordo com o relatório do analista político grego Aristóteles Vassilakis publicado em Julho de 2011, o motivo de Washington em empurrar a Grécia a unir forças com a Turquia sobre petróleo e gás,  era para forçar a fórmula para  dividir as receitas resultantes de petróleo e gás. De acordo com o mesmo, Washington propôs que a Grécia ficasse com 20% das receitas, a Turquia com outros 20% e a Companhia Noble Energy de Houston Texas, empresa de perfuração com sucesso nas águas marítimas de Israel e Grécia, apoiada pelos Estados Unidos, ficaria com a parte do leão,  60 % [12].

O marido de Hillary Clinton, Bill Clinton, é um lobista em Washington para a Noble Energy [13].

E algumas complicações no Chipre…

Como se estas complicações geopolíticas não fossem suficientes, a Noble Energy, também descobriu enormes volumes de gás ao largo das águas da República do Chipre. Em Dezembro de 2011, Noble anunciou um jazigo no Chipre, estimado cerca de  7 trilhões de pés cúbicos de gás natural. O CEO da Noble, Charles Davidson comentou com a imprensa: “Esta última descoberta no Chipre destaca ainda mais a qualidade e importância desta bacia de classe mundial.” [14]
Na década de 1970, segundo documentos do governo dos EUA desclassificados recentemente, o então US secretário de Estado Henry Kissinger, incentivou activamente e facilitou armas ao primeiro ministro turco Bulent Ecevit, para organizar uma invasão militar ao Chipre em 1974, com o fim de separar ilha entre o norte etnicamente turco e a república etnicamente grega do Chipre a sul, divisão essa que ainda hoje permanece. Acredita-se que a estratégia de Kissinger, apoiado pelos britânicos, tinha como objetivo criar para os EUA e britânicos um posto  militar de escuta permanente no Mediterrâneo Oriental durante a Guerra Fria. [15]
Hoje, o sul etnicamente grego, onde a Noble descobriu grandes depósitos de gás, é membro da União Europeia. Seu presidente, Demetris Christofias, é o único líder nacional na União Europeia, que é comunista. Ele também é amigo próximo de Israel  e da Rússia. Além disso, é um grande crítico da política externa norte-americana, bem como a da Turquia. [16]
Agora Israel planeia construir um gasoduto subaquático desde os campos do Levante israelitas,  através das águas do Chipre e até terras gregas, onde seria vendido no mercado da UE. Os governos de Chipre e Israel concordaram mutuamente sobre a delimitação das suas respectivas zonas económicas, deixando a Turquia no frio. Esta ameaçou abertamente o  Chipre com a assinatura de um contracto com a Noble Energy. A Rússia, por sua vez declarou que não iria tolerar ameaças turcas contra o Chipre, o que complicou ainda mais as relações turco-russas. [17]
As relações turco-israelitas, no passado bastante amigáveis, tornaram-se cada vez mais tensas nos últimos anos, sob as políticas externas de Erdogan. Ankara manifestou preocupação com os recentes laços de Israel com os seus históricos antagonistas, Grécia e o lado grego do Chipre. A República Turca do Norte do Chipre, teme que poderá perder a sua quota-parte do gás depois de Israel e Nicosia assinaram um acordo para dividir os 250 quilômetros de mar que os separam[18]
Torna-se evidente, especialmente quando se olha para o mapa do Mediterrâneo oriental, que a próspera perspectiva  de petróleo e gás, poderá descambar rapidamente numa zona de conflito, de magnitude tectónica, envolvendo interesses estratégicos dos Estados Unidos, Rússia, UE, Israel, Turquia, Síria e Líbano.

[1] Ioannis Michaletos, Greek Companies Step Up Offshore Oil Exploration—Large Reserves Possible, December 8, 2010,in http://www.balkanalysis.com/greece/2010/12/08/greek-companies-step-up-offshore-oil-exploration-large-reserves-possible/.

[2]  Ioannis Michaletos, Greek Companies Step Up Offshore Oil Exploration—Large Reserves Possible, December 8, 2010,in http://www.balkanalysis.com/greece/2010/12/08/greek-companies-step-up-offshore-oil-exploration-large-reserves-possible/.

[3] Hellas Frappe, Hillary came to Greece to seal oil exploration deals!, July 21, 2011, accessed in http://hellasfrappe.blogspot.com/2011/07/special-report-hillary-came-to-greece.html.

[4] Chris Blake, Drilling for oil in the Aegean nay help ease Greece’s debt crisis, July 7, 2011, accessed in http://www.reinventinggreece.org/2011/07/drilling-for-oil-in-the-aegean-may-help-ease-greeces-debt-crisis/

[5]  Chris Blake, Drilling for oil in the Aegean nay help ease Greece’s debt crisis, July 7, 2011, accessed in http://www.reinventinggreece.org/2011/07/drilling-for-oil-in-the-aegean-may-help-ease-greeces-debt-crisis/

[7] United Nations, United Nations Convention on the Law of the Sea of 10 December 1982: PART VI: CONTINENTAL SHELF, Article76, Definition of the continental shelf, accessed in http://www.un.org/depts/los/convention_agreements/texts/unclos/part6.htm.

[8] Chris Blake, Drilling for oil in the Aegean nay help ease Greece’s debt crisis, July 7, 2011, accessed in http://www.reinventinggreece.org/2011/07/drilling-for-oil-in-the-aegean-may-help-ease-greeces-debt-crisis/

[9] Ioannis Michaletos, Greek Companies Step Up Offshore Oil Exploration—Large Reserves Possible, December 8, 2010,in http://www.balkanalysis.com/greece/2010/12/08/greek-companies-step-up-offshore-oil-exploration-large-reserves-possible/.

[10] Hellas Frappe, Hillary came to Greece to seal oil exploration deals!, July 21, 2011, accessed in http://hellasfrappe.blogspot.com/2011/07/special-report-hillary-came-to-greece.html.

[11]  Hellas Frappe, Hillary came to Greece to seal oil exploration deals!, July 21, 2011, accessed in http://hellasfrappe.blogspot.com/2011/07/special-report-hillary-came-to-greece.html.

[12]  Hellas Frappe, Hillary came to Greece to seal oil exploration deals!, July 21, 2011, accessed in http://hellasfrappe.blogspot.com/2011/07/special-report-hillary-came-to-greece.html

[13] Hugh Naylor, Vast gas fields found off Israel’s shores cause trouble at home and abroad, January 24, 2011, ain http://www.thenational.ae/news/world/middle-east/vast-gas-fields-found-off-israels-shores-cause-trouble-at-home-and-abroad#full.

[14] Noble Energy Press Release, Significant Natural Gas Discovery Offshore Republic of Cyprus, December 28, 2011,  in http://www.maritime-executive.com/article/significant-natural-gas-discovery-offshore-republic-of-cyprus.

[15] Larisa Alexandrovna and Muriel Kane, New documents link Kissinger to two 1970s coups, June 26, 2007,  in http://rawstory.com/news/2007/Intelligence_officers_confirm_Kissinger_role_in_0626.html.

[16] Yilan, Cyprus conflict defies ready solution, May 30, 2011, accessed in http://turkeymacedonia.wordpress.com/2011/05/30/cyprus-conflict-defies-ready-solution/.

[17] Stephen Blank, Turkey and Cyprus Gas: More Troubles Ahead in 2012, Turkey Analyst, vol. 5 no. 1, 9 January 2011, accessed in http://www.silkroadstudies.org/new/inside/turkey/2012/120109B.html.

[18] Hugh Naylor, Vast gas fields found off Israel’s shores cause trouble at home and abroad, January 24, 2011, ain http://www.thenational.ae/news/world/middle-east/vast-gas-fields-found-off-israels-shores-cause-trouble-at-home-and-abroad#full.

 ligne-rouge

Artigos relacionados: Resgate de Portugal foi para salvar banca alemã, diz conselheiro de Durão Barroso

Ajudas a Portugal e Grécia foram resgates aos bancos alemães

Nota: Links e realces desta cor são da minha responsabilidade.

Quando a escória começa a manipular os governos para atingirem vitórias na guerra energética, só podem recolher tempestades. Fica claro em que se baseavam as medidas de austeridade na Grécia. Inacreditável.

Advertisements

2 comments on “2012- Aumentam as tensões energéticas no mar Egeu da Grécia, Turquia, Chipre e Síria

  1. voza0db
    1 de Fevereiro de 2015

    Boas!

    Só falta a parte sobre os Montes Golan… Muito resumido!

    Afinal não é por acaso que o Exército Americano de Israel
    (EAI) anda pela Síria a tomar as medidas tidas por necessárias para assegurar que Israel tem acesso a mais uma região petrolífera!

    😎

    Gostar

    • urantiapt
      1 de Fevereiro de 2015

      Estamos a falar de crimes aos olhos do direito internacional, mas ás vezes tenho que te dar razão. Ninguém quer saber, até ao dia em que as nossas meias se chamusquem. Obrigado pelo link

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: