A Arte da Omissao

ACORDEM

Kadima ! Em Marcha !

Links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Tradução do artigo Kadima ! En Marche ! de Thierry Meyssan

Os franceses, depois de terem eleito para Presidente da República um agente da CIA e um empregado dos emires do Golfo, deixaram-se enganar pela terceira vez por um produto israelita. Eles acreditam terem afugentado o espectro do fascismo ao votarem num candidato apoiado pela NATO, pelos Rothschilds, por  todas as empresas do CAC 40 e pela imprensa unânime. Longe de entenderem o seu erro, os franceses estão ainda em transe, e provavelmente não vão acordar antes do final das eleições legislativas.

| Beirute (Líbano) | 9 de Maio de 2017

Desde a sua vitória anunciada, o presidente democraticamente eleito Emmanuel Macron cria uma distância entre ele e as pessoas. Recusando misturar-se com a multidão, ele atravessa só o pátio do Louvre, onde seus partidários se reuniram.

A equipe do presidente eleito francês, Emmanuel Macron, conseguiu colocar os franceses sob hipnose. Ela conseguiu eleger a sua criação com dois terços dos votos expressos; um jovem de apenas 39 anos, cujo partido foi criado apenas um ano na Internet, e que nunca se tinha apresentado a qualquer eleição.

Steele & Holt

Este feito político foi realizado pela equipe de Steele & Holt, uma sociedade misteriosa, cujo nome faz referencia à série televisiva Remington Steele, uma história policial, onde a directora de uma agência de detectives pede a um ladrão  (Pierce Brosnan ) que desempenhe o papel do seu chefe a fim de servir como seu disfarce.

Não procurem o que se esconde por trás desta empresa. Não irão encontrar nada. Só que os seus dois principais clientes são a AXA e a família Rothschild. Todo o mundo sabe que Emmanuel Macron trabalhou para os  Rothschild, agora que a família organizou o seu partido é um segredo bem guardado. Quanto à seguradora AXA, ela é presidida por Henri La Croix, quinto duque de Castries e que é também presidente de “think tank” (grupo de reflexão – Ndt) da NATO (grupo Bilderberg), do Instituto du Bosphore (um “think tank” da Turquia) e do Instituto Montaigne francês (um “think tank” da direita).

Henry Kissinger também convidou Macron para a reunião anual da Bilderberg de 2014 ao lado de François Baroin e Christine Lagarde.

O Instituto du Bosphore pemitiu identificar  e corromper  diversas personalidades da direita e da esquerda que acabaram por apoiar Macron.

É nas instalações do Instituto Montaigne que se realizaram as primeiras reuniões do novo partido (Em Marche! – Ndt) cuja sede social foi declarada com o endereço da casa do director do Instituto. (Fazem-no às claras. Que cambada de anormais que somos, e o pior é que eles sabem-no  – Ndt)

Kadima !

O nome do novo partido, En Marche !, Foi escolhido por ter as mesmas iniciais que o seu candidato. Caso contrário,  teria sido chamado En Avant !. Em hebraico: Kadima !. Quando observaram ao velho general Ariel Sharon que o nome do novo partido evocava o jornal de Mussolini (Avanti!), ele respondeu que não era o caso. En Avant ! era a ordem que ele dava às suas equipes, por exemplo, quando  invadiu Beirute indo contra o conselho do seu Estado Maior.

Kadima! e En Marche ! são partidos centristas que reúnem personalidades da direita e esquerda – é bem conhecido, que Ariel Sharon era um “centrista” -. Ele criou o seu partido para romper com Benjamin Netanyahu: Sharon era um colonialista que queria criar um Estado palestino sob  o modelo dos bantustões sul-africanos. Para ele,  o apartheid era única maneira de preservar Israel. Netanyahu por sua vez é um talmudista e recusa-se  a admitir a ideia de partilhar a Palestina com os goyim (não judeus – Ndt). Para ele, é necessário expulsá-los  já que não é possível exterminá-los.

Iremos seguramente ficar a saber mais tarde,  porque é Macron queria romper com o primeiro-ministro socialista, Manuel Valls. Para já, basta observar a insistência com que Valls tenta juntar-se ao En Marche! e a facilidade com que Macron o afasta, para se perceber que há um conflito sério entre eles.

O fascismo em movimento

Para lançar Macron, Steele & Holt – ou seja, a NATO e os Rothschilds – apoiaram-se nas antigas redes pró-EUA da Fundação Saint-Simon. Juntos, colocaram em cena o “perigo de Le Pen”, de modo que muitos eleitores intimamente contra o Macron votaram nele, com receio de uma possível vitória da “besta suja”. Não tendo muito a repreender Marine Le Pen, acusaram-na dos crimes do seu pai e de muitos outros.

Essa manipulação atesta que na “sociedade do espectáculos”, a forma é muito mais importante do que o conteúdo. Quais são as características do fascismo? O fim da luta de classes, graças ao corporativismo que reúne patrões e trabalhadores nas mesmas organizações, o fim da dialéctica direita-esquerda através a um único partido e, consequentemente, o fim de toda a oposição através do uso da força.

Enquanto a primeira dessas três características poderia ter sido aplicada à visão de Jean-Marie Le Pen, nenhuma delas é válida para a sua filha, mas as duas primeiras podem ser aplicadas à de Emmanuel Macron, com o apoio de todos os grandes patrões da CAC40 (índice bolsista que reúne as 40 maiores empresas cotadas em França – Ndt), bem como pelo sindicato CGT.

Macron não questiona a capacidade dos partidos da direita e da esquerda em defender os valores que reivindicam, mas exorta os líderes desses partidos a juntarem-se a ele na defesa dos seus interesses comuns. Sem dúvida, se as eleições legislativas se passarem como Macron espera, começará a destruição da OposiçãoAlém disso, a unanimidade da imprensa ao lado do candidato Macron e a campanha contra os sites contestatários, mostram já o que está a ser preparando.

A história repete-se: em 1940, os franceses apoiaram Philippe Pétain para se protegerem do nazismo, mas foi Pétain quem o instalou. Em 2017, votaram em Macron para se protegerem também do fascismo e será ele quem o vai instaurar.

Uma campanha parasitária

É verdade que alguns eleitores ficaram perturbados com a  personalidade incomum dos candidatos e com o uso de  métodos de propaganda nunca utilizados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Aos 15 anos, Emmanuel Macron teve uma relação sexual com a sua professora de teatro, 23 anos mais velha, não tardou a ir viver com ela e passados 15 anos casou-se com ela. Marine Le Pen herdou do seu pai a presidência do seu partido, que ela primeiro limpou e depois excluiu o seu pai dele. Em termos psicanalíticos, o primeiro casou-se com a sua mãe, enquanto o último matou o seu pai.

A equipe de Emmanuel Macron não hesitou em acusar seus rivais das piores traições, sem qualquer lógica, certos  que os diários regionais e nacionais – que já controla na sua totalidade – não se atreveriam a emitir a mínima críticas. François Fillon, o candidato da direita, é visto agora como um ladrão, embora nenhuma das acusações tenha sido verificada. Marine Le Pen é considerada como a encarnação do fascismo, embora nunca tenha apoiado as posições que lhe são imputadas.

Uma vitória solitária

O presidente Macron após o seu anúncio de candidatura a Presidente da França, deu um breve discurso a partir da sua sede de campanha. Pronunciou banalidades com o ar grave de homem que de repente sente o peso da responsabilidade sobre os seus ombros frágeis. Depois, ofereceu-nos um novo momento de teatro com os seus apoiantes no pátio do Louvre. No meio de um cortejo, atravessou Paris num carro com vidros fumados. Depois atravessou o pátio do Louvre, sozinho,  inacessível, e subiu ao pódio erguido em sua honra. Lá, no sopé da pirâmide como Bonaparte, discursa novamente, igualmente de banalidades, mas num tom inflamado, ele que pegou em armas. Finalmente, é cercado pela sua família e vários activistas para cantar A Marselhesa.

Ao contrário dos seus antecessores, naquela noite não apertou a mão em ninguém. Ninguém foi autorizado a aproximar-se dele. Não permitiu que os políticos que o apoiaram aparecessem ao pé dele a compartilhar a sua vitória. Eles só poderão ser premiados pela traição dos seus respectivos partidos se os traírem de novo, apoiando-o durante as legislativas de Junho. ( o que veio a acontecer – Ndt)

Só quando o Presidente Macron tiver na mão todas as rédeas do Poder é que deixará os Franceses acordar. Aí, será tarde demais.

Para a frente, em marcha !

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 11 de Agosto de 2017 by in Emmanuel Macron, França, Nato, Rothschild and tagged , , , , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: