A Arte da Omissao

Alemanha começa a confiscar pertences dos refugiados; Dinamarca finaliza projecto de lei para fazer o mesmo

De acordo com autoridades locais, os Estados do sul da Alemanha estão a confiscar pertences dos refugiados, com o fim de custear as suas estadias. A Dinamarca avança com um plano para fazer o mesmo, através de um controverso projecto de lei destinado a limitar os direitos dos requerentes a asilo.
“Dinheiro e objectos de valor podem ser confiscados [pelas autoridades] se forem superiores a 750 (US $ 810) e se a pessoa tem uma conta por saldar ou espera ter alguma“, disse Joachim Herrmann,  Ministro do Interior da Baviera, ao jornal Bild nesta quinta-feira.

O governo de Baden-Württemberg tem implementado um processo mais rigoroso, com a polícia a confiscar dinheiro e valores acima de 350 ($ 378).

Ao confiscar os pertences pessoais de refugiados, os Estados estão a implementar leis federais que exigem aos requerentes de asilo que utilizem os seus próprios recursos antes de receberem auxílios estatais.

“Se você pedir asilo aqui, tem que usar os seus rendimentos e riqueza antes de receber ajuda“, disse o comissário de integração do governo federal, Aydan Ozoguz, sublinhando que tal riqueza inclui activos, tais como jóias de família.

Esta medida tem sido criticada pelo partido de esquerda (Die Linke), com Ulla Jelpke a dizer ao Der Tagesspiegel que “aqueles que solicitam asilo estão a exercer os seus direitos fundamentais [nos termos da Constituição alemã].

“Tal não deve – mesmo se forem rejeitados ser amarrado a custos“, disse ela.

Alimentar “medo e da xenofobia

Enquanto isso, na Dinamarca avança com um projecto de lei que, se passar, permitirá também que o seu governo confisque bens de valor aos refugiados. O primeiro-ministro Lars Løkke Rasmussen já tem apoio suficiente para o seu projecto de lei ir a voto parlamentar a  26 de Janeiro.

A legislação, cuja leitura final ocorreu na passada quinta-feira, permitirá que as autoridades dinamarquesas apreendam dinheiro aos refugiados superior a 10 mil coroas ($ 1,450), juntamente com muitos pertenças individuais no mesmo valor  ou mais. Os anéis de casamento e outros itens sentimentais estarão isentos.

Segundo a imprensa dinamarquesa,  o Parlamento Europeu votou na quarta-feira para que seja pedido  à Dinamarca que envie um representante oficial a Bruxelas para explicar esse plano do país de confiscar dinheiro e valores a refugiados. No entanto, o ministro da integração do país, Inger STØJBERG, tem afirmado repetidamente que a política de imigração da Dinamarca é decidida na Dinamarca, não em Bruxelas.

A lei também irá atrasar o reagrupamento familiar, aumentando o período de espera para refugiados de guerra que planeiam trazer membros familiares dentro de um ano a três anos – movimento que tem sido reclamado pelo director do Instituto Dinamarquês para os Direitos Humanos.

“De acordo com o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, o tratamento dos casos de reagrupamento familiar deve ser célere, flexível e eficiente, com especial atenção e cuidado,” disse Jonas Christoffersen à AFP. Isto não é consistente com um período de espera de três anos.

O Comissário do Conselho da Europa para os Direitos Humanos, Nils Muiznieks, disse no início deste mês que a questão do reagrupamento familiar levanta questões de compatibilidade com o artigo 8º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem, que protege o direito ao respeito pela vida familiar.

O projecto de lei também tornará ainda mais duros os requisitos permanentes de residência. O Vice-director da Amnistia Internacional para a Europa, Gauri van Gulik, criticou a legislação, afirmando que destacar refugiados traumatizadas pela guerra é uma prática discriminatória.”

O projecto de lei também foi criticado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que disse que “ele poderá alimentar o medo [e] xenofobia.No seu relatório de Janeiro, a agência concluiu que, se a lei passar,  a Dinamarca violará a Convenção Europeia dos Direitos Humanos direitos, a Convenção da ONU sobre os direitos da Criança e a Convenção das Nações Unidas para os refugiados.

Aparentemente implacável pela crítica, o primeiro-ministro dinamarquês Lars Løkke Rasmussen sugeriu que a Dinamarca pode avançar com revisão da Convenção das Nações Unidas para os Refugiados, se a crise dos refugiados “continuar ou piorar.

A Dinamarca registou 21.000 pedidos de asilo em 2015, tornando-se um dos principais destinos da UE para os refugiados depois  da Finlândia, a Áustria, Alemanha e Suécia.

O afluxo de pedidos de asilo levou a tensões entre moradores locais em algumas áreas, com mulheres dinamarquesas a relatarem assédio sexual por parte de refugiados em pelo menos três cidades.

Várias clubes nocturnas impuseram regras de admissão rigorosas, exigindo que os cidadãos provem a sua capacidade de falar dinamarquês, alemão ou Inglês.

A Europa continua a enfrentar a sua maior crise migrante desde 1945, onde se espera que omero de pedidos de asilo aumente este ano. Em 2015, entraram na Europa mais de 1 milhão de refugiados, a maioria deles da Síria, onde uma guerra civil tomou a vida de 250.000 pessoas e desalojou 12 milhões desde 2011, segundo dados da ONU. (e continuam impunes as agências, governos, fundos que a geraram, alimentaram e continuam alimentar.NdT).

Fonte

 ligne-rouge

Penso que cada vez é mais visível a desUnião Europeia, uma Europa que tem memória curta, e onde vemos realmente o “espírito” meramente “económico” que esteve na base da sua criação. E cada vez mais também é visível o que vai acontecer neste Falsa União Europeia.

Para não falar na angustiante impunidade dos que se acham no direito de depor presidentes democraticamente eleitos, sob a falsa bandeira de implantar a democracia, de governos que alimentam, treinam, financiam e continuam a financiar quem,  que para além de matar, está na origem desta crise migratória.

Este cenário é uma vergonha para o MUNDO e já não temos forma de evitar que as futuras gerações nos apontem o dedo e nos responsabilizem pelo mundo que lhes deixámos.

 

 

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: