A Arte da Omissao

drones americanos partem da Itália para a Líbia

Hillary Clinton ri  de Kadafi: Nós viemos, nós vimos, ele é morto

| Roma (Itália) | 5 de Março de 2016

Desempenhando o papel de um Estado soberano, o governo de Matteo Renzi (Primeiro Ministro italiano-NdT), “autorizou, um a um” a saída de drones americanos armados de Sigonella (Sicília) com destino à Líbia e outros países.

É do conhecimento geral que em 2011, um drone “Predator Reaper“, telecomandado a partir de Las Vegas, levantou voo de Sigonella e atacou na Líbia, o comboio onde Muammar el-Qaddafi viajava, jogando-o nas mãos das milícias de Misurat.

A Itália ocupou desta forma, o seu lugar na lista oficial das bases de ataque americanas de drones, sob o comando exclusivo do Pentágono, juntado-se a países como o Afeganistão, Etiópia, Níger, Arábia Saudita e Turquia. O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Paolo Gentiloni, especificou que «o uso destas bases não requer qualquer comunicação especial com o Parlamento», e garantiu-nos que «isto não constitui um prelúdio de uma intervenção militar» na Líbia. Na realidade, a intervenção já começou. Forças especiais dos EUA, Reino Unido e França – conforme noticiado pelo The Telegraph [1] e Le Monde [2]  – operam já secretamente na Líbia.

Aviões de transporte C-130 (provavelmente pertencentes aos Estados Unidos) levantam voo incessantemente de um aeroporto em Pisa, perto da base americana de Camp Darby, transportando equipamento militar para bases do sul, e talvez também para bases no norte da África.

Um número de aviões norte-americanos KC-135 chegaram à base em Istres, França (Bouches-du-Rhône), para  reabastecerem em voo caças-bombardeiros franceses. A operação não diz respeito só à Líbia. Istres é a base para a «Opération barkhane», campanha que a França conduz com 3.000 soldados na Mauritânia, Mali, Níger, Chade e BurkinaFaso.

Nesta zona, e também na Nigéria, operam forças especiais norte-americanas e uma base de drones nos Camarões – sempre com o motivo oficial de lutarem contra o Daesh e seus aliados.

Ao mesmo tempo,  a NATO deslocou para o Mar Egeu  o Segundo Grupo Naval Permanente, sob comando alemão, e aviõesradar AWAC (centros de comando voadores para a gestão do campo de batalha), com a missão oficial de «apoiar a resposta à crise dos refugiados» (a qual foi provocada pelas guerras dos EUA e da NATO contra a Líbia e Síria-NdT).

A esta operação devemos acrescentar o “Dynamic Manta 2016“, exercício militar da NATO no Mar Jónico e no Estreito da Sicília com forças aeronavais dos EUA, França, Reino Unido, Espanha, Grécia, Turquia e, também a Itália que forneceu as bases de Catane, Augusta e Sigonella. Esta constitui a preparação para a “operação de manutenção da paz sob controlo italiano”, que, sob o pretexto de libertar a Líbia do Daesh, visa ocupar as suas regiões costeiras económicas e estratégicas mais importantes. (ninguém aprendeu nada -Ndt). Falta apenas o “convite”, que pode ser emitido por um governo fantasma líbio.

Quem está a pressionar uma  intervenção na Líbia, desde Washington, é Hillary Clinton, candidata à presidência, que – escreve o New York Times numa ampla reportagem [3]– tem “a abordagem mais agressiva sobre as crises internacionais”. Foi ela quem em 2011 convenceu Obama a romper com as suas hesitações. “O presidente assinou um documento secreto, que autorizava uma operação clandestina na Líbia e o fornecimento de armas aos rebeldes”, enquanto o Departamento de Estado dirigido pela [Hillary] Clinton os reconhecia como “legítimo governo da Líbia”.

As armas, inclusive mísseis antitanques Tow e radares anti-bateria, foram enviados pelos EUA e outros países ocidentais para Benghazi (cidade líbia) e para alguns aeroportos. Ao mesmo tempo, a NATO, sob o comando dos Estados Unidos, levava a cabo ataques aéreos e náuticos, largando dezenas de milhares de bombas e mísseis, destruindo, assim, o Estado líbio a partir do exterior e do interior. Quando em Outubro de 2011 Kadafi foi assassinado, Clinton vibrou com um “Uau!”, exclamou: “Nós viemos, nós vimos, ele morreu”.

Não sabemos que líder ela citará na segunda guerra na Líbia.  Sabemos no entanto quem a vai telecomandar.
 

[1] “US Special Forces thrown out of Libya after secret mission revealed”, Richard Spencer, December 18, 2015; “France special forces waging ’secret war’ against Isil in Libya”, David Chazan, February 24, 2016; “British ’advisers’ deployed to Libya to build anti-Isil cells”, Ruth Sherlock, February 27, 2016, The Daily Telegraph.

[2] «La France mène des opérations secrètes en Libye», «La guerre secrète de la France en Libye», Nathalie Guibert, Le Monde, 24 février 2016.

[3] Part 1: “Hillary Clinton, ‘Smart Power’ and a Dictator’s Fall”, Part 2 : “A New Libya, With ‘Very Little Time Left’”, Scott Shane & Jo Becker, The New York Times, February 27, 2016.

Fonte

Nota: Links desta cor, e realces desta cor, são da minha responsabilidade

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 21 de Março de 2016 by in A arte da Guerra, Líbia and tagged .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: