A Arte da Omissao

ACORDEM

Macron-Líbia: a conexão Rothschild

Links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Tradução do artigo Macron-Libia: la Rothschild Connection de Manlio Dinucci

| Roma (Itália) | 1 de Agosto 2017

 

JPEG - 86.8 Kb
«O que está a acontecer  hoje na Líbia é um nó de desestabilização multi-facetado»: declarou Emmanuel Macron ao celebrar no Eliseu o acordo que «mostra o caminho para a paz e reconciliação nacional.»

Macron atribui a situação caótica da Líbia apenas aos movimentos terroristas que «se aproveitam da instabilidade política e da riqueza económica e financeira que pode existir na Líbia para prosperar.» Por este motivo – conclui – a França ajudará a Líbia a parar os terroristas. Macron inverte desta forma os factos. Quem desestabilizou a Líbia foi precisamente a França juntamente com os Estados Unidos, NATO e as monarquias do Golfo.

Em 2010 e segundo o Banco Mundial documentou, a Líbia registava em África os mais altos indicadores de desenvolvimento humano, com rendimento médio-alto per capita, com acesso universal ao ensino primário e secundário e 46% ao ensino universitário. Havia trabalho para cerca de 2 milhões de imigrantes africanos. A Líbia  favorecia  com os seus investimentos a formação de organismos económicos independentes da União Africana.

Os EUA e a França – provado nos emails de Hillary Clinton – concordaram em bloquear o plano de Gaddafi, plano esse que se destinava a criar uma moeda africana alternativa ao dólar e ao franco Cfa (moeda que a França impõe às suas 14 antigas colónias africanas). Foi «Hillary Clinton» – documentado no New York Times – que fez  Obama assinar «um documento onde autorizou a operação secreta na Líbia e o fornecimento de armas aos rebeldes,» onde se incluíam  grupos até então classificados como terroristas.

Pouco depois, em 2011 a NATO sob o comando dos EUA derruba através da guerra (aberta de  França) o Estado líbio, atacando-o no interior com forças especiais. Daí o desastre social que vai fazer mais vítimas do que a própria guerra, especialmente entre os migrantes.

Uma história que Macron conhece bem: de 2008 a 2012 faz uma impressionante (bem como suspeita) carreira na banco Rothschild, império financeiro que controla os bancos centrais de quase todos os países do mundo O banco Rothschild chega à Líbia em 2011 com a guerra a decorrer. Os grandes bancos dos EUA e europeus realizaram ao mesmo tempo o maior assalto do século, quando confiscaram 150 biliões de dólares dos fundos soberanos da Líbia. Nos quatro anos de formação no banco Rothschild, Macron é introduzido na elite das finanças globais onde são decididas as grandes operações, como a demolição do Estado líbio. Em seguida, vira-se para a política, onde faz uma deslumbrante (bem como suspeita) carreira, primeiro como Vice Secretário Geral do Eliseu e depois como Ministro da Economia. Em 2016, criou em poucos meses o seu próprio partido, En Marche!, um “partido instantâneo” apoiado e financiado por poderosas corporações multinacionais, financeiras e meios de comunicação, que lhe abrem o caminho para a presidência.

Por trás da liderança da Macron não estão somente os interesses nacionais franceses. Os despojos da Líbia a serem repartidos são enormes: a maior reserva africana de petróleo e as grandes reservas de gás natural; as imensas reservas de água fóssil do aquífero Nubian, o ouro branco que em perspectiva é mais precioso que o ouro negro; o extenso território líbio com primária importância geoestratégica no cruzamento do Mediterrâneo, África e Oriente Médio.

Há «o risco de que a França exerça uma hegemonia forte sobre a nossa antiga colónia”, adverte a «Analisi Difesa», onde sublinha a importância da próxima expedição naval italiana a Líbia. Uma chamada para o ”orgulho nacional de uma Itália que reivindica a sua fatia na divisão neocolonial da sua antiga colónia.

Testemunho do intelectual francês Thierry Meyssan, que foi membro do governo Líbio durante a agressão ocidental.
Extracto do seu livro Sous nos Yeux.
JPEG - 40.7 Kb
«Primeiro, François Hollande fez o balanço da destruição da Líbia. A Jamahiriya (nome dado à Líbia em 1986 – Ndt) tinha um Tesouro mínimo estimado em US $ 150 biliões. Oficialmente a NATO bloqueou cerca de um terço. O que aconteceu com o resto? Os kadhafistas pensam usá-los para financiar a resistência a longo prazo. Mas em Abril o prefeito Edouard Lacroix que teve acesso a parte desses investimentos, morre com um “câncer fulminante“, e o ex-ministro do petróleo Shuqri Ghanam foi encontrado afogado em Viena. Com a ajuda passiva de Pierre Moscovici, ministro das Finanças francês, o conselheiro económico do Eliseu, Emmanuel Macron, vários banqueiros de investimentos e o Tesouro dos Estados Unidos saqueou o espólio; foi o roubo do século: 100 biliões de  dólares».
Macron que foi gerado pelo clã Rothschild que é de origem inglesa, não foi posto na França por acaso. Não existem acasos para os Rothschild. A sua missão que terá de ser muito dissimulada, terá à frente da cortina um sentido europeísta, nem que para isso tenha de apontar dedos a outros Estados membros, como por exemplo à Alemanha. Mas o que o clã mesmo é reerguer o British Empire.
 
 

3 comments on “Macron-Líbia: a conexão Rothschild

  1. voza0db
    13 de Agosto de 2017

    O divertido é que quando mostro a alguém – ou alguém por acidente digital tropeça – no esquema da civilização actual, grande parte não acredita que é uma realidade…

    Daí que…

    Gostar

    • urantiapt
      13 de Agosto de 2017

      O link não leva a lado nenhum

      Gostar

      • voza0db
        22 de Agosto de 2017

        Ups!
        Mas deixa lá… porque mostrar ou não o esquema, de nada serve!

        Afinal de contas basta olharmos em redor e facilmente verificamos que nada MUDA… Pelo menos no sentido do equilíbrio e união!

        😉

        Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 11 de Agosto de 2017 by in Emmanuel Macron, França, Líbia, Rothschild and tagged , , , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: