[1] Os Libaneses não reconhecem o Império Otomano como tendo sido uma potência colonial, o que, de facto, ele foi. NdA.

[2] Por definição, não sendo o Líbano uma nação não pode ser nem uma democracia, nem uma república. NdA.

[3] “Fundos europeus desviados por Mogherini, Hariri e Mikati”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 28 de Janeiro de 2020.

[4] “A Administração Trump contra o Líbano”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 3 de Maio de 2019.

[5] Uma fuga de documentos oficiais britânicos atesta este papel. Ler Complete infiltrating Lebanon (65,11 Mo). Os resultados ambicionados foram manifestamente conseguidos: os Libaneses amargam de tal maneira que não já não conseguem ver nem a origem dos seus problemas, nem as soluções ao alcance, cf. “Taking Lebanon’s Pulse after the Beirut Explosion”, Michael Robbins, Arab barometer, 15 de Dezembro  2020.

[6] «Los libaneses, ‎prisioneros de su Constitución»,de  Thierry Meyssan, Rede Voltaire , 22 de Outubro de 2019.

[7] “Israel brinca com os nervos dos Libaneses”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 4 de Outubro de 2020.

[8] “O péssimo teatro do Presidente Macron no Líbano”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 30 de Setembro de 2020.

[9] “Rumo a uma partição do Líbano?”, Tradução Alva, Rede Voltaire, 15 de Outubro de 2020.