A Arte da Omissao

ACORDEM

“Sob os nossos olhos” (2/25) – Os Irmãos Muçulmanos como assassinos – 2ª parte

Nota: links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Livro «Sous nos yeux » (2/25) “Sob os nossos olhos” (2/25)

Tradução do artigo Les Frères musulmans en tant qu’assassins

(Os Irmãos Muçulmanos como assassinos – 2ª parte)

De Thierry Meyssan

Continuamos a publicação do livro de Thierry Meyssan, « Sous nos yeux ». Neste episódio, ele descreve a criação de uma sociedade secreta egípcia, a Irmandade Muçulmana e a sua reactivação após a Segunda Guerra Mundial pelos serviços secretos britânico. Por fim o uso desse grupo pelo MI6 para realizar assassinatos políticos nesta ex-colónia da coroa.

 Rede Voltaire / Damasco (Síria) 21 de Junho de 2019

 2— A Confraria reformada pelos Anglo-Saxónicos e a paz separada com Israel

A capacidade da Irmandade de mobilizar pessoas e de as transformar em assassinos só pode intrigar as Grandes Potências.

Ao contrário das suas negações, Sayyid Qutb era um maçon. Ele publicou um artigo intitulado « Por que me tornei maçon» , publicado na revista al-Taj al-Masri (a «Coroa do Egipto»), em 23 de Abril de 1943.

Dois anos e meio após a sua dissolução, uma nova organização é formada pelos anglo-saxónicos reutilizando o nome de «Irmãos muçulmanos».

Aproveitando o encarceramento dos governantes históricos, o ex-juiz Hassan Al-Hodeibi é eleito Guia Geral. Ao contrário da ideia geralmente aceita, não há continuidade histórica entre a antiga e a nova irmandade.  Acontece que uma unidade da antiga sociedade secreta, o «Aparelho Secreto», tinha sido encarregue por Hassan el-Banna (militante islâmico egípcio- Ndt) de realizar ataques dos quais negava a paternidade.

Essa unidade na organização era tão secreta que não foi afectada pela dissolução da Irmandade e agora está à disposição do seu sucessor. O Guia decide rejeitá-la e declara que deseja atingir os seus objectivos apenas de maneira pacífica. É difícil estabelecer exactamente o que aconteceu naquela época entre os anglo-saxónicos que queriam recriar a velha sociedade e o Guia que queria recuperar a sua audiência nas grandes massas.

De qualquer forma, o “Aparelho Secreto” continuou e a autoridade do Guia desapareceu em favor da dos outros líderes da Irmandade, iniciando-se uma verdadeira guerra interna.

A CIA apresentou à sua liderança o maçon Sayyid Qutb [1], o teórico da jihad, que o Guia condenou antes de concluir um acordo com o MI6.

É impossível precisar as relações de subordinação interna de uns e outros, porque cada ramo estrangeiro tem autonomia própria e porque as unidades secretas da organização não dependem mais do Guia Geral, nem do Guia Local, mas por vezes, directamente da CIA e MI6.

No período seguinte à Segunda Guerra Mundial, os britânicos tentaram organizar o mundo de maneira a mantê-lo fora do alcance dos soviéticos.

Em Setembro de 1946, Winston Churchill lançou em Zurique a ideia dos Estados Unidos da Europa. Sob o  mesmo princípio, lança também a Liga Árabe. Nos dois casos, trata-se de unir uma região sem a Rússia.

Desde o início da Guerra Fria, os Estados Unidos da América criaram associações para apoiar esse movimento em seu benefício, o Comité Americano da Europa Unida e os Amigos Americanos do Médio Oriente [2].

No mundo árabe, a CIA organiza dois golpes de Estado, o primeiro a favor do general Hosni Zaim em Damasco (Março de 1949), depois com os Oficiais Livres no Cairo (Julho de 1952). Trata-se de apoiar nacionalistas que se supõe serem hostis aos comunistas.

Foi nesse estado de espírito que Washington levou o general Otto Skorzeny ao Egipto e o general nazi Fazlollah Zahedi ao Irão, acompanhados com centenas de ex-líderes da Gestapo, para liderar a luta anticomunista.

Infelizmente, Skorzeny modelou a polícia egípcia numa tradição de violência. Em 1963, ele escolherá a CIA e Mossad contra Nasser. Zahedi criará o SAVAK, a polícia política mais cruel da época no Irão.

Se Hassan el-Banna (militante islâmico egípcio – Ndt) estabeleceu o objectivo – tomar o poder manipulando a religião – Sayyid Qutb definiu os meios: a jihad. Uma vez que os adeptos admitiram a superioridade do Alcorão, pode-se confiar nele para os organizar num exército e enviá-los para a batalha.

Sayyid Qutb desenvolve uma teoria maniqueísta que distingue o que é islâmico do que é «sombrio».

Para a CIA e MI6, essa lavagem cerebral permitia utilizar os seguidores para controlar os governos nacionalistas árabes e depois desestabilizar as regiões muçulmanas da União Soviética.

A Irmandade torna-se num reservatório inesgotável de terroristas sob o lema: «Alá é nosso objectivo. O Profeta é nosso líder. O Alcorão é a nossa lei. A jihad é o nosso caminho. Martírio, o nosso desejo».

O pensamento de Qutb ( maçon Sayyid Qutb, o teórico da jihad -Ndt) é  racional mas não razoável. Ele implementa uma retórica invariável Alá / Profeta / Alcorão / Jihad / Martírio, que não deixa espaço a debates. Ele postula a superioridade da sua lógica acima da razão humana.

A CIA organiza um simpósio na Universidade de Princeton sobre «A situação dos muçulmanos na União Soviética».  Esta é a oportunidade de receber nos Estados Unidos uma delegação da Irmandade Muçulmana liderada por um dos líderes da sua ala armada, Saïd Ramadan.

O oficial da CIA encarregado de monitorizar refere no seu relatório, que Ramadan  não é um extremista religioso, mas um fascista; uma maneira de enfatizar o carácter exclusivamente político da Irmandade Muçulmana. O simpósio termina com a recepção na Casa Branca pelo presidente Eisenhower em 23 de Setembro de 1953. A aliança entre Washington e o jihadismo é concluída.

(Da esquerda para a direita) Hassan el-Banna casou a sua filha com Saïd Ramadan, fazendo dele o seu sucessor. O casal dará origem a Hani (director do Centro Islâmico de Genebra) e Tariq Ramadan (que será professor titular da cadeira de estudos islâmicos contemporâneos na universidade de Oxford).

A CIA, que recriou a Irmandade contra os comunistas, usou-a primeiro para ajudar os nacionalistas. Naquela época, a agência era representada no Médio Oriente por anti-sionistas da classe média. Eles foram rapidamente demitidos  e substituídos por altos funcionários de origem anglo-saxónica e puritana, formados nas grandes universidades e favoráveis a Israel. Washington entrou em conflito com os nacionalistas e a CIA voltou a Irmandade contra eles.

Said Ramadan e Abdul Ala Mawdudi animaram uma emissão semanal na Rádio Paquistão, estação criada pelo MI6 britânico.

Saïd Ramadan havia comandado alguns combatentes da Irmandade durante a breve guerra contra Israel em 1948, depois ajudou Sayyid Abul Ala Maududi a montar no Paquistão a organização paramilitar «Jamaat-i-Islami».

Trata-se então, de fabricar uma identidade islâmica para os índios muçulmanos, para que eles constituíssem um novo Estado, o Paquistão.

O Jamaat-i-Islami  escreverá a constituição paquistanesa. Ramadan casa-se com a filha de Hassan Al-Banna e torna-se líder da ala armada da nova «Irmandade Muçulmana».

Entretanto, a Irmandade participou no golpe de Estado dos Oficiais Livres do General Mohammed Naguib no Egipto – Sayyid Qutb era seu oficial de ligação – eles são encarregues de eliminar um dos seus líderes, Gamal Abdel Nasser, que entrou em conflito com Naguib.

Não apenas falharam em 26 de Outubro de 1954 como Nasser assumiu o poder, reprimiu a Irmandade e colocou Naguib em prisão domiciliária. Sayyid Qutb será enforcado alguns anos depois.

Interditados no Egipto, os Irmãos retornam aos Estados Wahhabi (Arábia Saudita, Catar e emirado de Charjah) e à Europa (Alemanha, França e Reino Unido, além da Suíça neutra).

Todas as vezes, são recebidos como agentes ocidentais que lutam contra a aliança nascente entre nacionalistas árabes e a União Soviética.

Saïd Ramadan recebeu um passaporte diplomático jordano e mudou-se para Genebra em 1958, onde liderou a desestabilização do Cáucaso e Ásia Central (Paquistão / Afeganistão e a «Vale Ferghana» soviética). Ele assume o controlo da Comissão para a construção de uma mesquita em Munique, o que lhe permite supervisionar quase todos os muçulmanos da Europa Ocidental.

Com a ajuda do Comité Americano para a Libertação dos Povos da Rússia (AmComLib), ou seja da CIA, possui a Radio Liberty / Radio Free Europe, estação financiada directamente pelo Congresso norte americano para espalhar o pensamento da Irmandade [3].

Após a crise do Canal de Suez e da dramática reviravolta de Nasser no lado soviético, Washington decidiu apoiar a Irmandade Muçulmana sem limites contra os nacionalistas árabes.

Miles Copeland, executivo sénior da CIA, é incumbido – sem sucesso – de seleccionar na Irmandade uma personalidade que possa desempenhar o papel no mundo árabe equivalente ao do pastor «Billy Graham», nos Estados Unidos. Será necessário esperar até aos anos 80 para encontrar um pregador dessa escala, o egípcio «Youssef Al-Qaradâwî».

Em 1961, a Irmandade estabeleceu uma conexão com outra sociedade secreta, a Ordem dos Naqchbandis. Trata-se de  um tipo de Maçonaria Muçulmana que mistura a iniciação Sufi e política. Um de seus teóricos indianos, Abu Al-Hasan Ali al-Nadwi, publicou um artigo na revista dos Irmãos.

A Ordem dos Naqchbandis é antiga e está presente em muitos países. No Iraque, o grão-mestre não é outro senão o futuro vice-presidente Ezzat Ibrahim Al-Douri. Ele apoiará a tentativa de golpe da Irmandade na Síria em 1982, depois a «campanha de retorno à Fé» organizada pelo presidente Saddam Hussein para restaurar a identidade do seu país após o estabelecimento da área de exclusão aérea pelos Ocidentais.

Na Turquia, a Ordem terá um papel mais complexo. Incluirá como líderes Fethullah Güllen (fundador do Hizmet), Presidente Turgut Özal (1989-93) o Primeiro-ministro Necmettin Erbakan (1996-97), fundador do Partido da Justiça (1961) e Milli Görüs (1969).

No Afeganistão, o ex-presidente Sibghatullah Mojaddedi (1992) foi o grão-mestre.

Na Rússia, com a ajuda do Império Otomano, a ordem dos Naqchbandism, no século XIX revoltou a Crimeia, o Uzbequistão, a Chechénia e o Daguestão contra o czar. Até à queda da URSS, não haverá notícias deste ramo; da mesma forma no chinês Xinjiang. A proximidade dos Irmãos e dos naqchbandis é  raramente estudada, tendo em vista a oposição de princípios dos islamistas ao misticismo e às ordens sufistas em geral.

A sede saudita da Liga Islâmica Mundial. Em 2015, o seu orçamento era superior à do Ministério saudita da Defesa. Primeiro comprador mundial de armas, a Arábia Saudita adquire armas que a Liga distribui às organizações dos Irmãos Muçulmanos e à Ordem Naqchbandis.

Em 1962, a CIA incentivou a Arábia Saudita a criar a Liga Islâmica Mundial e a financiar a Irmandade e a Ordem contra nacionalistas e comunistas. [4]

Essa estrutura é financiada pela primeira vez pela Aramco (Companhia Árabe-Americana de Petróleo). Entre os cerca de 20 membros fundadores, existem três teóricos islâmicos que já mencionamos: o Saïd Ramadan egípcio, o paquistanês Sayyid Abul Ala Maududi e o indiano Abu Al-Hasan Ali Al-Nadwi.

De facto a Arábia Saudita, que de repente dispõe de uma enorme liquidez graças ao comércio de petróleo, torna-se o padrinho dos Irmãos no mundo. Em casa, a monarquia confia-lhes o sistema de ensino escolar e universitário, num país onde quase ninguém sabe ler e escrever. Os Irmãos precisam de se adaptar aos seus anfitriões.

A lealdade ao rei impede-os de prestar lealdade ao Guia Geral. De qualquer forma, organizam-se em torno de Mohamed Qutb, irmão de Sayyid, em duas tendências: os Irmãos Sauditas, de um lado, e os «Sururistas», do outro. Os últimos, que são sauditas, tentam uma síntese entre a ideologia política da Irmandade e a teologia «wahhabi». Esta seita, da qual a família real é membro, carrega uma interpretação do Islão extraído do pensamento beduíno, «iconoclasta» e anti-histórico. Até Riade ter petrodólares, ela anatematizou as escolas muçulmanas tradicionais, que por sua vez a consideravam herética.

Na realidade, a política dos Irmãos e a religião wahhabi não têm nada em comum, mas são compatíveis. Excepto no pacto que liga a família dos Saud aos pregadores wahhabi não pode existir com a Irmandade: a ideia de uma monarquia de direito divino esbarra no apetite pelo poder dos Irmãos. Concorda-se, portanto, que os Saud apoiarão os Irmãos em todo o mundo, com a condição deles se absterem de entrar na política da Arábia Saudita.

O apoio dos wahhabis sauditas aos Irmãos provocou uma rivalidade adicional entre a Arábia Saudita e os outros dois Estados wahhabis, o Catar e o Emirado de Charjah.

De 1962 a 1970, a Irmandade Muçulmana participou na guerra civil no Iémen do Norte e tentou restaurar a monarquia ao lado da Arábia Saudita e Reino Unido, contra os nacionalistas árabes, Egipto e URSS; um conflito que prefigura o que se seguirá durante meio século.

Em 1970, Gamal Abdel Nasser (presidente do Egipto desde 1954 até sua morte – Ndt) conseguiu estabelecer um acordo entre as facções palestinianas e o rei Hussein da Jordânia, que encerrou o “Setembro negro”.

Na noite da cúpula da Liga Árabe que ratifica o acordo, ele morre, oficialmente de ataque cardíaco, mas é mais provavel que tenha sido assassinado. Nasser tinha três vice-presidentes, um da esquerda – extremamente popular – um centrista – bem conhecido – e um conservador escolhido a pedido dos Estados Unidos e da Arábia Saudita: Anouar el-Sadate.

Sob pressão, o vice-presidente da esquerda declara-se indigno para a função. O vice-presidente centrista prefere abandonar a política. Sadate é indicado como candidato dos nasseristas. Esta é a tragédia de muitos países: um presidente escolhe um vice-presidente entre os seus rivais de maneira a ampliar sua base eleitoral, mas este substitui-o quando morre e aniquila a sua herança.

Sadate, que serviu o Reich durante a Segunda Guerra Mundial e tinha uma grande admiração pelo Führer, é um soldado ultraconservador que serviu de alter-ego a Sayyid Qutb (activista político e militante radical muçulmano ligado à Irmandade Muçulmana- Ndt) como agente de ligação entre a Irmandade e os Oficiais Livres.

Após ascender ao poder, Sadate libertou os Irmãos presos por Nasser. O «Presidente Crente» é o aliado da Irmandade quanto à islamização da sociedade (a «revolução da rectificação»), mas seu rival quando obtém lucro político.

Essa relação ambígua é ilustrada pela criação de três grupos armados, que não são divisões da Irmandade, mas unidades externas que lhe obedecem: o Partido de Libertação Islâmica, a «Jihade Islâmica» (do Xeque Omar Abdul Rahman) e Excomunhão e Imigração (o «Takfir»). Todos declaram aplicar as instruções de Sayyid Qutb. Armada pelos serviços secretos, a Jihade Islâmica lança ataques contra «cristãos coptas».

Longe de apaziguar a situação, o «Presidente Crente» acusa os coptas de sedição e aprisiona o seu papa e oito dos seus bispos. No final, Sadate intervém na condução da Irmandade e defende a Jihad Islâmica contra o Guia Geral, que manda prender [5].

Sob instruções do secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger, Sadate convenceu a Síria a juntar-se ao Egipto para atacar Israel e restaurar os direitos palestinianos. A 6 de Outubro de 1973, os dois exércitos encarceram Israel durante a festa de Yom Kipur. O exército egípcio atravessa o canal de Suez enquanto o sírio atacava a partir das colinas de Golã.

No entanto, Sadate só usa parcialmente a sua cobertura antiaérea e interrompe o seu exército a 15 quilómetros a leste do canal, enquanto os israelitas atacam os sírios que estão presos e gritam contra a conspiração.

Só quando os reservistas israelitas se mobilizaram e o exército sírio foi cercado pelas tropas de Ariel Sharon, que Sadate ordenou que retomasse o seu avanço e depois impedi-lo de negociar um cessar-fogo. Observando a traição egípcia, os soviéticos que já haviam perdido um aliado com a morte de Nasser, ameaçam os Estados Unidos e exigem uma interrupção imediata dos combates.

Antigo agente de ligação com Sayyid Qutb entre os «Oficiais Livres» e a Irmandade, o «presidente crente»  Anouar al-Sadat deveria ser proclamado «sexto califa» pelo parlamento egípcio. Aqui, este admirador de Adolf Hitler no Knesset, ao lado dos seus parceiros Golda Meïr e Shimon Peres

Quatro anos depois – continuando o plano da CIA – o presidente Sadate viaja a Jerusalém e decide assinar uma paz separada com Israel às custas dos palestinianos. Agora a aliança entre a Irmandade e Israel está selada. Todos os povos árabes condenam essa traição e o Egipto é excluído da Liga Árabe, cuja sede é transferida para Tunes.

Responsável pela «aparato secreto» da Irmandade Muçulmana, Ayman al-Zawahiri (atual chefe da Al-Qaeda) organizou o assassinato do Presidente Sadate (6 de Outubro de 1981)

Em 1982, Washington decide virar a página. A Jihad Islâmica é encarregue de liquidar Sadate, agora sem interesse. Ele foi assassinado num desfile militar, quando o Parlamento se preparava para o proclamar «Sexto Califa». Na tribuna oficial, 7 pessoas são mortas e 28 feridas, mas o vice-presidente do presidente, o general Mubarak que estava sentado ao seu lado, escapa. Convenientemente, ele era a única pessoa na tribuna oficial a usar um colete à prova de balas. Ele sucede ao «presidente crente» e a Liga Árabe pode ser agora repatriada para o Cairo.

(Continua…)

[1] “Sayyid Qutb era franco-maçom”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 1 de Junho de 2018.

[2] America’s Great Game: The CIA’s Secret Arabists and the Shaping of the Modern Middle East, Hugh Wilford, Basic Books (2013).

[3] A Mosque in Munich: Nazis, the CIA, and the Rise of the Muslim Brotherhood in the West, Ian Johnson, Houghton Mifflin Harcourt (2010).

[4] Dr. Saoud et Mr. Djihad. La diplomatie religieuse de l’Arabie saoudite, Pierre Conesa, préface d’Hubert Védrine, Robert Laffont (2016). English version: The Saudi Terror Machine: The Truth About Radical Islam and Saudi Arabia Revealed, Skyhorse (2018).

[5] Histoire secrète des Frères musulmans, Chérif Amir, préface d’Alain Chouet, Ellipses (2015).

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 12 de Dezembro de 2019 by in Irmandade Muçulmana, Livros, Sous nos yeux and tagged , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: