A Arte da Omissao

Big Oil está em grande dificuldades

Segundo o EcoWatch  na sexta-feira passada, a maior companhia de petróleo do mundo, a Exxon, anunciou que vai ter que cortar em 19% as suas reservas comprovadas. Será a maior revisão de reservas na história da indústria de petróleo, que só por si é um sinal que a Big Oil está em grande dificuldade.

Ao longo dos anos, não faltaram avisos  de que o modelo de negócios da Big Oil era fundamentalmente defeituoso e não só  colocava o clima em risco, como milhões de dólares  dos acionistas. Há anos que  os críticos da indústria do petróleo advertem que ela ignora os riscos das mudanças climáticas e só se preocupa em continuar com a perfuração. 

Mas os homens do petróleo  fizeram o que os  homens do petróleo fazem: encontrá-lo bem como ao gás, não importam as consequências. E a pior companhia petrolífera foi a Exxon, que há décadas nega as mudanças climáticas e o impacto das mesmas nos seus negócios.

Durante décadas, poderia ter investido com sabedoria em energias renováveis, mas continuou procurando petróleo e gás – incluindo o  óleo não convencional, que é ainda mais intensivo em carbono do que o petróleo convencional. Os seus críticos advertiram que era pura loucura: mas os petroleiros continuaram a perfurar de qualquer maneira. refere a EcoWatch 

Os avisos continuaram, mas a Exxon não ouviu. A Oil Change International, 350.org, Carbon Tracker  entre muitas, dizem há anos que as grandes faixas das reservas de petróleo devem permanecer no solo e que as reservas de combustíveis fósseis se iriam tornar em “ativos perdidos”.  

Com o acordo de Paris sobre o clima, a empresa que mais perde é a Exxon.

A Chicago Tribune refere no artigo “Exxon entra na terra de ninguém” que a Exxon é a empresa que mais perde, com o acordo de Paris sobre as alterações climáticas.

“Há anos que as grandes companhias petrolíferas têm sido investimentos sólidos, com um modelo de negócio simplesmente enganoso: encontrar pelo menos tanto petróleo novo como o que se vende, reservar esses barris como vendas futuras e reinvestir na busca de novas reservas. Os preços do petróleo subiram, mas bloqueou as empresas num ciclo vicioso de reabastecimento, levando-as a buscar fontes cada vez mais extremas e caras de petróleo bruto no Ártico e abaixo dos oceanos “.

“O petróleo barato parou este negócio frio e a ameaça das acções clmáticas levanta a pergunta fundamental, se será viável outra vez.” – pode ler-se no Chicago Tribune.

Numerosas organizações,  nos últimos dezoito meses têm levantado a questão da viabilidade a longo prazo. No ano passado, a Agência Internacional de Energia, argumentou que dois terços das reservas conhecidas teriam de permanecer não queimadas, se quiserem manter a mudança climática nos limites acordados em Paris.

Mas a Exxon continuou a perfurar. No ano passado, o Citigroup emitiu um relatório onde alertou que as políticas para limitar as mudanças climáticas poderiam tornar vastas áreas de reservas de companhias de petróleo sem valor, levando-as a perdas no valor de triliões. Mas a Exxon ignorou os avisos (é o que costumam fazer os grandes poderosos que se consideram deuses-NdT)

Também em Maio deste ano, a Chatham House, com sede em Londres, alertou num relatório intitulado “A Morte do Modelo antigo de Negócio”, que as maiores companhias de petróleo do mundo “Enfrentam a escolha de gerirem o declínio suavemente com redução de pessoal ou arriscam um rápido colapso ao tentarem continuar o negócio como de costume. “

É importante ressaltar que a maior parte das reservas reservadas da Exxon, cerca de 3,6 bilhões de barris, estarão no projecto sujo Kearl oil sands da empresa Kearl, no Canadá,  A redução representaria mais de três quartos das reservas. Não só as areias de alcatrão são muito intensivas em energia, como a sua produção é muito cara. Num mundo com restrições de carbono e preços baixos do petróleo, são ativos encalhados.

“Para as areias de petróleo, este é um ponto de inflexão”, argumentou Andrew Logan, diretor do programa de petróleo e gás da Ceres. “Por que razão as empresas vão investir agora bilhões de dólares em projecto novos de areias petrolíferas agora, dada a quase certeza de que o mundo irá afastar-se dos combustíveis fósseis, durante as décadas que levará  o projeto a ter retorno?”.

De fato, dois dias antes do anúncio de sexta-feira, um outro artigo da CNN Money observou o quanto a gigante do petróleo enfrenta: “As acções da Exxon cairam 17% em relação ao pico de 2014 a meio da queda dos preços do petróleo. Os lucros da gigante do petróleo caíram para mínimos de 17 anos e a sua classificação de crédito  AAA  evaporou-se “.

O anúncio de sexta-feira é mais uma prova de que estamos a presenciar o início do fim da era do petróleo.

(fonte)

Sim, acredito que está em marcha o fim da era do petróleo, mas também diria, que a BIG OIL envenenou-se no seu próprio veneno. Espero ansiosamente pelo mesmo noutras áreas de negócio também BIG.

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 6 de Novembro de 2016 by in declínio BIG OIL and tagged , .

Navegação

Categorias

Faça perguntas aos membros do Parlamento Europeu sobre o acordo de comércio livre, planeado entre a UE e o Canadá (CETA). Vamos remover o secretismo em relação ao CETA e trazer a discussão para a esfera pública!

%d bloggers like this: