A Arte da Omissao

ACORDEM

“Sob os nossos olhos” (8/25) – A agonia da política estrangeira francesa

Nota: links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

Livro «Sous nos yeux» (8/25) –  «Sob os nossos olhos» (8/25)  de Thierry Meyssan

Tradução do artigo L’agonie de la politique étrangère française

Continuamos a publicação do livro de Thierry Meyssan, Sous nos yeux. Neste artigo, iniciamos a segunda parte com a política francesa, a aparição de Jacques Chirac e Nicolas Sarkozy. Gradualmente, os pequenos presentes transformarão a política externa de Paris que deveria estar ao serviço da França em acordos pessoais entre amigos.

 Rede Voltaire / Damasco (Síria) 29 de Novembro de 2019

Este artigo foi extraído do livro Sous nos yeux de Thierry Meyssan – 2017

A 14 de Fevereiro de 2003, Dominique de Villepin, retoma a tradição gaulista da independência da França e opôs-se no Conselho de Segurança à vontade dos EUA de destruir o Iraque.

As «Primaveras Árabes», vistas de Paris

A política externa francesa, antes guiada pela visão estratégica de Charles De Gaulle, gradualmente cede lugar a alguns que buscam dinheiro fácil.

Depois de resistir ao imperialismo dos EUA, Jacques Chirac retirou-se da luta e mistura negócios do Estado com os seus assuntos pessoais.

Nicolas Sarkozy serviu aos interesses dos EUA ao mesmo tempo que negociava, para seu próprio benefício, qualquer coisa em que pudesse colocar as mãos.

François Hollande vai ainda mais longe ao colocar a República ao serviço de alguns interesses privados que constituem o novo partido da colonização.

Emmanuel Macron manipula a França para promover as estratégias das grandes fortunas democratas dos Estados Unidos. Sempre em busca de mais dinheiro, a França coloca-se sucessivamente ao serviço da Turquia, Catar, Arábia Saudita, e depois do patronato transnacional.

Para Jacques Chirac, Hafez al-Assad era o único líder capaz de unificar o mundo árabe. Ele o comparou a Otto de Bismarck.

16— Jacques Chirac, «o árabe»

Jacques Chirac (Presidente entre 1995-2007- Ndt) tem Hafez al-Assad (presidente da Síria de 1971 até 2000 e pai do actual presidente – Ndt) em alta estima. Ele vê nele uma personalidade excepcional com uma visão para seu país e região.

Segundo o almirante Pierre Lacoste, ex-director da DGSE, foi o presidente Mitterrand quem ordenou o mega ataque em Damasco como retaliação ao assassinato do embaixador Delamare. A operação foi reivindicada pela Irmandade Muçulmana, que a executou sob o controle de François de Grossouvre (conselheiro do presidente Mitterrand – Ndt)

A França combateu-o durante certas fases da guerra civil libanesa. Ela atribuiu-lhe publicamente a responsabilidade pelo assassinato do seu embaixador em Beirute, Louis Delamare (1981), que  foi imediatamente seguido pelo ataque ordenado pelo presidente François Mitterrand à sede nacional do recrutamento militar em Damasco, deixando 175 mortos.

Após a derrota síria face a Israel em 1967, Hafez al-Assad assumiu o poder contando com apoiantes do «Baath» e aventureiros, incluindo o seu próprio irmão Rifaat. Este último tornou-se companheiro regular de golfe de François Mitterrand e amigo de Abdallah, o futuro rei da Arábia Saudita.

Em 1982, enquanto vivia entre a França e a Síria, Hafez al-Assad organizou um ataque à rua Marbeuf em Paris contra a revista Al-Watan Al-Arabi, que o tinha criticado. A sua amizade com o presidente Mitterrand desviou a investigação policial. Seu país foi acusado do crime em seu lugar e a França expulsou dois diplomatas sírios, incluindo o chefe da inteligência, Michel Kassoua.

O ataque à rua Marbeuf em Paris foi ordenado por Rifaat al-Assad. Por pressão do seu amigo presidente Mitterrand, o ataque foi erroneamente atribuído  ao diplomata sírio Michel Kassoua (que foi expulso) e depois ao revolucionário Carlos (que foi condenado).

Jacques Chirac é o único chefe de Estado estrangeiro a comparecer no funeral de Hafez al-Assad (2000). Enquanto um movimento de oposição varre o país, a França, que confiou no vice-presidente Abdel Halim Khaddam para suceder a Hafez al-Assad, reconhece a designação do seu filho Bashar al-Assad (actual Presidente da Síria – Ndt)) pelo partido Baath como o próximo líder do país.

Querendo jogar o papel de mentor, Jacques Chirac – apelidado de «o árabe», sendo a sua autoridade reconhecida pelos chefes de Estado da região – tenta inserir Bashar no cenário internacional. Mas o jovem não pretende deixar que alguém dite o seu comportamento. Chirac negoceia com o novo presidente sírio para que a empresa francesa Total explore vários campos de petróleo sírios.

No momento da licitação oficial, a proposta da Total revelou-se escandalosamente desvantajosa. No entanto, ela é apoiada por altos funcionários sírios, incluindo o conselheiro económico do presidente, Nibras el-Fadel, que é logo descoberto por estar jogar jogo duplo em nome da Total e do chefe sírio-britânico da Petrofac, Ayman Asfari. Ao saber dessa corrupção, Bashar al-Assad sanciona a Total e afasta-a do concurso, o que enfurece Chirac.

Jacques Chirac passa por um revés semelhante no Líbano. Em nome da França, negociou com o seu amigo pessoal e primeiro-ministro libanês, Rafik Hariri, o direito de explorar as águas territoriais libanesas para obter petróleo. A operação está a cargo de dois oficiais da Força de Paz da Síria, o Chefe de Inteligência Ghazi Kanaan (Chefe do Serviço de Inteligência da Síria no Líbano de 1982 a 2002 – Ndt) e o Vice-Presidente Abdel Halim Khaddam. Chirac envia um navio da Marinha para fazer a prospecção, mas o presidente libanês, Émile Lahoud, é informado e convoca o embaixador francês. Transmite-lhe que os arranjos pessoais do Sr. Hariri não vinculam o seu país e que o navio de guerra francês deverá deixar a zona.

Reagindo a esses apelos, Chirac evita falar com os presidentes da Síria e do Líbano.

Jacques Chirac, que tinha apoiado os Estados Unidos em face dos ataques de 11 de Setembro de 2001, fica preocupado por poder ter sido enganado depois de ler o meu livro L’Effroyable Imposture (A Terrível Impostura – Ndt) [1]. Ele ordena que a DGSE (uma das agências de inteligência e contra espionagem da França – Ndt) verifique a minha tese. Depois de mobilizar várias centenas de funcionários e várias embaixadas, os serviços responderam que não estavam em condições de aprovar o livro, mas que todos os elementos que estavam disponíveis para verificação – excepto uma citação – eram exactos.

Chirac, que conhece bem Saddam Hussein, encontra aí a confirmação de que a França não deve apoiar o ataque anglo-saxão no Médio Oriente.  O ministro das Relações Exteriores da França, Dominique de Villepin, enfrenta o secretário de Estado norte americano de Colin Powell. Parte com urgência para Nova Iorque e esquece no seu escritório em Paris o arquivo que a DGSE lhe preparou. Apesar de tudo, «o seu discurso improvisado em 14 de Fevereiro de 2003» atraiu aplausos sem precedentes de membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas e a raiva de Washington. Ele abstém-se de criticar as enormes mentiras de Powell – do suposto apoio do presidente Hussein à Al Qaeda e o seu  programa de armas de destruição em massa – mas enfatiza que não há justificativa para essa guerra.

Discípulo do filósofo Leo Strauss e historiador oficial do exército israelita, Edward Luttwak inspira o invisível golpe de Estado de 11 de Setembro de 2001 com o seu livroCoup d’État: A Practical Handbook

O presidente George W. Bush honrou a cúpula do G8 em Evian com a sua presença por algumas horas. Uma campanha de «ataque à França» estava a desenvolver-se nos Estados Unidos, e o conselheiro do Pentágono que inspirou o golpe de Estado de 11 de Setembro de 2001, Edward Luttwak, ameaçou publicamente o presidente Chirac, no programa de televisão France2. Ele declarou inequivocamente –

«Chirac tem uma conta a pagar a Washington! Ele tem uma longa conta a pagar a Washington. E, aqui em Washington, obviamente que existe a decisão de o fazer pagar a conta. Chirac, queria comer e comer [sic] às custas dos Estados Unidos na cena diplomática e, obviamente, vai pagar».

Em pânico,Jacques Chirac vira a casaca e enfileira atrás de todas as iniciativas dos E.U.A, indo ao ponto de disponibilizar a sua Embaixatriz em Tbilisi, Salomé Zourabichvili, para Ministro dos Negócios Estrangeiros da Geórgia durante a «Revolução das Rosas» (Dezembro de 2003), ou, ainda, participar no rapto do Presidente do Haiti, Jean-Bertrand Aristide, sequestrando-o na República Centro-Africana (Março de 2004) [2].

Na mesma linha, Jacques Chirac e o seu amigo bilionário Rafic Hariri redigem a Resolução 1559 exigindo a retirada do Líbano da Força de Paz Síria e o desarmamento de todas as milícias libanesas, incluindo Hezbollah e grupos palestinos. Ao contrário de outras milícias colocadas a serviço de um líder feudal ou subsidiadas por um Estado estrangeiro, o Hezbollah é uma rede de resistência ao colonialismo israelita, inspirada na Revolução Iraniana e depois armada pela Síria.

Esta resolução é inaplicável, a não ser com o propósito de oferecer o Líbano ao exército israelita. Além disso, o presidente Chirac decide boicotar o seu homólogo libanês, Émile Lahoud, que nem é convidado para a cúpula da Francofonia.

O bilionário saudita-libanês Rafiq Hariri financiou abundantemente todas as campanhas eleitorais de Jacques Chirac, desde a sua eleição para a Camara Municipal de Paris.

A 14 de Fevereiro de 2005, «Rafic Hariri» – que já não era mais primeiro-ministro do Líbano – foi assassinado, supostamente por uma carga explosiva contida numa camionete [3].

Jacques Chirac corre para Beirute, não para comparecer ao funeral nem para se encontrar com oficiais, mas para passar um dia inteiro com os advogados do falecido a assinar documentos de negócios privados. Depois voltou a Paris enquanto a «Revolução do Cedro» estava em pleno andamento no Líbano, sob a supervisão discreta dos homens de Gene Sharp, os agitadores sérvios em Washington.

Influenciável, Jacques Chirac partilha a certeza de que Bashar al-Assad e Émile Lahoud planearam juntos o assassinato do seu amigo e parceiro de negócios privados, «Rafic Hariri». Chirac apoia a Comissão das Nações Unidas encarregue de investigar este crime, no lugar do sistema de Justiça libanês.

Por vários anos, seguiram-se as acusações lançadas pela ONU, o ostracismo global a Bashar al-Assad e a prisão de quatro generais mais próximos do presidente Émile Lahoud  (presidente do Líbano de 24 de Novembro de 1998 a 23 de Novembro de 2007 – Ndt). Foi criado um «Tribunal» internacional para julgar os dois presidentes «assassinos», sob os auspícios do Secretário-geral da ONU Ban Ki-moon, mas sem a aprovação do Parlamento Libanês.

As obsessões de Jacques Chirac não afectam a cooperação franco-síria. De 2003 até a suspensão das relações diplomáticas em 2012, os serviços sírios informaram os seus homólogos franceses sobre jovens franceses que desejavam ir para o Iraque ou que ali lutavam contra a ocupação dos EUA. Se por acaso eles cruzavam a Síria, eram presos e discretamente repatriados para a França num avião militar.

Esta cooperação permite à França manter a ordem pública e prevenir numerosos ataques no seu território. Entre os jihadistas extraditados pela Síria estão Boubaker Al-Hakim (assassino do líder tunisiano Chokri Belaïd) ou Sabri Essid (meio-irmão de Mohamed Merah que virá a ser um dos algozes do Daesh).

No entanto, a França não só interromperá esse relacionamento durante a «Primavera Árabe», como libertará esses réus devido à sua aliança com a Irmandade Muçulmana.

A partir de 2 de Setembro de 2005, Jacques Chirac deixa de governar. Sofreu um grave derrame e nunca mais poderá cumprir as suas funções, mesmo que pareça mantê-las. Por dois anos, o seu governo foi dividido entre os gaullistas em torno do primeiro-ministro Dominique de Villepin e os atlantistas em torno do ministro do Interior Nicolas Sarkozy.

Durante o ataque de Israel ao Líbano no Verão de 2006, Villepin apoiou o Hezbollah. Chirac havia ordenado o seu desarmamento. Uma vez terminado o seu mandato, Chirac ostenta a sua corrupção e instala-se num luxuoso apartamento colocado à sua disposição pela família Hariri para a sua aposentação. Apoiado pela Sra Chirac, Sarkozy sucede-lhe.

17— Nicolas Sarkozy, “o americano”

Filho de um dos cinco fundadores da CIA, o embaixador Frank G. Wisner criou o seu enteado adolescente Nicolas Sarkozy em Nova Iorque. Apresentou-o à CIA que promoveu a sua eleição para a presidência da França.

Nicolas Sarkozy foi eleito Presidente da República Francesa em Maio de 2007, não pelo seu programa, mas por sua vontade. Os franceses veem-no como o homem capaz de reviver o país adormecido e bloqueado. No entanto, ignoram que Sarkozy foi criado na adolescência Nova Iorque pela terceira esposa do seu pai. Christine de Ganay casou-se novamente com o embaixador Frank Wisner Jr, filho do fundador dos serviços secretos da CIA / NATO, a rede Gladio Stay-behind. Graças a tal, Sarkozy foi posteriormente patrocinado por Washington para se tornar Presidente da República Francesa [4]. Ao contrário de Jacques Chirac, que se mostrou um gaulista corajoso em 2003 antes de se tornar um real empresário, Washington considera Nicolas Sarkozy um agente. Ele é imediatamente associado a projectos nos EUA.

Enquanto Ministro do Interior, Nicolas Sarkozy iniciou contactos com Abdullah Senussi, chefe dos serviços secretos internos da Líbia e cunhado de Muammar Gaddafi. Abdullah estava a enfrentar uma condenação à revelia na França pelo seu papel no ataque ao voo 772 UTA, que em 1989 matou 170 durante a Guerra do Chade.

A Líbia oferece-se para financiar a campanha eleitoral de Sarkozy em troca de uma promessa de amnistia ou de anulação do processo judicial. Brice Hortefeux, ministro delegado e homem de confiança de Sarkozy, negocia um valor com o coronel Gaddafi. No final, de acordo com um alto funcionário líbio que supervisionou a transacção, o empresário franco-libanês Ziad Takieddine transporta 57 milhões de euros para Paris.

No entanto, durante a campanha eleitoral, a Líbia observa que a candidata socialista Ségolène Royal também pode vencer. Abdullah Senussi (chefe dos serviços secretos internos da Líbia e cunhado de Muammar Gaddafi – Ndt) contactou o ex-chanceler socialista, Roland Dumas, que – e novamente segundo a mesma fonte – vem a Trípoli para cobrar 25 milhões de euros, cerca de metade da quantia oferecida ao seu concorrente.

A lei francesa proíbe o financiamento de campanhas eleitorais por países estrangeiros. Além disso, o custo das campanhas não pode atingir esses valores. Sarkozy e Royal não podem prometer fabricar uma demissão judicial, sem anularem a lei e  aindependência da Justiça. Podem,  no entanto, pronunciar uma amnistia, mas não negociá-la em benefício dos seus assuntos pessoais.

Roland Dumas sabe muito bem isso porque foi Presidente do Conselho Constitucional (1995-2000), responsável por zelar pelo bom andamento das eleições. A justiça francesa investigará as falhas de Sarkozy, mas não as da condidata Ségolène Royal [5].

Os negócios entre Gaddafi e Sarkozy continuaram após a sua chegada ao Palácio do Eliseu.

A «primeira-dama» (sic) Cécilia Sarkozy é responsável por encontrar uma solução para o julgamento das cinco enfermeiras búlgaras e do médico palestiniano, detidos há oito anos. Em 1999, mais de 400 crianças foram infectadas com o retrovírus da AIDS no hospital de Benghazi. Os islâmicos acusam Muammar Gaddafi de negligenciar a cidade de Benghazi e de conspirar para assassinar os seus filhos.

O Procurador local prefere acusar os trabalhadores de saúde estrangeiros para exonerar o Guia. Ele tortura-os selvagemente para lhes extrair uma confissão.

Enquanto Procurador, Robert Mueller acusou a Líbia de ser responsável pelo atentado a bomba em Lockerbie. Posteriormente a justiça escocesa decidiu que a acusação foi baseado em evidências falsas apresentadas na cena do desastre por um agente da CIA.

No entanto, a Bulgária, que acabara de aderir à União Europeia, pede à Comissão de Bruxelas que negocie com Trípoli a libertação dos seus cidadãos.

A Líbia enfrenta os mesmos funcionários que a culparam do atentado em 1988 do voo 103 da PanAm em Lockerbie, Escócia, onde morreram 270 pessoas. Embora Muammar Gaddafi tenha sempre negado o seu envolvimento, a Líbia concorda em indemnizar as famílias das vítimas na ordem de US $ 2,7 bilhões para resolver a última disputa com o Ocidente. Ciente de que teria que lidar com as fantasias dos islâmicos, o Guia decidiu usar a infecção hospitalar em Benghazi para recuperar o que injustamente tinha sido forçado a  pagar por Lockerbie

Então, exige que esse dinheiro lhe seja devolvido em troca da sua retirada de certos Estados africanos e da liberdade das enfermeiras e o médico. Em última instância, os Estados Unidos pagam a quantia ao Catar, que a devolve à Líbia sob o controle da União Europeia.

O Ministro da Justiça e membro da Irmandade Muçulmana, o líbio Moustafa Abdel Jalil, que tinha encoberto as torturas quando era presidente do Tribunal de Recurso de Trípoli, passa a conhecer os emissários do presidente Sarkozy.

Ainda de acordo com o mesmo alto funcionário líbio, Cécilia Sarkozy recebe uma gratificação proporcional da Líbia (US $ 2,7 milhões). Nicolas Sarkozy, que está no processo de divórcio, dá-lha a ela. Ela poderá abrir uma empresa de relações públicas no Catar com o seu novo marido. A Bulgária saúda a libertação dos seus cidadãos, enquanto desaprova a forma como o acordo foi fechado.

 

Depois de se casar com o futuro astro da televisão Jacques Martin, depois o futuro Presidente da República Nicolas Sarkozy, Cécilia Ciganer casa novamente com o lobista e director do Fórum de Davos, Richard Attias.

Agora como personagem novamente presentável, Gaddafi empreende uma turnê europeia, incluindo cinco dias na França. Ele causou escândalo ao armar a sua tenda nos jardins do Hotel Marigny, residência de hóspedes do Estado. Acima de tudo, ele disse à France24 que a Líbia é mais democrática do que a França.

Esta provocação não é tão destituída de sentido como pensam os seus ouvintes, como veremos ao longo desta história: na realidade, a França já não é uma democracia na medida em que nem o povo nem os seus representantes são realmente consultados para uma série de decisões, em particular aquelas relacionadas com a política externa e de defesa.

Foi no entanto uma República até ao final do mandato de Jacques Chirac porque as autoridades só tomavam decisões de acordo com a sua percepção do interesse geral. Veremos que isso não será verdade por muito tempo. A Líbia, por outro lado, é uma democracia directa inspirada nas experiências dos utópicos franceses do século XIX. No entanto, esse sistema também é ilusório. Na verdade, a sociedade líbia baseia-se na afiliação tribal, portanto as opiniões pessoais têm pouco valor. Além disso, é essa realidade social que permite a Khadafi exercer a função de chefe de Estado, mesmo que oficialmente não exista.

A grande diferença entre os dois países está noutro ponto: ao negociar com os Estados Unidos, a Líbia cessou qualquer interferência com os seus vizinhos, enquanto a França viola alegremente a Carta das Nações Unidas, especialmente na África e em breve no Levante.

Acima de tudo, Gaddafi proclamou a emancipação de todos os homens e pôs fim à escravidão, enquanto a França – que não a pratica mais no seu solo desde 1848 – não tem problemas em se aliar a Estados escravistas, como a Arábia Saudita e Catar.

Ao reatar com os Estados Unidos e vergar-se a todas as exigências do Presidente Bush, o antigo revolucionário Muammar Kaddafi tornou-se respeitável

O primeiro acto do presidente Sarkozy contra a Síria foi organizar em Março de 2008, a fuga da principal testemunha falsa do caso Hariri, Mohamed Zuhair as-Siddik, a quem forneceu um passaporte checo falso [6]. Certamente, a acusação de assassinato levantada contra Émile Lahoud e Bashar al-Assad desmoronou, mas o mistério sobre o organizador deste baile de máscaras ainda permanece. Como se nada tivesse acontecido, Sarkozy vai numa viagem oficial a Damasco para reavivar as relações entre os dois países e garantir que a Síria não intervenha mais na vida política libanesa.

Em Maio, o primeiro-ministro libanês – e agente dos serviços secretos jordanianos -, Fouad Siniora, abre um conflito com o Hezbollah. Ele tenta neutralizar a ponte aérea entre o Irão e a Resistência bem como os seus meios de comunicação internos, para que os Estados Unidos e a Arábia Saudita possam assumir o controlo do país e atacar a Síria. Mas o Hezbollah passa ao ataque. Dentro de horas, o sistema de segurança de Siniora entra em colapso e ele tem que recuar.

As negociações de paz começam em Doha. Catar e França impõem um novo presidente no Líbano, que não tinha um desde o fim do mandato de Emile Lahoud, seis meses antes. Paris escolhe o chefe do Estado-Maior, o General Michel Sleiman, porque é facilmente manipulado.

Este último, apresentou documentos falsos para si e sua família, a fim de obter a dupla nacionalidade francesa para todos. A justiça francesa processa o seu caso. Sua nomeação como Presidente do Líbano deixa uma espada de Dâmocles pendurada sobre sua cabeça enquanto o caso está pendente no tribunal. Preocupado com a reacção da Síria, o Catar oferece ao presidente Assad, que não pediu nada, um avião e carros oficiais.

Michel Sleimane (canto superior esquerdo) faz um juramento de defender a «independência» do Líbano sob o olhar benevolente do Emir do Catar (canto superior direito) que preside à cerimónia e do Ministro das Relações Exteriores da França que a encenou.

O Emir do Catar Hamad bin Khalifa Al Thani empossou o «Presidente» Sleimane no lugar do seu antecessor, Émile Lahoud que nem foi convidado para a cerimónia.

Durante isso, na Assembleia Nacional Libanesa, o ministro francês das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, não se senta nas bancadas do público, mas nas do governo libanês. Ele manifesta a sua irritação, quando o ex-presidente da assembleia observa que o artigo 49 da Constituição proíbe que um chefe do Estado Maior se torne presidente dois anos após deixar o exército. Portanto, não há tempo para modificar o texto e os deputados elegem Michel Sleimane violando a Constituição.

Em 2008, a França estimava que Bachar al-Assad, o chefe de Estado mais popular no mundo árabe, seria um amigo seguro para difundir a presença francesa no Mediterrâneo.

Em Julho de 2008, Nicolas Sarkozy lançou a União para o Mediterrâneo, uma vasta operação que visava ao mesmo tempo competir com seus parceiros europeus e reintegrar Israel no concerto das nações da região. Ele convida Bashar al-Assad e o seu homólogo israelita, Shimon Peres, para assistir ao desfile de 14 de Julho nos Campos Elísios.

O primeiro evita cuidadosamente o segundo. Mas pela ocasião, o Líbano e a Síria estabeleceram finalmente relações diplomáticas (nunca haviam tido uma desde a sua separação pelos franceses em 1943).

A União para o Mediterrâneo (UPM) falha pelos mesmos motivos que o Processo de Barcelona iniciado pela União Europeia em 1995: é impossível reunir todos os actores da região até que uma questão não seja resolvida. O conflito israelita.

Sarkozy fez uma segunda viagem oficial à Síria, em Janeiro de 2009. Contactado pelo governo Obama, o presidente francês absteve-se de decidir qualquer coisa. Esta é apenas uma viagem de reconhecimento.

 

[1] L’Effroyable Imposture, Thierry Meyssan, préface du général Leonid Ivashov, Demi-Lune (2002).

[2] « Coup d’État en Haïti », « Paris relâche le président haïtien », par Thierry Meyssan, Réseau Voltaire, 1er et 16 mars 2004.

[3] «Revelaciones sobre el asesinato de Rafik Hariri», por Thierry Meyssan, Оdnako (Rusia) , Red Voltaire , 29 de noviembre de 2010.

[4] “Operação Sarkozy: Como a CIA colocou um dos seus agentes na presidência da República Francesa”, Thierry Meyssan, Rede Voltaire, 27 de Julho de 2008.

[5] Depoimento do autor perante o Juiz Tournaire, 24 mars 2018. Avec les compliments du Guide. Sarkozy-Kadhafi – l’histoire secrète, Fabrice Arfi et Karl Laske, Fayard (2017).

[6] «El presidente de Francia habría organizado la fuga de un testigo clave», Red Voltaire, 19 de abril de 2010.

 

continua…

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 29 de Novembro de 2020 by in Irmandade Muçulmana, Livros, Sous nos yeux and tagged , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: