A Arte da Omissao

Estas informações nunca deveriam ter sido publicadas

JPEG - 115.1 ko

Carlos amigos,

Cada um de nós interroga-se sobre as aparentes hesitações dos Estados Unidos que, durante quinze anos, pareceram contradizer-se um dia para o outro; sobre as razões que os levaram a devastar oGrande Médio Oriente“; sobre o terrorismo islâmico que cresce desde que reivindica lutar contra; etc.

Nos últimos anos tenho observado não só os eventos, mas também tenho defendido os princípios do direito internacional ao lado dos venezuelanos, iranianos, libaneses e sírios.

Enquanto o presidente Trump tenta acabar com o imperialismo, decidi testemunhar o que eu vi no terreno  e que vivi durante as negociações internacionais. Irei publicar a 22 de Março, um livro de análise, o mais documentado já escrito sobre esse período. Estou plenamente consciente do risco tomo por revelar informação privilegiada.

Sabendo que este livro coloca particularmente em causa muitas personalidades francesas, direita e esquerda, não duvido que alguns deles pedirão a retirada imediata das livrarias. Encorajo-vos a pedi-lo com antecedência, para garantirem que o lêem.

 Fonte


Autor: Thierry Meyssan

Thierry Meyssan, geopolítico de âmbito internacional, chocou o mundo por desafiar a versão oficial dos ataques de 11 de Setembro. O autor, demonizado pelos meios de comunicação pró-atlantista, expõe neste livro o resultado de 6 anos de análises explosivas que se opõem frontalmente à narrativa que é feita diariamente nas nossas “democracias ocidentais”. Excepcionalmente rico, este novo livro é a continuação dos seus últimos três bestsellers, e significa a extensão lógica, a conclusão de uma obra esmagadora.

Explosivo

« Os factos e análises aqui apresentados dar-lhe-ão vertigens: quase tudo que pensa saber sobre “as primaveras árabes” e o terrorismo jihadista, são sucessões de propagandas de guerra. Prepare-se para se chocar. »

O comportamento dos nossos líderes parece ter-se tornado irracional: sob o pretexto de salvar os líbios de um ditador que os poderia matar, massacramos 160.000; para derrubar o regime sírio, temos colaborado com a Al Qaeda, enquanto os responsabilizamos pelos ataques de 11 de Setembro e os combatemos no Mali; para defender o projecto de paz europeu, apoiamos o golpe nazi na Ucrânia; etc

O mundo ficou sombrio: desde 11 de Setembro, o uso da tortura banalizou-se, Estados foram aniquilados, mais de um milhão de refugiados precipitou-se para Europa, mais de três milhões de pessoas foram mortas por guerras ocidentais, o caos  instala-se no Médio Oriente Médio. Aparentemente para nada.

Com base na sua experiência e em documentos inéditos, Thierry Meyssan revela-nos por quem, porquê e como foi concebida o “remodelação” da região. Ele destaca um confronto interno nos Estados Unidos que, enquanto continua a destruir o Oriente Médio, espalha-se agora ao mundo ocidental.

Escrito para o público em geral, mas igualmente para um público exigente e discreto, este livro que vai ser publicado simultaneamente em nove idiomas  é destinado a  tornar-se um livro de referência. Repleto de informações precisas, fornece a chave para o que mundo sofreu em 15 anos, quando começou a “guerra contra o terror”. Este é o primeiro e único testemunho de uma pessoa que viveu os eventos em vários dos países em causa. Ele alerta-nos para esse conflito global para que o possamos parar.

fonte

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: