A Arte da Omissao

ACORDEM

O Pentágono contra o Presidente Trump

Nota: links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Tradução do artigo The Pentagon against President Trump

 Rede Voltaire – 12 de Junho de 2020

Nota: este artigo é referenciado no artigo de Thierry MeyssanComment Washington entend triompher traduzido aqui

 

Há dois meses, tínhamos previsto a possibilidade de que a lei marcial fosse declarada para combater a pandemia de Covid-19 [1]. A União Europeia criticou na altura o nosso artigo como propaganda pró-russa [2]. No entanto, permanece o facto de que vários oficiais militares importantes saíram recentemente da sua reserva.

O secretário de Defesa Mark Esper distanciou-se publicamente do recente anúncio do presidente Donald Trump de mobilizar as forças armadas para restaurar a ordem pública, que foi seriamente perturbada pelos violentos protestos após a trágica morte de George Flyod.

Na semana passada, o ex-secretário de defesa o General Jim Mattis deu uma entrevista ao The Atlantic juntamente com o presidente do chefe de gabinete, general Mike Milley. Enquanto este último, como oficial militar de alto escalão em serviço, não falou durante a reunião, entregou no entanto uma coluna de opinião à revista mensal, onde se pronunciou contra a mobilização das Forças Armadas com o objectivo de manter a ordem pública. Seu ex-chefe denunciou explicitamente a política de divisão supostamente realizada pelo presidente Donald Trump.

O antigo director da CIA, o general David Petraeus, também enviou uma coluna de opinião ao The Atlantic, onde se manifesta a favor de renomear uma dúzia de bases militares actualmente conhecidas com nomes de generais confederados.

Durante a sua aparição a 10 de Junho de 2020 no Daily Show da Comedy Central, o ex-vice-presidente dos EUA e candidato à presidência do Partido Democrata, Joe Biden, relatou ter ouvido que oficiais militares dos EUA estavam prontos para remover Donald Trump “com mão militar” se ele perder a eleição.

Num tweet a 11 de Junho, o presidente Trump agradeceu ao arcebispo Viganò pela sua carta na qual equipara os organizadores da tentativa de desestabilização, por trás do pretexto da pandemia de Covid-19, com aqueles que alimentam as violentas manifestações após a morte de George Floyd [3.]

O Presidente do Comité de Chefes de Estado-Maior, Mark Milley, declarou solenemente numa mensagem gravada para uma cerimónia de graduação militar na Universidade de Notre Dame em 11 de Junho, que se arrependia de ter ido com o Presidente Trump à Igreja de Saint John enquanto a multidão estava a ser dispersa. Lamentou ter dado uma imagem partidária das Forças Armadas (foto).

Os oficiais do Pentágono foram todos treinados pelo almirante Arthur Cebrowski. Muitos deles lamentam a retirada contínua de tropas do Afeganistão e a anunciada retirada de tropas da Alemanha. Os soldados, por outro lado, apoiam esmagadoramente o presidente Trump e esperam que todos os militares voltem para casa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 27 de Julho de 2020 by in GEOPOLÍTICA MUNDIAL, USA and tagged , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: