A Arte da Omissao

Agricultores polacos bloqueiam estradas pelo direito à terra sem OGM

Milhares de pequenos agricultores na Polónia bloquearam estradas e manifestaram-se para exigir os seus direitos  sobre a terra, a proibição dos OGM e o fim da regulação opressiva sobre a saúde e segurança.
Exigimos a introdução de legislação que proteja as nossas terras da exploração pelo capital estrangeiro! As terras agrícolas não podem ser vendidas a empresas comerciais. Fazem parte do território polaco. Uma vez  vendida está  perdida.

É já considerado  a maior protesto de agricultores na Polónia, o qual leva já duas semanas depois do encerramento de auto-estradas e estradas principais. Este protesto envolve milhares de pequenos agricultores e familiares que se manifestam através de comícios e bloqueios em mais de 50 localidades espalhadas pelo país. Desde 3 de Fevereiro que mais de 150 tractores bloqueiam a auto-estrada A2 em Varsóvia e outras centenas fecharam estradas, para além de montarem piquetes nos escritórios governamentais de outras regiões.

Os agricultores prometem continuar a luta até que o governo se comprometa a iniciar conversações com o sindicato,  a resolver a crescente crise na agricultura polaca, e a reverter as medidas que discriminam injustamente explorações familiares mais pequenas. Edward Kosmal, presidente da comissão dos agricultores em protesto da região Oeste-Pomerania, diz que os agricultores estão pontos para o dialogo e que anseiam por uma reunião com o primeiro-ministro, para um compromisso global seja acordado e que resolva os problemas da agricultura polaca.

“Se não entrar em diálogo com o sindicato, seremos forçados a intensificar os nossos protestos.”

 

Exigências principais: direitos à terra, banir OGM, legalização da venda ds alimentos das quintas.

  • O direitos à terra – implementar regulação que evite a apropriação das terras por empresas ocidentais e que  proteja os direitos dos agricultores e suas familiares à terra – a partir de 2016, compradores estrangeiros poderão juridicamente comprar terra polaca.
  • A legalização da venda directa dos produtos agrícolas – o governo tem de tomar medidas para melhorar a posição dos agricultores no mercado, incluindo a adopção de uma lei que facilite a venda directa de produtos agrícolas processados ​​e não processados. A Polónia tem a maior política de exclusão da Europa, em torno do  processamento de produtos agrícolas em quintas e das vendas directas, o que torna impossível que os agricultores possam competir com empresas alimentares maiores. (N.d.T – aqui está um bom exemplo da compra de governos pelo capital)
  • Estender as leis de sucessão que incluem terras em regime de arrendamento, como  forma  legal de uso da terra.
  • Banir o cultivo e venda de organismos geneticamente modificados na Polónia.

“Exigimos a proibição legal de sementes GM na Polónia”, disse agricultor no protesto. “O valor da agricultura polaca, única na Europa, reside no ambiente não poluído e na produção de alimentos de alta qualidade. Tal é decisivo para a nossa competitividade nos mercados globais.”

“Exigimos a introdução de legislação que proteja a terra polaca da exploração levada a cabo pelo capital estrangeiro! As terras agrícolas não podem ser vendidas a empresas comerciais. Elas fazem parte da Polónia!.” disse outro.

Estas ações representam uma escalada dramática de protestos que foram fervendo por todo o país ao longo do último ano, especialmente nas províncias do norte.

Uma das causas foi a opressiva “higiene alimentar” e outras regulações que impedem que os pequenos agricultores vendam os seus produtos nos mercados locais, onde a produção da grande maioria dos produtos orgânicos (se não certificados) é respeitada como sendo de qualidade superior comparando com os alimentos das fazendas industriais modernas.

A Polónia é um dos últimos países europeus que ainda tem um grande corpo de agricultores que usam os métodos  agrícolas tradicionais, sem produtos químicos e com níveis muito baixos de mecanização, sendo os cavalos  amplamente utilizados para a tração.

As fazendas são tipicamente mistas, com um pequeno número de porcos, galinhas, gado e cavalos e campos aráveis ​​todos contidos em cerca de cinco hectares.

A agricultura industrial é bem-vinda por parte da ala direita do governo polaco. Assim, Smithfield, o maior produtor de suínos do mundo, que comprou em 1999 a empresa  Animex SA, dirige agora uma série de 16 ou mais grandes fazendas de porcos, onde as condições de bem-estar dos animais foram descritas como “horríveis“.

Julian Rose, presidente da Coligação Internacional para a Proteção do Campo Polaco (ICPPC), explicou: “Estamos a assistir a um aumento acentuado destas manifestações por parte dos agricultores polacos, que são espremidos pela EU, pelo governo e pelos interesses corporativos.

“Estes protestos começam a tocar no nervo exposto do que há de errado com as práticas desumanas, neo-liberais e pelo lucro obcecado de hoje. Práticas que ignoram as reais necessidades dos agricultores e dos consumidores.” 

 

 fonte

 ligne-rouge

grande exemplo

 

Advertisements

4 comments on “Agricultores polacos bloqueiam estradas pelo direito à terra sem OGM

  1. voza0db
    7 de Março de 2015

    Boas 😉

    Talvez te interesse esta informação

    Quanto ao OGM em Portróical!

    Não é preciso ser-se nenhum génio para se chegar à conclusão que cheguei em 12 de Julho de 2012!

    E para ajudar a sustentar a conclusão… Uns BELOS GRÁFICOS!

    A área total cultivada com OGM (só milho) passou dos 5093,8 hectares em 2009 para os 8542,41 hectares em 2014! Só +- 67,70% aumento!

    Acabadinhos de sair!

    O que interessa é – e enquanto o papel-moeda for REI E FERRAMENTA dos DONOS do SISTEMA – o LUCRO! Notícia RTP sobre milho e Alqueva (evidente que nem falaram no detalhe do OGM! (Há que manter a MANADA Tuga sossegada!)

    Abraço
    😎

    Ai que já me ia esquecendo…

    VIVA A BARRAGEM DE ALQUEVA 🙄

    Gostar

    • urantiapt
      7 de Março de 2015

      Apresentas o motivo pelo qual na minha casa só entra pão de centeio. Se todos usássemos “o poder do consumidor”, outro galo cantaria.
      BFS

      Gostar

  2. voza0db
    8 de Março de 2015

    Mesmo a calhar!

    Nada como um lucrativo negócio OGM para reaquecer as relações com CUBA!

    Não perdem tempo…

    Abr
    😎

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 6 de Março de 2015 by in austeridade, DIANTE DOS NOSSOS OLHOS, Em nome dos Direitos Humanos, Industria Alimentar, Polónia, zona euro.

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: