A Arte da Omissao

ACORDEM

O novo mundo que surge diante de nós

Nota: links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Tradução do artigo Le nouveau monde surgit devant nous

De Thierry Meyssan

Thierry Meyssan enfatiza a extrema gravidade, não da retirada dos EUA da Síria, mas do colapso dos actuais índices de referência do mundo. Segundo ele, estamos a entrar num curto período de transição, durante o qual os actuais mestres do jogo, os «capitalistas financeiros» – e aqueles a quem ele se refere desta forma nada têm a ver com o capitalismo original, nem com a banca original – vão ser afastados em favor das regras legais estabelecidas pela Rússia em 1899.

Rede Voltaire / Damasco (Síria) 22 de Outubro de

 

O rei Salman recebe o presidente Vladimir Putin, o pacificador

É um momento que só acontece uma ou duas vezes num século. Está a surgir uma nova ordem mundial. Todas as referências anteriores desaparecem. Os que estavam condenados ao descrédito triunfaram enquanto os que governavam foram jogados no inferno. As declarações oficiais e as interpretações dos jornalistas obviamente não correspondem mais aos eventos que se sucedem. Os comentaristas devem mudar rapidamente o discurso, alterá-lo completamente ou serão engolidos pelo turbilhão da História.

Em Fevereiro de 1943, a vitória soviética sobre o Reich nazi marcou a viragem da Segunda Guerra Mundial. A sequência de eventos foi inevitável. Era, no entanto, necessário aguardar pelo desembarque anglo-americano na Normandia (Junho de 1944), a conferência de Yalta (Fevereiro de 1945), o suicídio do chanceler Hitler (Abril de 1945) e, finalmente, a capitulação do Reich (8 de Maio de 1945) para ser ver surgir este novo mundo.

Num ano (de Junho de 1944 a Maio de 1945), o Grande Reich foi substituído pelo duopólio soviético-americano. O Reino Unido e a França, que ainda eram as duas primeiras potências mundiais, doze anos antes, testemunhariam a descolonização dos seus impérios.

É um momento como este que vivemos hoje.

Cada período histórico tem seu próprio sistema económico e constrói uma superestrutura política para o proteger. No final da Guerra Fria e com a dissolução da URSS, o pai do presidente Bush desmobilizou um milhão de militares americanos e confiou a busca da prosperidade aos chefes das suas multinacionais. Formaram uma aliança com Deng Xiaoping, transferiram empregos dos EUA para a China que se tornou na oficina mundial. Longe de oferecer prosperidade aos cidadãos dos EUA, eles monopolizaram os seus lucros, provocando gradualmente o lento desaparecimento da classe média ocidental. Em 2001, financiaram os ataques do 11 de Setembro para impor ao Pentágono a estratégia de destruição das estruturas estatais de Rumsfeld / Cebrowski. O filho do presidente Bush transformou o “Médio Oriente alargado” num teatro de “guerra sem fim”.

A libertação numa semana de um quarto do território sírio não é apenas vitória do presidente Bashar al-Assad, «o homem que há oito anos devia partir», mas marca o fracasso da estratégia militar em estabelecer a supremacia do capitalismo financeiro. O que parecia inimaginável aconteceu. A ordem do mundo mudou. A sequência de eventos é inevitável.

A tão esperada recepção do presidente Vladimir Putin na Arábia Saudita e nos Emirados Árabes Unidos atesta a dramática reviravolta das potências do Golfo que balançam agora para o campo russo.

A redistribuição igualmente espectacular de cartas no Líbano sanciona o mesmo fracasso político do capitalismo financeiro. Num país dolarizado onde há um mês não se encontra mais dólares, onde os bancos fecham os seus balcões e os saques são limitados, não são as manifestações anticorrupção que impedirão a derrubada da ordem antiga.

Espalham-se as convulsões da antiga ordem. O presidente equatoriano, Lenín Moreno, atribui a revolta popular às medidas impostas pelo capitalista financeiro ao seu predecessor, Rafael Correa que vive exilado na Bélgica, e ao símbolo da resistência a esta forma de exploração humana, o presidente Nicolás Maduro.

O Reino Unido já retirou as suas forças especiais da Síria e está a tentar sair do estado supranacional de Bruxelas (União Europeia). Depois de pensar em preservar o Mercado Comum (projecto de Theresa May), decidiu romper com toda a construção europeia (projecto de Boris Johnson).

Após os erros de Nicolas Sarkozy, de François Hollande e de Emmanuel Macron, a França perde repentinamente toda a credibilidade e influência.

Os Estados Unidos de Donald Trump deixam de ser a “nação indispensável”, o “polícia do mundo” a serviço do capitalismo financeiro para se tornar novamente uma grande potência económica. Eles retiram seu arsenal nuclear da Turquia e estão a preparar-se  para fechar o CentCom no Catar.

A Rússia é reconhecida por todos como o “pacificador”, triunfando sobre o Direito Internacional que criou ao convocar, em 1899, a “Conferência Internacional para a Paz” em Haia, cujos princípios foram desde então pisados pelos membros da NATO.

A Conferência Internacional da Paz de 1899. Levou mais de um século para entender as suas implicações.

Tal como a Segunda Guerra Mundial pôs fim à Liga das Nações para criar a ONU, este novo mundo provavelmente dará origem a uma nova organização internacional baseada nos princípios da Conferência do Czar Russo Nicolau II de 1899 e do Prémio Nobel da Paz em 1899, o francês Léon Bourgeois. Isso exigirá em primeiro lugar a dissolução da NATO, que tentará sobreviver expandindo-se  para o Pacífico e para a União Europeia, Estado refúgio do capitalismo financeiro

Tem que se entender bem o que está a acontecer. Estamos a entrar num período de transição. Lenine disse em 1916 que o imperialismo era o estágio mais alto da forma de capitalismo, que desapareceu com as duas guerras mundiais e com a crise do mercado de acções de 1929. O mundo de hoje é o do capitalismo financeiro que destrói as economias  uma a uma,  em benefício exclusivo de alguns super-ricos. Seu estágio supremo pressupunha a divisão do mundo em dois: de um lado os países estáveis e globalizados, do outro, regiões do mundo privadas de Estados, reduzidas a meras reservas de matérias-primas. Este modelo, desafiado pelo presidente Trump nos Estados Unidos, pelos colectes amarelos na Europa Ocidental ou Síria no Levante, agoniza diante de nossos olhos.

Obras relacionadas:

livro de Daniel Estulin, “Nos bastidores de Trump, da Rússia e do Mundo”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 24 de Outubro de 2019 by in Novo Mundo and tagged .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: