A Arte da Omissao

a caminho de uma “Primavera Latina”?

Tradução do artigo “Vers un « printemps latino » ?” de Thierry Meyssan

A preocupação cresce na América Latina: os Estados Unidos e o Reino Unido estão a preparar uma “primavera”, inspirados nas “primaveras árabes”. Claro que desta vez, não se trata de espalhar uma guerra através da divisão de pessoas com base na linha religiosa – os latinos são quase todos cristãos – mas sim de utilizar elementos de identidades locais. O objectivo será, no entanto, o mesmo: não o de substituir governos por outros, mas destruir Estados para erradicar qualquer possibilidade de resistência ao imperialismo.

| Caracas (Venezuela) | 16 de Maio de 2017

JPEG - 42 kb

Com o tempo, muitos líderes políticos do mundo têm reinterpretado a “Primavera Árabe”.

O que pareciam ser revoluções espontâneas contra governos autoritários, são agora percebidos como o que realmente são: um plano anglo-saxão de desestabilização de toda uma região do mundo para colocar no poder a Irmandade Muçulmana.

A memória da “Revolta Árabe de 1916”, durante o qual Lawrence da Arábia levantou toda a região contra o Império Otomano, alimentando os sonhos de liberdade do povo, com o fim, de os submeter ao Império Britânico – mostra que Londres é especialista.

Parece que os anglo-saxões preparam uma nova vaga de pseudo revoluções na América latina. Tudo começou com um decreto de Barack Obama, a 9 de Março de 2015, onde foi declarado o Estado de Emergência, dada a extraordinária ameaça que a situação da Venezuela representaria para os EUA.

Este documento suscitou uma vaga de indignação no continente contra o presidente dos Estados Unidos, que o obrigou a apresentar um pedido de desculpas a quando de uma cimeira internacional. Mas o decreto não foi cancelado e os preparativos para uma nova guerra continuaram.

Ao contrário da Lei de Responsabilidade Síria de George W. Bush (2003), o texto de Obama sobre a Venezuela é um decreto presidencial e não uma lei. Por conseguinte, o executivo não tem que prestar contas dos preparativos ao legislativo. Se aos Anglo-Saxões levaram oito anos para passarem à acção no mundo árabe, em geral, e na Síria em particular, inúmeros elementos sugerem que lhes bastará menos tempo para lançarem um programa de destruição da América Latina.

A agitação irrompeu no Brasil, por ocasião dos Jogos Olímpicos, contra a presidente Dilma Rousseff. Ela foi deposta no final de um processo parlamentar, embora legal, mas completamente contrário ao espírito da Constituição. O golpe de Estado foi realizado sob a supervisão do Banco Central – cujo nº 2 era um brasileiro-israelita – por deputados, muitos dos quais hoje, foram condenados por corrupção. Os Serviços da Segurança do Estado permaneceram estranhamente passivos durante o golpe. Porque, durante os Jogos Olímpicos, eles foram colocados sob a coordenação… de especialistas israelitas. Actualmente, o novo presidente, o brasileiro-libanês Michel Temer, é altamente contestado.

A situação não é muito melhor no México. O país, de facto, já está dividido em quatro. O Norte com um forte crescimento, enquanto o Sul está em recessão. Os líderes políticos venderam a companhia nacional do petróleo e todas as suas reservas, a Pemex, aos Estados Unidos (que já não têm necessidade do petróleo do Oriente Médio). Apenas o exército parece ainda acreditar na pátria.

A oposição venezuelana, ao explorar os erros económicos do governo, conseguiu organizar algumas grandes manifestações pacíficas. Simultaneamente, organizou pequenos comícios extremamente violentos onde morreram polícias e manifestantes. As agências noticiosas internacionais criam a confusão ao darem a impressão de se tratar de revolução iniciada contra os chavistas, o que não é o caso.

Assim, os três principais Estados latino-americanos estão ao mesmo tempo desestabilizados. Parece que os neoconservadores dos Estados Unidos, antecipam uma possível paz na Síria e aceleram o seu projecto latino-americano.

Na sexta-feira (12 de Maio 2017 – Ndt), num discurso transmitido pela televisão, o presidente venezuelano Nicolás Maduro avisou o seu povo contra o projecto anglo-americano, uma “primavera latina”. Repetidamente e extensivamente citou os casos da Líbia e Síria, perante uma plateia de intelectuais da região, à qual, sírio de coração,  me associei.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 24 de Maio de 2017 by in América Latina, Brasil, México, Primavera Latinas, USA, Venezuela and tagged , , .

Navegação

Categorias

%d bloggers like this: