A Arte da Omissao

USA: força aérea declara que o espaço é um novo “domínio da guerra”

Links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

tradução do artigo “‘Increasing lethality in all areas’: US Air Force declares space a new ‘warfighting domain

publicado em : 11 Novembro de 2017

Segundo altos cargos, a Força Aérea dos EUA, para aumentar o domínio global e a “letalidade” do exército dos EUA, está a movimentar-se para modernizar as suas capacidades espaciais e assegurar a “liberdade para atacar e manobrar” no seu novo “domínio da guerra”.

Estamos a avançar com a modernização no espaço, por isso estamos a aumentar a nossa letalidade em todas as nossas áreas de actuação”, disse a secretária da Força Aérea, Heather A. Wilson, aos repórteres na quinta-feira (conferência mais a baixo -Ndt). “E estamos a mudar para o espaço como um domínio de guerra”.

Em 1967, os Estados Unidos e a União Soviética assinaram o «Outer Space Treaty» (Tratado do Espaço Exterior – Ndt) que proíbe que os signatários coloquem armas nucleares ou quaisquer outras armas de destruição em massa no espaço exterior. No entanto, o acordo deixou de limitar a implantação de armas convencionais.

A secretária da Força Aérea, Heather A. Wilson, disse que o Congresso propôs aumentar o financiamento de programas militares relacionados com o espaço, mesmo para além dos níveis pretendidos pela Força Aérea. A secção 1605 da National Defense Authorization Act (NDAA) para o ano fiscal de 2018, também classifica o espaço como um potencial “domínio de combate“.

É política dos Estados Unidos desenvolver, produzir, manter um sistema integrado de activos em resposta à natureza cada vez mais contestada do domínio da operação espacial para [entre outras coisas] deter ou negar um ataque às capacidades de cada nível da órbita no espaço, bem como defender o território dos Estados Unidos, os seus aliados e as suas forças implantadas em todos os domínios operacionais” , lê-se na secção 1605 da Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA).

Todos concordam que o espaço precisa ser integrado, normalizado como parte de um empenho conjunto de guerra. O orçamento deste ano … A proposta de orçamento «FY18» aumenta em 20% o que a Força Aérea está a propor gastar no espaço”, acrescentou Wilson.

James Mattis, secretário de Defesa, tornou a modernização das capacidades da América no espaço uma das suas prioridades para tornar a Força Aérea dos EUA mais letal a cada dia. Anteriormente,  convocou o Congresso para aprovar a NDAA de forma a que o Pentágono possa investir em capacidades críticas de guerra, incluindo no espaço.

O secretário Mattis tem sido muito claro sobre a sua orientação para todos os serviços que devemos olhar para  aumentarmos a letalidade e a rapidez, afirmou aos repórteres, o chefe de gabinete da Força Aérea, David L. Goldfein, sentado ao lado de Wilson. A nação espera que a Força Aérea possua a fronteira elevada, a última área elevada e alcance a superioridade do espaço, que é como a superioridade aérea – a liberdade para atacar e liberdade para manobrar“.

clique na imagem abaixo para assistir à conferência de Heather A. Wilson e David L. Goldfein

A maior parte da estratégia espacial da América é coordenada a partir do National Space Defense Center (NSDC) (Centro Nacional de Defesa Espacial – Ndt) na Base Aérea de Schriever no Colorado. Seus especialistas já estão a planear  possíveis cenários de luta no espaço.

Fazemos o nosso melhor como departamento quando seguimos uma trilha lógica que vem de uma ameaça, para eventualmente, uma aquisição. E as etapas não são diferentes para o espaço. Aceder à ameaça. A partir da ameaça define-se a estratégia. A partir da estratégia, define-se o conceito de operações, ou ao que chamamos de «Conops» … A partir desses Conops  obtém-se requisitos e, depois, a partir desses requisitos,  adquire-se, disse Goldfein. O Secretário e eu também passámos um dia inteiro com todas as lideranças de quatro e três estrelas da Força Aérea, a fazer um exercício de mesa sobre guerra no espaço. Então, estamos a avançar.

Wilson anunciou que na semana passada, a Força Aérea concedeu um contracto de US $ 100 milhões ao Space Enterprise Consortium. Sob o acordo, a empresa da Carolina do Sul trabalhará para o Departamento de Defesa, em protótipos de “tecnologias relacionadas com o espaço“, como o segmento terrestre, segmento de lançamento, segmento espacial, software e processos.

O mais importante é integrar e normalizar o espaço, como parte de uma operação conjunta. A Força Aérea dos EUA detém 70 por cento do que está no espaço, e as minhas ordens são para organizar, treinar e equipar forças aéreas para a condução de operações de combate,  quando elas chegam à autoridade de comando,” disse Wilson.

E à medida que transitamos de um domínio benigno que monitorizamos e reportamos para um domínio de guerra,  é a mudança significativa de que estamos a liderar à medida que avançamos”, acrescentou Goldfein. “E, como disse o Secretário, a normalização do espaço como um domínio de guerra significa que integramos todas essas capacidades, princípios experimentados e verdadeiros da luta conjunta da guerra neste domínio à medida que avançamos”.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 14 de Novembro de 2017 by in Militarização do espaço and tagged , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: