A Arte da Omissao

A história dos Rothschild – Parte 12

Continuação da linha do tempo:(1962)

1962: Frères de Rothschild estabelece a Imétal, (hoje imerys), empresa genérica para todos os seus interesses na mineração de minerais.

 Frederic Morton afirma no seu livro, The Rothschilds:

Embora controlem dezenas de corporações industriais, comerciais, mineração e de turismo não se vê o nome Rothschild nelas. Sendo parcerias público-privadas, a família nunca precisa nem precisará de publicar um único balanço público ou qualquer outro relatório financeiro.”

Esta atitude revela o verdadeiro objectivo dos Rothschilds, em eliminar toda a concorrência e criar o seu próprio monopólio em todo o mundo.

1963: No dia 4 de Junho, John F. Kennedy (35º Presidente dos Estados Unidos 1961-1963) assina a ordem executiva 11110 que devolveu ao governo dos EUA o poder de emitir moeda. Com esta resolução, a emissão de moeda deixa de passar pela Reserva Federal, propriedade dos Rosthchilds. 

A 22 de Novembro, Presidente Kennedy é assassinado pelos Rothschilds, pela mesma razão, que assassinaram o presidente Abraham Lincoln em 1865, (este também quis imprimir dinheiro americano para o povo americano, opondo-se ao benefício da guerra de moeda mercantilizada pela elite estrangeira).

Outro e, talvez o principal motivo para o assassinato de Kennedy, é o facto de ter deixado claro ao primeiro-ministro israelita David Ben-Gurion, que sob nenhuma circunstância concordaria que Israel se tornasse um Estado nuclear. O Jornal israelita Ha’aretz de 5 de Fevereiro de 1999, numa revisão do livro de Avner Cohen, “Israel and the Bomb,” refere:

“O assassinato do presidente John F. Kennedy trouxe um fim abrupto à enorme pressão que estava a ser aplicada pela administração dos EUA ao governo de Israel, no sentido de este  suspender o programa nuclear…O livro implícita que, se Kennedy permanecesse vivo, seria  duvidoso se hoje Israel teria a opção nuclear.” 

Edmond de Rothschild estabelece a Compagnie Financière Edmond de Rothschild (LCF), na Suíça, como casa de capital de risco. Mais tarde, torna-se numa empresa de gestão de activos e banco privado com muitos parceiros. Edmond casa com Nadine e têm um filho, Benjamin de Rothschild.

1965: Israel ilegalmente obtém urânio enriquecido da NUMEC.

1967: O tratamento infligido aos palestinos pelos judeus sionistas, finalmente desperta suficiente raiva no mundo árabe, Egipto, Jordânia e Síria. Estes três países são subitamente atacados por Israel, e como resultado, o Sinai que incluía a Gaza foi roubado ao Egipto e a Cisjordânia e o Rio Jordão, roubados à Jordânia.

A 8 de Junho, Israel lança um ataque ao USS Liberty com aviões israelitas e barcos a motor com torpedos, num esforço de culpar o Egipto e trazer os Estados Unidos para o seu lado na guerra, seguindo  à risca  o lema da Mossad. 

By Way Of Deception, Thou Shalt Do War / Através da fraude, farás Guerra”

Neste ataque morreram 34 militares americanos e 174 foram feridos. Israel mente como já é costume, alegando ter confundido o navio de guerra que navegava com uma grande bandeira dos Estados Unidos, por um antigo e já fora de serviço transportador de cavalos egípcio de El Quseir. Também afirmou que o navio estava em zona de guerra, quando na verdade estava em águas internacionais, longe de qualquer combate. O ataque de Israel a este navio de guerra durou 75 minutos, durante os quais atiraram a uma das bandeiras dos Estados Unidos, obrigando a que os marinheiros desesperadamente elevassem outra.

Na sequência deste ataque, os marinheiros americanos que sobreviveram receberam ordens militares para não discutirem o assunto com ninguém por motivos de “segurança nacional”. Esta história não tem quaisquer destaque nos mídia controlados pelos Rothschild e como de costume, Israel não foi repreendida pelos seus crimes pelo subserviente governo Américano.

No seguinte dia, 09 de Junho, Israel ocupa ilegalmente os Golan Heights que apreende à Síria. Esta área passa a fornecer a Israel um terço da sua água fresca. 

O General israelita Matityahu Peled, é citado no Ha’aretz (de 19 de Março de 1972), com a seguinte declaração:

“A tese de que o perigo do genocídio foi colocado sobre nós em Junho de 1967, e que Israel estava a lutar pela sua existência física é só bluff, nascido e desenvolvido após a guerra”. 

Frères de Rothschild Frères passa chamar-se  Banque Rothschild.

1968: Morre Noémie Halphen, esposa de Maurice de Rothschild.

1970: Enquanto trabalhava para o senador Henry “Scoop” Jackson, Richard Perle, judeu  Ashkenazi é capturado pelo FBI e fornece informações classificadas a Israel. Nada é feito.

O primeiro-ministro britânico, Edward Heath, coloca Victor Rothschild como chefe da sua unidade política. Enquanto ele está nesse papel, a Grã-Bretanha  entra na Comunidade Europeia.

1973: Gary Allen, no seu livro “None Dare Call It Conspiracy” afirma:

Uma das principais razões para o apagão histórico sobre o papel dos banqueiros internacionais na história política é o facto dos Rothschilds serem judeus…

 … Os membros judeus da conspiração usaram uma organização chamada The Defamation League (ADL) como instrumento para tentar convencer a todos que qualquer menção aos Rothschilds e seus aliados seria  um ataque a todos os judeus.

Desta forma reprimiram quase todas as bolsas honestas a banqueiros internacionais e fizeram mesmo que o assunto fosse tabu nas universidades.

Qualquer indivíduo ou livro que explore este assunto é imediatamente atacado por centenas de comunidades ADL espalhadas por todo o país. A ADL nunca deixou que a verdade ou a lógica interferisse com os seus postos de trabalho altamente profissionais…

…. Actualemente, ninguém tem o direito de estar mais indignado com a camarilha de Rothschild,  que os  seus companheiros judeus…

 … O império Rothschild ajudou a financiar Adolf Hitler. “

George J. Laurer,  empregado da IBM, controlada pelos Rothschilds, inventa o código de barras UPC (código Universal de produto) que eventualmente será colocado em cada item comercializado à escala mundial, onde ostenta o número, 666.

O livro de Apocalipse, Capítulo 13, versículo 17 a 18, afirma o seguinte em relação a esse número:

”E que ninguém possa comprar ou vender, excepto o que tiver a marca ou o nome da besta ou o número do seu nome. Aqui está a sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta: pois é o número de um homem e o seu número é seiscentos sessenta e seis. “

O projecto “Churchill Falls” de  N. M. Rothschild & Sons,  em Newfoundland, Canadá, está concluído.

S. M. Rothschild & Sons também criam uma  parte nova de gestão de activos da empresa que passa a ser comercializada a nível mundial. Mais tarde tornou-se na Rothschild Private Management Limited.

Edmond de Rothschild, neto de Jacob (James) Mayer Rothschild, comprou a propriedade burguesa  Château Clarke em Bordéus.

 1976: Harold Rosenthal, judeu Ashkenazi e assessor de outro judeu Ashkenazi, o senador Jacob Javits, disse: 

 “A maioria dos judeus não gosta de o admitir, mas o nosso deus é Lúcifer.” 

1978: Stephen Bryen, judeu Ashkenazi, funcionário do Senate Foreign Relations Committee,  foi visto num hotel de Washington DC a entregar documentos confidenciais a altos militares de Israel. Bryen obtém um advogado, Nathan Lewin e o caso segue para o júri, mas misteriosamente nada acontece. Bryen mais tarde vai trabalhar para Richard Perle

1979: O Tratado de paz entre o Egipto e Israel foi subscrito com a ajuda dos Estados Unidos, no valor anual de US $3 bilhões dos contribuintes americanos  pagos a Israel.

Shin Bet ( Agência de Segurança Interna de Israel) tenta penetrar no Consulado Geral Americano em Jerusalém através de um “Honey Trap / armadilha de mel”, onde usaram um funcionário clerical que estava tendo um caso com uma menina de Jerusalém.

1980: Começa o fenómeno global das privatizações. Os Rothschilds estão por trás desde o seu início, com o fim de assumirem o controle de todos os activos estatais mundiais.

Fonte:  http://www.rense.com/general88/hist.htm 

A história dos Rothschild – Parte 13

A história dos Rothschild – Parte 1  – A história dos Rothschild – Parte 2  –   A história dos Rothschild – Parte3 

A história dos Rothschild – Parte 4 –  A história dos Rothschild – Parte 5   –  A história dos Rothschild – Parte 6

A história dos Rothschild – Parte 7 – A história dos Rothschild – Parte 8   –  A história dos Rothschild – Parte 9

A história dos Rothschild – Parte 10 – A história dos Rothschild – Parte 11

Links, realces de frases  e comentários  são da minha responsabilidade

Advertisements

13 comments on “A história dos Rothschild – Parte 12

  1. Pingback: A história dos Rothschild – Parte 11 « A Arte da Omissao

  2. Guevara
    1 de Julho de 2012

    Confesso a minha total ignorância desta família, os Rothschild. Tenho acompanhado todos capítulos e espanto-me com o poder que adquiriu ao longo dos anos para deter o controle da economia mundial. E sem olhar a meios, como provocar guerras, ou assassínios selectivos como o caso dos dois presidentes americanos.
    Curiosamente, tem acontecido episódios na política portuguesa, que encaixam na ideologia dos Rothschild parecendo serem obra dos seus tentáculos.
    Este capítulo, o 12º, termina com um dado datado de 1980 e cuja finalidade era os Rothschild assumirem o controle dos activos estatais de todo o mundo com as privatizações.
    Ora em Portugal as privatizações das mais importantes empresas estão na ordem do dia. Das duas uma: Ou é apenas coincidência, ou então temos a manápula dos Rothschild nos destinos do país. E assim sendo, pergunto: Quem serão os judeus asquerosonazi* (*a tradução é minha) que temos no governo português?

    Gostar

    • urantiapt
      1 de Julho de 2012

      Nuvem Rothschild

      Não consigo responder a essa pergunta. Mas acho que neste momento, a União Europeia como um todo está a ser espremida. É necessário criar a discórdia. O que se vê? Uns países nascem com o rabo virado para o sol e outros para a Lua. Os bancos centrais são deles! Assistimos ao “empurrar” da Espanha para pedir dinheiro emprestado, não foi?
      Eles usam estratégias simples. Mario Monti, Mario Draghi, Lucas Papademo são ex goldman sachs. António Borges, outro ex goldman sachs está a liderar as nossas privatizações. Passos Coelho está comprado, não restam dúvidas.
      http://economico.sapo.pt/noticias/os-negocios-do-goldman-sachs-com-portugal_129105.html
      http://doportugalprofundo.blogspot.pt/2012/06/goldman-sachs-promiscuidade-bancario.html
      Algum negócio os criminosos de colarinho branco de Portugal têm com esta máfia, para pretenderem rapidamente nos fazer voltar à pré-história.
      Mas nós temos culpa no cartório. Continuamos a alimentar o oxigénio deles com o nosso consumismo e com o alinhar nas tretas bancárias que “oferecem”.
      A Caixa Geral de Depósitos vai lançar agora uma campanha – plano Caixa Família- a “incentivar” as famílias a juntarem as suas contas poupança numa só, para obterem maiores rendimentos e garantias.
      Veja quanto ganhará o Banco se os elementos das famílias forem na cantiga? Nem reparam que a banca continua a não ajudar as micro e médias empresas portuguesas.
      Estamos rodeados de corruptos, bancos, governos, justiça ….
      Esta parte da história deveria ser obrigatória. Já não vamos a tempo limpar a corrupção da geração actual, mas poderíamos tentar pelo menos que as vindouras fossem mais resistentes.

      Gostar

    • voza0db
      1 de Julho de 2012

      Olá… De entre as várias Famílias que dominam as Sociedades Ocidentais (estas principalmente) não é à toa que a Família Rothschild tem uma sucursal cá na “santa terrinha”… De resto a pergunta é de resposta difícil pois este tipo de informação (origem judaica) está bem camuflada e guardada pela Máfia Governante faz TEMPO… Deve ser para disfarçar devido ao ouro dos NAZI’s (e dos próprios Rothschild’s unha e carne com eles) que por cá guardamos!

      Gostar

  3. M. Cezar
    1 de Julho de 2012

    Se é facto que a actual Crise Européia não passa de um dos vários planos fomentados pelos membros Rothschilds para estabelecer de vez uma única Ordem Mundial, oque fazer então? A nossa única salvação está justamente no problema! Grécia, Espanha… esperando a ajuda econômica dos países da União Européia sendo que, os próprios países em crise estão governados, controlados pelos corruptos que fazem parte do esquema. Logo, não existe pátria, não existe nação, o governo é uma mentira, oque não devia ser.

    É por esse motivo que a corrupção nunca vai acabar no Brasil por exemplo, mas não somente pelo facto de que o próprio povo brasileiro permite que este país seja o mais corrupto do mundo, mas também porque os nosso próprios governantes fazem parte da elite conspiratória. Os Rothschilds estão presentes no Brasil… em Portugal… no Estados Unidos… na Espanha… na França… Alemanha… Inglaterra… Russia…

    Logo vejo isso como um beco sem saída. Parece que por durante todo esse tempo, mesmo com toda essa evolução e progresso na história humana, nunca deixamos de ser oque sempre fomos: Primatas!
    – “O Governo foi feito para fazer justiça e defender os mais fracos”. Conversa… só os mais fortes prevalecem, essa é a parte triste da realidade!

    Gostar

    • urantiapt
      1 de Julho de 2012

      Entendo o dilema. Eu também o sinto. Temos que passar aos outros esta história que faz parte da História. Como disse num comentário anterior, como poderemos preparar gerações menos receptivos à corrupção se lhes é ocultada a história mais macabra de corrupção dos últimos séculos.

      Daí a minha contribuição é passar simplesmente a palavra.

      Gostar

  4. Pingback: A história dos Rothschild – Parte 13 « A Arte da Omissao

  5. Pingback: 651… « O Tempo Chegou… de BOICOTAR o PRESENTE.

  6. Pingback: A história dos Rothschild – Parte 14 « A Arte da Omissao

  7. Pingback: A história dos Rothschild – Parte 15 « A Arte da Omissao

  8. ulysses freire da paz jr.
    5 de Agosto de 2013

    MALCON X alertava que “Se vc. não for CUIDADOSO, a imprensa ( o 4º PODER) te fará ODIAR os oprimidos e AMAR OS OPRESSORES.

    O período que precedeu a Primeira Guerra assistiu a uma série de eventos em que as personalidades eram manipuladas, sendo os piores nesse quesito os jornais britânicos e americanos.

    Como em todas as guerras, ALGUÉM PRECISA SER ENDEMONIZADO PARA QUE O PÚBLICO SE ENVOLVA.

    Em 1913 foi o Kaiser Guilherme II da Alemanha que foi endemonizado antes, durante e depois da guerra. Um dos principais criadores da propaganda da época era Lord Northcliffe, oconhecido barão da imprensa, parente dos Rothschilds, detestava a Alemanha. Northcliffe dirigia a Wellington House como um grande centro de propaganda antialemã e guardava um ódio especial a Guilherme II.
    Mesma estratégia sofreram o Paraguai de Solano Lopes (primeiro país latino a eliminar o analfabetismo, possuir fundição, estrada de ferro e não depender do capital internacional), o nacional socialismo alemão( criador do primeiro carro popular ….) , e a Libia de Muamar Al Cadafi e suas CRUELDADES veladas pela mídia

    Assim foi a crueldade de Kadafi

    Os “sofrimentos” que o tirano (segundo a mídia ocidental pró-americana) provocou durante 4 décadas:
    1. Não havia conta de luz na Líbia, porque a eletricidade era gratuita para todos.
    2. Créditos bancários, dos bancos estatais, eram sem juros (para todos, por lei expressa).
    3. Casa própria era considerada direito humano, universal, e o governo fornecia uma casa ou apartamento para cada família.
    4. Recém casados recebiam US$ 50.000,00 para comprar casa e iniciar a vida familiar.
    5. Educação e saúde eram gratuitas, da pré-escola à universidade. Antes de Kadafi: 25% dos líbios eram alfabetizados. Até o ano de 2010, 83% eram alfabetizados.
    6. Agricultores iniciantes recebiam terra, casa, equipamentos, sementes e gado gratuitamente.
    7. Quem não encontrou formação ou tratamento desejados recebia financiamento para ir ao exterior, adicionalmente US$ 2.300,00 mensais para moradia e carro.
    8. Na compra de automóvel, o estado contribui com subvenção de 50%.
    9. O preço de gasolina, o litro: 0,10 Euro = R$ 0,23.
    10. Faltando emprego após a formação profissional, o estado pagava salário médio da classe até conseguir a vaga desejada.
    11. A Líbia não tinha dívida externa – as reservas de U$ 150 bilhões. Após a ocupação os valores foram retidos ou desviados pelos bancos estrangeiros, incluindo investimentos em bancos estrangeiros e reservas em ouro.
    12. Parte de toda venda de petróleo era diretamente creditada na conta de cada cidadão.
    13. Mãe que dava a luz, recebia US$ 5.000,00.
    14. 25 % da população líbia tem curso superior.
    15. Kadafi construiu o projeto GMMR (O Grande Rio Artificial), transportando água dos lençóis subterrâneos do Rio Nilo para as cidades e agricultura, irrigando as principais cidades do país e parte do deserto.

    “Graças, à Otan e aos “rebeldes”, o povo líbio está livre de tudo isto”.

    A VERDADE É O QUE MENOS IMPORTA, vale tudo, desde que a vitória seja assegurada.

    Basta ler, de John Coleman: “O INSTITUTO TAVISTOCK DE RELAÇÕES
    HUMANAS” ; “O COMITÊ DOS 300”; “O CLUBE DE ROMA”

    Salvador Borrego: “DERROTA MUNDIAL”; “INFILTRAÇÃO MUNDIAL”

    Aos mais ‘desapegados’ e, por conseguinte, corajosos, há ainda a perspectiva de se pesquisar as razões que fundamentam a tese de MIGUEL SERRANO, entitulada: “O ÚLTIMO AVATAR”

    Carpe Diem

    Gostar

  9. Tatily Moraes
    26 de Abril de 2015

    Quem nunca se perguntou porque os EUA, país tão poderoso faz questão de apoiar Israel, enquanto outras potências aparentemente não o fazem?
    Eis o motivo: Rothschild

    Gostar

  10. Pingback: A história dos Rothschild – Parte 15 | A Arte da Omissao

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: