A Arte da Omissao

ACORDEM

Líbano: Israel destrói Beirute Oriental com nova arma

Nota: links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Tradução do artigo de Thierry Meyssan

Israël détruit Beyrouth-Est avec une arme nouvelle 

O primeiro primeiro-ministro de Israel ordenou a destruição de um depósito de armas do Hezbollah em Beirute recorrendo ao uso de uma nova arma. Este facto pouco conhecido causou danos consideráveis ​​na cidade, matou mais de 100 pessoas, feriu 5.000 e destruiu muitos edifícios. Desta vez, será difícil para Benjamin Netanyahu o negar.

 Rede Voltaire – Damasco (Síria)  6 de Agosto de 2020

Em 27 de Setembro de 2018, Benjamin Netanyahu num fórum da Assembleia Geral das Nações Unidas,  apontou para o  armazém que viria a explodir a 4 de Agosto de 2020,  como um depósito de armas do Hezbollah.

 

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, autorizou um ataque contra um depósito de armas do Hezbollah com uma nova arma, testada ao longo de sete meses na Síria. Não se sabe se o segundo primeiro-ministro israelita, Benny Gantz, concordou.

O ataque foi realizado a 4 de Agosto de 2020, exatamente no local designado por Benjamin Netanyahu durante o seu discurso nas Nações Unidas em 27 de Setembro de 2018 [1].

O Hezbollah retirou as suas armas deste armazém logo após o discurso de Netanyahu.

Não se sabe em que consiste a nova arma usada. No entanto, desde Janeiro de 2020 que ela tem sido testada na Síria. É um míssil com componente nuclear táctico na sua ogiva que causa um cogumelo de fumaça característico de armas nucleares. Obviamente, esta não é uma bomba atómica no sentido estratégico.

Teste de Israel na Síria

Esta arma foi testada na Síria numa planície rural, depois nas águas do Golfo Pérsico contra navios militares iranianos. É a primeira vez que é utilizada num ambiente urbano, num ambiente particular que fez com que o jacto de ar e as vibrações reflectissem na água e nas montanhas. Além de destruir o porto de Beirute, matou cem pessoas, feriu pelo menos outras 5.000 e destruiu amplamente a parte oriental da cidade (a parte ocidental foi amplamente protegida pelo silos que armazenam grãos).

Estas fotos de satélite mostram a destruição do armazém do Hezbollah e parte do porto.

Após o ataque, Israel imediatamente activou os seus contactos nos media internacionais para encobrir o seu crime e propagar a versão da explosão acidental de um grande armazém de fertilizantes. Como sempre, são apontados falsos culpados e a máquina mediática internacional repete essa mentira indefinidamente na ausência de qualquer investigação. No entanto, o cogumelo de fumaça é incompatível com a tese da explosão de fertilizantes.

O cogumelo de fumaça visto em Beirute não tem nenhuma relação com o que teria sido causado por um explosivo convencional.

Assim como nem a Síria nem o Irão comunicaram sobre esta arma quando foram atingidos, os partidos políticos libaneses imediatamente fizeram um acordo de não dizerem nada para não desmoralizar a população. Foi aberta uma investigação, não sobre a causa da explosão, mas sobre a responsabilidade do pessoal do porto no que respeita ao armazenamento desses fertilizantes, que se acredita serem a causa da explosão. No entanto, essa mentira rapidamente se voltou contra os partidos políticos que a imaginaram.

O Tribunal das Nações Unidas para o Líbano, que deveria tornar público o seu veredicto no caso do assassinato do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri em 2005, decidiu adiá-lo por alguns dias. De forma idêntica nesse caso, a explosão de uma camioneta mascarou o disparo de um míssil com uma nova arma, desta vez a explosão de nitrato mascarou o disparo disparo de  míssil com outra nova arma.

Revelei numa revista russa cinco anos depois do atentado, como Rafik Hariri foi morto [2] («Revelações sobre o assasinato de Rafik Hariri, tradução do artigo «Révélations sur l’assassinat de Rafiq Hariri », de Thierry Meyssan, Оdnako (Russie) , Rede Voltaire, 29 de Novembro 2010), enquanto o Hezbollah publicava um vídeo atestando o envolvimento de Israel.

É importante notar que o assassinato de 2005 teve como alvo um ex-primeiro-ministro sunita e que o ataque de 2020 teve como alvo não o Hezbollah xiita, mas a Resistência Libanesa como um todo.

Desta vez, várias embaixadas realizaram pesquisas, incluindo a recolha de amostras de grãos e filtros de ar de ambulâncias que imediatamente entraram no local. Elas já estão a ser examinadas nos seus respectivos países.

anexo: https://www.voltairenet.org/IMG/mp4/Syrie.mp4

[1] “Remarks by Benjamin Netanyahu to the 73rd Session of the United Nations General Assembly”, de Benjamin Netanyahu, Rede Voltaire , 27 Setembro de 2018.

[2] « Révélations sur l’assassinat de Rafiq Hariri », de Thierry Meyssan, Оdnako (Russie) , Rede Voltaire, 29 de Novembro 2010.

One comment on “Líbano: Israel destrói Beirute Oriental com nova arma

  1. fatimouta
    13 de Agosto de 2020

    faz sentido e explica o cogumelo !

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 7 de Agosto de 2020 by in GEOPOLÍTICA MUNDIAL, Israel, Libano and tagged , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: