A Arte da Omissao

ACORDEM

Síria: os «rebeldes moderados» de Ghouta

Nota: links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Tradução do artigo  Les « rebelles modérés » de la Ghouta

de Thierry Meyssan

Enquanto as forças da República e da Rússia libertam Ghouta Oriental e por hora cerca 800 sírios encontram refúgio em Damasco, publicamos este estudo sobre os combatentes considerados pelos ocidentais como os “rebeldes moderados”.

| Damasco (Síria)

Os media ocidentais dizem que a Síria e a Rússia estão a destruir democratas valente na zona de Ghouta Oriental.

De acordo com os governos britânico e francês, seriam três grupos armados: o Exército do Islão, a Legião Rahman e Ahrar el-Cham.

Mas de acordo com a Síria e Rússia, essas três denominações não designam ideologias distintas. Na verdade, estas três entidades não defenderiam uma ideia na Síria, mas os interesses dos seus patrocinadores. Eles se reagrupariam em favor da Resolução 2401 e do ataque que estão a viver.

Muitos valores correm sobre o número de soldados de cada um desses grupos e sobre o número de habitantes de Ghouta Oriental. Na realidade, nenhum desses dados é verificável tendo a própria ONU abandonado essa quantificação. Se os civis presentes no local são verdadeiramente sírios, não se conhece a nacionalidade dos combatentes.

É certo que alguns deles são sírios, muitas vezes reprimidos pela justiça, mas muitos outros são estrangeiros (que, por definição, não podem ser “rebeldes”). Novamente, as estimativas não são verificáveis.

Existem apenas duas coisas que sabemos com certeza sobre esses grupos:

* Primeiro, as armas disponíveis em 2015 do exército do Islão. Obviamente que é um pouco antigo, mas é verificável graças ao vídeo de um desfile militar organizado pelo seu líder, em Ghouta, em 2015. Este grupo alinha 4 blindados e quase 2000 homens, ou seja, dez vezes menos combatentes que reivindicam ter.

* Por fim, conhecemos esses grupos através da sua comunicação: logótipos, bandeiras, páginas na internet, contas no Twitter, porta-vozes.

Jeïch el-Islam

JPEG - 50.5 ko

logótipo do exercito do Islão

Jeïch el-Islam ou o Exército do Islão, é o único desses grupos que tem uma presença local. Foi criado em Setembro de 2013 pela família Allouche, a partir de um outro grupo, a Brigada do Islão, apresentando-se como um gangue que impõe a sua lei aos comerciantes de Ghouta, não hesitando em executar publicamente aqueles que desafiam o seu poder.

Inicialmente, foi comandado por Zahran Allouche, filho do pregador Abdallah Allouche e membro da Irmandade Muçulmana refugiada na Arábia Saudita. De 2009 a 2011, Zahran esteve preso por pertencer à Irmandade Muçulmana. Foi libertado a quando de uma amnistia geral decretada pelo presidente al-Assad a pedido de países terceiros. Por vários anos, Zahran Allouche aterrorizou os habitantes de Damasco declarando que iria “limpar” a cidade. A cada sexta-feira anunciava [1] os ataques que iria cometer contra a capital. Em 2013, sequestrou famílias Alawite [2] em Aadra. Usou alguns como escudos humanos e passeou com uma  centena em gaiolas, antes de executar os homens como exemplo do destino que reserva para os “infiéis”. Após sua morte, sucedeu-lhe o empresário e Xeque Isaam Buwaydani, conhecido como “Abu Hamam”.

Seu primo Mohammed Allouche, ficou famoso como guardião dos bons costumes. Ele criou o Conselho Judicial Unificado que impôs a versão saudita da lei da Sharia em todos os residentes de Ghouta. Organizou execuções de homossexuais, lançando depois os seus corpos dos telhado de edifícios. Ele representa o grupo nas negociações da ONU em Genebra. Hoje, a família  Allouche está  instalada em Londres.

JPEG - 30.6 ko

O brasão da Brigada do Islão (à esquerda) foi transformado no brasão do Exército do Islão quando o segundo grupo foi formado por combatentes do primeiro.

Quando foi criado, o Exército do Islão reuniu cerca de cinquenta pequenos grupos. Numa declaração amplamente divulgada na Ásia, ele apresentou-se como o defensor dos muçulmanos e pediu aos muçulmanos de todo o mundo para se juntarem a ele para fazer a  jihad na Síria.

Em Julho de 2017, o Exército do Islão, após uma mediação egípcio-saudita, concordou em reconhecer Ghouta Oriental como uma ” zona de desescalada” sob controle russo.

Sua conta do Twitter em inglês: https://twitter.com/islamarmy_eng3

O seu canal no YouTube foi fechado.

JPEG - 56.4 ko

Nesta captura de ecran do site de Yesh al-Islam (acedido a 15 de Março de 2018), surge uma oração  contra os não-sunitas, sejam cristãos, judeus ou muçulmanos de outras denominações (xiitas ou alauitas). E termina assim: “Mate-os. Deus os atormenta com as suas mãos. Ele dará vitória sobre eles.

Faylaq al-Rahmane, isto é a “legião do Misericordioso”

JPEG - 42.1 ko

logótipo da Faylaq al-Rahmane

Faylaq al-Rahman, ou seja, “A legião do misericordioso”, é um grupo mercenário do Catar, de onde recebe armamento moderno, especialmente RPGs. É massivamente composto por estrangeiros.

 

JPEG - 33.5 ko

O caligrama da Legião  inclui um subtítulo  em inglês “Corpo «Al-Rahman»”,  sinal de que é dirigido principalmente a jihadistas ocidentais que não lêem árabe.

A sua conta do Twitter difunde muitos vídeos exaltando a profissão de terrorista:https://twitter.com/alrahmancorps

Ahrar el-Cham

JPEG - 19.5 ko

Logótipo da Ahrar el-Cham

Harakat Ahrar al-Sham al-Islamiyya, abreviado como Ahrar al-Sham, traduz-se como o Movimento Islâmico dos Homens Livres do Levante. Os “homens livres” não se referem à “liberdade” no sentido ocidental. Eles não se libertaram de uma ditadura, mas libertaram-se da sua condição humana através da prática do Islão salafista. Para que não haja qualquer dúvida sobre a interpretação da palavra, aparece um minarete no logótipo do grupo.

Este grupo, muito internacionalizado, foi criado pelos egípcios durante a derrubada de Hosni Mubarak pelos Estados Unidos [3]. Vário Irmãos muçulmanos sírios, que estavam presos por pertencerem a uma organização terrorista, juntaram-se a ele depois de terem sido amnistiados em 2011 a pedido de países terceiros. Entre eles, encontram-se vários ex-colaboradores de Osama ben Laden. Isto explica a sua proximidade com os talibãs, que muitas vezes os citam como um exemplo de fé.

Em todas as suas publicações, ele define-se como um “movimento islâmico completo, que luta por Alá e defende a religião”.

JPEG - 31.2 ko

A bandeira do Ahrar el-Cham carregada por um militante a cavalo durante um desfile militar

O grupo é comandado por Hassan Soufan, conhecido como “Abu al-Bara“. Esteve preso por dez anos por pertencer à Irmandade Muçulmana. O seu ministro dos Negócios Estrangeiros, «Labib al-Nahhas», circula no ocidente e é um oficial britânico do MI6. Em Julho de 2015, publicou fóruns gratuitos no «Washington Post»Daily Telegraph.

O grupo é apoiado pelo Catar e Turquia. É considerada como uma organização terrorista pelos Emirados Árabes Unidos.

O site do grupo é: ahraralsham.net

A sua conta Twitter: https://twitter.com/ahrar_alsham_en

A sua conta no youtube: https://www.youtube.com/channel/UCCAgcKXwipFldow9ipQH2oA/videos

Pontos comuns nestes três grupos

Não têm nenhuma diferença ideológica. Todos reivindicam ser o pensamento da Irmandade Muçulmana [4]. Segundo eles, a vida diária é dividida entre o que é lícito do ponto de vista do Islão e o que não é.

No entanto, existem diferenças entre eles sobre o modo como tratam as pessoas que não compartilham os seus pontos de vista. Seja como for, não há ninguém que possa viver sob os seus domínios que não seja sunita.

Como todos os combatentes da “revolução islâmica”, os seus homens  mudam com frequência de grupo, os grupos lutam entre si e aliam-se com frequência. É absurdo tirar conclusões substantivas. No máximo, podemos ver brigas territoriais entre os seus líderes e oportunidades para os seus soldados.

Todos estes grupos e inúmeros outros têm bandeiras e logótipos bem projectados, bem como vídeos de qualidade. Todo este material de propaganda é fabricado pelo Reino Unido, o qual em 2007 dotou-se de uma unidade de propaganda de guerra, a «Research, Information and Communications Unit (RICU)», liderada por um oficial do MI6 (Serviços Secretos), Jonathan Allen.

A partir do caso das armas químicas no Verão de 2013 em Ghouta, a RICU financiou uma empresa externa para auxiliar a comunicação entre os combatentes na Síria (e posteriormente no Iémen). Inicialmente foi a Regester Larkin, e depois a Innovative Communications & Strategies (InCoStrat). Ambas as empresas são dirigidas por um oficial do MI6, o coronel Paul Tilley.

Jonathan Allen tornou-se no número dois na representação permanente do Reino Unido nas Nações Unidas. Ele lidera neste momento no Conselho de Segurança, as investidas contra a Rússia e a Síria.

JPEG - 37.5 ko

Oficial dos serviços secretos britânico e chefe de negócios de Sua Majestade, Jonathan Allen, numa conferência de imprensa na ONU com o seu aliado privilegiado, o embaixador de França, François Delattre.

[1] A sexta-feira é o dia da oração para os muçulmanos.

[2] Os Alouites, são sírios que depois de praticarem uma religião antiga, converteram-se sucessivamente ao cristianismo, e depois ao islamismo xiita. Para eles, apenas os elementos atestados pelos Evangelhos (e não pela Bíblia) e pelo Alcorão podem ser considerados como a Palavra de Deus.

[3] Hosni Mubarak não foi derrubado pelas populaças (“Praça Tahrir”), mas pelos Estados Unidos. Ele renunciou à ordem do enviado especial do presidente Obama, o embaixador Frank G. Wisner (sogro de Nicolas Sarkozy).

[4] A Irmandade Muçulmana é uma sociedade secreta que forneceu quase todos os líderes de grupos terroristas islâmicos em todo o mundo. Leia o meu estudo sobre sua história e seu papel político internacional ao serviço do Reino Unido em: Sous nos yeux : du 11-Septembre à Donald Trump

 

A forma como os media ocidentais noticiaram ao longo destes 10 anos as invasões ocidentais a nações soberanas do Médio Oriente, abriram uma caixa de pandora muito perigosa. As nações deixarão de ter o direito de se defender de invasores?

Os maus são os que defendem e os bons os que  invadem sem serem invadidos?

Só existem ataques de Damasco para Ghouta Oriental? As investidas do exercito sírio e russo pretendem matar os civis lá encurralados? E por que não se noticia as investidas dos terroristas com origem em Ghouta com destino a Damasco? Damasco também não tem civis? Ninguém tem a coragem de noticiar o que os grupos rebeldes fazem aos civis sírios em Ghouta Oriental?

Quem é a grande fonte dos canais noticiosos ocidentais? O observatório Sírio dos Direitos Humanos?

Acedam ao seu site, leiam as noticias e verifiquem as respectivas fontes?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 18 de Março de 2018 by in Síria and tagged , , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: