A Arte da Omissao

ACORDEM

O Irão paralisado

Nota: links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Tradução do artigo L’Iran tétanisé 

de Thierry Meyssan

Aumento das tensões no Golfo é um jogo perigoso que pode escorregar a qualquer momento. A sabotagem não reclamada dos petroleiros pode ter sido feita por quase todas as partes, incluindo os Estados Unidos, que estão acostumados a operações de falsas bandeiras. No entanto, uma análise racional mostra que Teerão não está de maneira alguma nesse estado de espírito. Noutro artigo, Manlio Dinucci explica o incidente colocando-o no contexto da política energética global de Washington.

| Damasco (Síria)

JPEG - 29.1 ko

Os Estados Unidos e o Reino Unido acusam o Irão de sabotar seis petroleiros no Golfo sem fornecer qualquer prova, excepto um vídeo ilegível dos EUA. Segundo eles, um barco da Guarda Revolucionária retirou uma mina-ventosa não detonada do casco de um dos petroleiros, embora os marinheiros afirmem que a sua embarcação foi atingida por um drone ou míssil.

O duelo Irão-EUA mudou de natureza desde a chegada de Donald Trump à Casa Branca em Janeiro de 2017, mas a reacção iraniana só pode ser entendida em termos dos episódios anteriores e das suas reversões.

O presidente George Bush, depois da guerra contra o Iraque, fez tudo o que estava ao seu alcance para lançar uma guerra contra o Irão. Ele pretendia continuar a destruição sistemática das estruturas estatais do “Médio Oriente alargado”, de acordo com a estratégia de Rumsfeld / Cebrowski. No entanto, a Comissão Baker-Hamilton (2006) impediu-o.

A classe dominante dos EUA achava que ainda não havia recuperado o investimento na guerra e na subsequente ocupação do Iraque, por isso não queria envolver-se noutra “guerra sem fim”.

Uma segunda vez, o comandante do CentCom, o almirante William Fallon, que havia começado a discutir com Mahmoud Ahmadinejad a estabilização do Iraque, opôs-se a ele (2007-08). Em última análise, o vice-presidente Dick Cheney instruiu Israel a arrendar aeroportos georgianos para que pudesse bombardear o Irão directamente, sem precisar de reabastecer as aeronaves em voo. Mas foi a Rússia que destruiu em terra os bombardeiros israelitas nas primeiras horas da Guerra da Ossétia do Sul (Agosto de 2008).

Após a chegada à Casa Branca, Barack Obama tentou seguir a mesma estratégia, mas de uma maneira menos brutal. Como Bush e Cheney, ele estava convencido de que era necessário agir rapidamente para aproveitar o petróleo iraniano, tendo em conta a falta futura deste recurso na economia mundial (teoria do “pico do petróleo”).

Em vez de lançar uma nova guerra que o público dos EUA não queria, Obama ampliou os protestos acerca do derrube do seu homólogo iraniano (2009).

Notando o fracasso desta “revolução colorida” contra Mahmoud Ahmadinejad, Obama liderou as negociações em Omã com os parceiros habituais de Washington desde a revolução do Imam Ruhollah Khomeini, isto é, o clã de Hashemi Rafsanjani (Março de 2013) e, mais particularmente, o xeque Hassan Rohani, que foi o primeiro contacto iraniano durante o caso Irão-Contras.

Assim que foi eleito (2013), Obama iniciou imediatamente negociações de Estado a Estado, para partilhar o Oriente Médio entre sauditas e iranianos, a coberto da luta contra a proliferação nuclear. Foi negociado na Suiça um tratado na presença das grandes potências, mas que só foi assinado em 2015. O Irão obteve o direito de exportar o seu petróleo novamente para relançar a sua economia.

Gradualmente, as relações entre os dois Estados normalizaram-se até que Donald Trump se tornou presidente dos EUA (2017). O seu objectivo era completamente diferente: a Casa Branca não acreditava mais que faltaria petróleo, pois estava convencida de que havia muito no mercado; não estava mais a perseguir a política imperial dos seus antecessores, estava apenas preocupada em ganhar dinheiro.

Mais do que organizar a sua dominação no Médio Oriente, decidiu limitar a sua oferta do mercado mundial de modo a manter os preços do crude ao nível do petróleo de xisto dos EUA. Os Estados Unidos promoveram manifestações contra a classe político-religiosa (2017-18) e depois revogaram o acordo nuclear (2018).

Desde então, o Irão parece paralisado. Diferentemente dos políticos, os religiosos são rígidos e não sabem como fazer a sua autocrítica. Deus, que representam na terra, não pode equivocar-se. É por isso que, ao contrário de uma ideia generalizada, a teocracia iraniana é uma excelente comerciante, mas uma pobre diplomata.

O Irão recusa qualquer oferta de negociações com os Estados Unidos e está desesperado pelo retorno dos democratas ao poder em Washington; uma aposta perigosa na mediada em que Donald Trump poderá ser reeleito por mais quatro anos e a economia iraniana está no precipício.

Essa paralisia impede que o Irão planeie provocações como a que Washington e Londres lhe atribuem, especialmente porque os ataques contra aos interesses ocidentais colocariam em risco as suas futuras relações com os democratas americanos.

Contra todas as expectativas, o método Trump não terá sucesso neste caso. A cultura persa é aquela das miniaturas. Tem a particularidade de que os iranianos são o povo mais capaz de suportar longos tormentos para triunfar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 22 de Junho de 2019 by in Irão and tagged .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: