A Arte da Omissao

Grécia recebe tábua de salvação com BCE a concordar com € 3,3 bilhões de fundos extras de emergência

1000

O governo grego  recebeu da mão do Banco Central Europeu, € 3,3 bilhões de  fundos de emergência para os seus bancos. Segundo a análise do The Gardian, a mudança chega após o alerta dos Estados Unidos, de que a Grécia teria que ser construtiva e encontrar um acordo. Atenas, confirmou que irá solicitar uma prorrogação para seus empréstimos de resgate na próxima quinta-feira.

Jack Lew, secretário do Tesouro norte-americano disse num telefonema ao ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis, que  Grécia iria enfrentar “dificuldades imediatas” sem um acordo e disse que o corrente impasse não era bom para a Europa, apesar dos sinais de que o acordo possa ser alcançado antes de sexta-feira, prazo imposto pela Zona Euro para se chegar a um acordo, fim do prazo. “O tempo é a essência”, disse Lew.

O governo grego prometeu apresentar um pedido de prorrogação do empréstimo em Bruxelas, mas documentos vazados mostraram que Varoufakis não vai desistir do plano de revogação das medidas de austeridade, como cortes de empregos no sector público.

Apesar da insistência de Bruxelas de que a Grécia tinha que ficar com os cortes de custos definidos no âmbito do seu plano de resgate, Varoufakis disse na quarta-feira à noite, que estava confiante que a proposta de extensão do seu governo seria aprovada. “Eu acredito que a proposta irá satisfazer o lado grego e o presidente do Euro Grupo”, disse ele.

Depois de mais um dia de sessão de informações e declarações febris, o BCE decidiu alargar o seu financiamento de emergência para os bancos gregos em € 3,3 bilhões. Isto contraria a especulação que os decisores políticos do banco poderiam fechar as torneiras para forçar a Grécia a comprometer-se com a zona do euro. O Conselho de Governadores do banco estava dividido quanto ao estender a salvação de crédito à Grécia. Mas um funcionário do banco central da zona do euro, disse à Reuters que o BCE tinha que tentar preservar a estabilidade financeira e não estava lá “para ensinar à Grécia algum tipo de lição”.

Noutro impulso para a coligação liderada pelo Syriza grego, o governo conseguiu que o  seu candidato a presidente, Prokopis Pavlopoulos, ex-ministro do Interior do centro-direita fosse eleito. Com esta eleição, o Syriza conseguiu evitar o problema que tinha derrubado o governo anterior. O ex-primeiro-ministro Antonis Samaras ao não ter conseguido ganhar a aprovação do seu candidato, forçou a Grécia a antecipar as eleições que acabaram por colocar o Syriza no poder.  O governo grego consegue assim, concentrar a energia necessária para persuadir os seus parceiros da zona euro a aceitarem a  sua proposta de empréstimo.

Atenas pretende ressuscitar o plano de compromisso proposto pelo comissário europeu, Pierre Moscovici, que foi vetado pelos ministros das Finanças da zona do euro na reunião de segunda-feira. Esse plano, permitiria a Grécia ter acesso a empréstimos de curto prazo, mas não a vincularia a estender o programa de austeridade actual, que o governo grego culpa de ter gerado uma crise humanitária.

A Grécia  pressiona  por uma reescrita do seu acordo de resgate,  de forma a que lhe permita executar um excedente orçamental de 1,5%, mais do que a meta atual de 4,5% que assinou, libertando dinheiro para gastos sociais. O governo grego também quer garantias  que não terá de introduzir cortes nas pensões nem subidas de IVA, bem como um ritmo mais lento nas privatizações.No entanto, a Comissão Europeia emitiu uma mensagem intransigente em que a Grécia tem de seguir com o curso de austeridade. (A Europa tem agora um grande desafio pela frente. Pela primeira vez, um Estado membro, luta e bate o pé pelo seu Povo)

A forma mais realista é a extensão do programa em curso”, disse Valdis Dombrovskis, vice-presidente da comissão, a jornalistas em Bruxelas. Seria oferecida à Grécia alguma flexibilidade, disse Valdis, mas trocando algumas medidas de austeridade por outras de igual valor.

Fonte

ligne-rouge

A nova importância geoestratégica da Grécia

2010. Segundo a United States Geological Survey, a Grécia é o país da UE com o maior potencial prospetivo de exploração de petróleo, com cerca de 22 mil milhões de barris no Mar Jónico e 4 mil milhões de barris no Mar Egeu. Só para comparar, o poço Lula no Brasil tem cerca de 8 mil milhões de barris.

2011. A Grécia abriu  um concurso para a exploração de petróleo.

2012. A Noble Energy dos EUA,  anunciou ter descoberto uma vasta reserva de gás natural ao largo da costa do Chipre grego, que está dentro de uma Zona Económica Exclusiva proclamada unilateralmente pela Grécia.

2012. Os Estados Unidos querem ser mediadores na repartição entre a Grécia e a Turquia da grande riqueza petrolífera.

Face à atitude da UE e da Alemanha (mais preocupados em destruir a economia grega), os EUA estão a preencher o vazio político, tentando “costurar” um acordo entre a Grécia e a Turquia sobre as fronteiras da plataforma continental submarina. Uma vez conseguido esse objetivo, não só as empresas americanas de petróleo e gás acedem a uma porta de entrada privilegiada nos dois países, como ainda os EUA se assumem como o fiel da balança na questão cipriota. Não será por acaso que Richard Morningstar, o responsável pela Política Energética Eurasiática dos EUA, foi tão enfático sobre os direitos de exploração do Chipre numa recente conferência em Atenas promovida pela revista The Economist:

Quanto ao Chipre e como já dissemos várias vezes, os Estados Unidos reconhecem o direito do Chipre a perfurar na sua zona offshore. Acreditamos também que as empresas americanas trazem incomparável experiência na exploração offshore, e apoiamos as suas propostas para fazerem o trabalho nesta região, como o fazemos noutras. Como já disse também, acreditamos que qualquer receita potencial dos futuros recursos de petróleo e gás no  Chipre devem ser equitativamente partilhados entre ambas as comunidades. A nossa mensagem fundamental tanto para a República de Chipre como para a Turquia reflecte a nossa política de longa data, que é apoiar os esforços cipriotas sob os auspícios da ONU para reunificar a ilha numa federação bizonal e bicomunal e encorajar os dois lados para chegarem a uma solução pacífica – esta questão poderia ajudar-nos  a chegar lá. Isso permitiria que o Chipre e outros países pudessem compartilhar os benefícios do Mediterrâneo Oriental (fonte)

2012 Primeiro-ministro turco convida Grécia para acordo de exploração de hidrocarbonetos

As tensões aumentaram no Mediterrâneo oriental com a crescente guerra de palavras entre Atenas, Ancara e Nicósia acerca das reservas de petróleo e gás da região. As disputas sobre os hidrocarbonetos encontrado nas águas da área, intensificaram-se após os líderes da Grécia, Chipre e Egipto terem assinado a 7 de Novembro de 2014, um acordo no Cairo para impulsionar a cooperação energética. (fonte)

Em 2016, a produção de ouro grego deverá ser superior ao da Finlândia. Devido à crise económica, Atenas está a acelerar a emissão de licenças de exploração dos seus ricos minerais.

Em 2016, a Grécia poderá tornar-se no primeiro o produtor de ouro da Europa, suplantando a Finlândia que é 40º produtor mundial. O país tem um potencial mineral significativo. A Grécia é já  o maior produtor europeu de bauxita – minério base que se encaixa na fabricação de alumínio – e perlita, uma pedra de sílica, produto utilizado na horticultura.

“A Grécia tem potencial de mineração para se tornar num grande produtor. Este país, estranhamente, permanece inexplorado devido à situação política que prevalece desde que a crise começou. Até as técnicas de exploração modernas nunca foram utilizadas aqui “, disse Jeremy , dono da Glory Resources à agência Bloomberg. (fonte)

 

ligne-rouge

Não é estranho, que os tais credores da Grécia, não queiram garantir o pagamento do que emprestaram, permitindo que a Grécia reúna as condições para começar a explorar os seu enormes recursos de petróleo, e em vez disso empurram o país o para caos? 

Caos, caos, estado necessário, para quem insaliva só de pensar no petróleo, ouro e afins gregos.

Notas: links e realces desta cor são da minha responsabilidade.

Advertisements

2 comments on “Grécia recebe tábua de salvação com BCE a concordar com € 3,3 bilhões de fundos extras de emergência

  1. Rafael
    19 de Fevereiro de 2015

    Algo offtopic, mas que achei interessante para acordar os tugas: https://www.youtube.com/watch?v=KexUDa6hj1A

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: