A Arte da Omissao

ACORDEM

Os exércitos secretos da NATO – A GUERRA SECRETA EM ESPANHA – 1ª parte

Exércitos secretos da NATO ligados ao terrorismo?

NATO’s Secret Armies (“Os Exércitos Secretos da Nato”), foi publicado em 2005 pelo investigador suíço Daniele Ganser, professor de História Contemporânea na Universidade da Basileia. Nele, apresenta ao mundo  como ao longo de 50 anos os Estados Unidos da América, prepararam e executaram diversos atentados na Europa Acidental, atribuindo a responsabilidade à esquerda anti-imperialista, tendo como único objectivo, desacreditar a resistência europeia perante os próprios europeus no contexto da Guerra Fria. Segundo o autor, não há garantias que a estratégia tenha ficado para trás. Pelo contrário, o estratagema da “guerra contra o terror” continua a ser usado nos dias de hoje.

Nesta Obra, Ganser descreve as operações clandestinas da NATO durante a guerra fria. A sua investigação foi despoletada por uma história que fez as manchetes do mundo em 1990, mas que rapidamente desapareceu, assegurando que mesmo hoje os exércitos secretos da NATO permaneçam isso mesmo – secretos. Até agora, nenhuma investigação completa aos exércitos secretos da NATO foi levada a cabo – uma tarefa que Ganser resolveu empreender sozinho e com bastante sucesso.

Nota: links dentro de «» e realces desta cor são da minha responsabilidade

A GUERRA SECRETA EM ESPANHA

Na Espanha, a batalha da direita militante contra os comunistas e a esquerda foi travada não clandestinamente, mas como uma guerra aberta e brutal, que durou três anos e levou a um total de 600.000 baixas, igualando-se às da Guerra Civil Americana. O historiador Victor Kiernan observou sabiamente que um ‘exército, supostamente protector da nação, pode realmente ser um cão de guarda treinado para morder alguns dos que estão sob sua protecção’.

Kiernan, obviamente, poderia estar a falar sobre os exércitos stay-behind. Mas ele fez esta observação ao descrever o início da Guerra Civil Espanhola, que começou em 17 de Julho de 1936, quando um grupo de conspiradores do exército tentou tomar o poder para as suas próprias mãos, pois ‘os generais espanhóis, como os seus primos sul-americanos, tinham hábitos tenazes de intervenção na política.’ (1)

O golpe militar do general Franco e seus associados veio depois de um governo reformista esquerdista de Manuel Azana que venceu nas urnas em 16 de Fevereiro de 1936 e, que deu início a vários projectos, muitos dos quais beneficiaram os membros mais fracos da sociedade. Ainda assim, aos olhos do poderoso exército mal controlado, a Espanha depois das eleições estava a cair no abraço de socialistas, comunistas, anarquistas e queimadores de igrejas. Muitos nas forças militares estavam convencidos de que tinham de salvar a nação da ameaça vermelha do comunismo que, durante os mesmos anos na União Soviética sob Stalin, levou a falsos julgamentos e assassinatos em grande escala.

Os historiadores, incluindo Kiernan, foram menos generosos nas suas avaliações do início da Guerra Civil Espanhola. Para eles, ‘o certo e o errado não podiam ser mais claros … Havia uma simplicidade clássica na Espanha. Um governo eleito democraticamente foi derrubado pelo exército. As linhas de batalha estavam claras. De um lado estavam os pobres e contra eles estavam o fascismo, os grandes negócios, os proprietários de terras e a igreja.’ (2)

Enquanto na Grécia em 1967 o golpe militar estabeleceu o poder das forças armadas em menos de 24 horas, na Espanha, em Julho de 1936, a oposição civil ao golpe militar foi tão massiva que a república lutou durante três anos antes da instalação da ditadura militar de Franco.

A batalha foi longa e intensa, não apenas porque grandes segmentos da população espanhola pegaram em armas contra os militares espanhóis, mas também porque se formaram espontaneamente 12 chamadas Brigadas Internacionais para fortalecer a resistência republicana a Franco. Jovens e mulheres idealistas, vindos de mais de 50 países ao redor do mundo, num momento único na história da guerra, ofereceram-se para se juntar às Brigadas Internacionais, que eventualmente chegaram a cerca de 30.000-40.000 membros. A maioria deles eram trabalhadores, mas também professores, enfermeiras, estudantes e poetas que pegaram um trem para a Espanha.

‘Foi muito importante estar lá’, referiu a enfermeira «Thora Craig», nascida em 1910 na Grã-Bretanha, ‘um pouco de história e de ajuda. Foi a parte mais importante da minha vida.’ Plasterer Robert James Peters, nascido em 1914, declarou para o registo: ‘Se alguma vez fiz algo útil na minha vida, esta foi de certeza uma delas.’ (3)

No final, os socialistas e comunistas espanhóis, juntamente com as Brigadas Internacionais, não conseguiram impedir o golpe de Franco porque Hitler e Mussolini apoiaram o general fascista, enquanto os governos da Grã-Bretanha, França e Estados Unidos optaram pela não intervenção. Eles temiam o comunismo espanhol mais do que um ditador fascista espanhol e, portanto, silenciosamente consentiram com a morte da república espanhola.

Embora no contexto do prelúdio da Segunda Guerra Mundial, muito tenha sido escrito sobre o fracasso do primeiro-ministro britânico Chamberlain e do primeiro-ministro francês Daladier em parar Hitler e Mussolini em Munique em Setembro de 1938, o apoio silencioso de Londres e Paris aos italianos e o anticomunismo alemão na Espanha e além atraiu muito menos atenção.

Enquanto a União Soviética armava os republicanos espanhóis, Hitler e Mussolini enviaram mais de 90.000 soldados alemães e italianos treinados e armados para a Espanha. Além disso, a força aérea alemã lançou horrores sobre a Espanha, facto imortalizado na pintura de protesto de Pablo Picasso da vila de Guernica bombardeada pelos nazis.

Posteriormente, em 27 de Fevereiro de 1939, o governo britânico encerrou a luta da República Espanhola ao anunciar o reconhecimento de Franco como o líder legítimo da Espanha. Hitler e Mussolini haviam assegurado o seu flanco ocidental e concordaram com Franco que a Espanha permaneceria neutra durante a Segunda Guerra Mundial.

Como a luta contra o comunismo continuou em grande escala com as repetidas invasões de Hitler à União Soviética, todas as quais falharam, mas que levaram a um terrível número de mortos, o ditador Franco devolveu o favor a Mussolini e Hitler e enviou a sua Divisão Azul para lutar com as Wehrmacht (forças armadas unificadas da Alemanha Nazi de 1935 até 1945 – Ndt) na frente russa.

Depois da Segunda Guerra Mundial, a luta contra os comunistas na Europa Ocidental foi muitas vezes referida como a luta contra as “quintas colunas”. O termo originalmente referia-se a exércitos fascistas secretos e teve origem na Guerra Civil Espanhola, onde foi cunhado por Emilio Mola, General de Franco.

Quando, em Outubro de 1936, três meses após o golpe militar, Madrid, a capital da Espanha, ainda era mantida pelos republicanos e pelas Brigadas Internacionais, Franco ordenou ao seu general Mola que conquistasse a capital com força esmagadora e através de uma guerra secreta. Poucas horas antes do ataque, Mola, numa lendária operação de guerra psicológica, anunciou à imprensa que tinha quatro colunas do exército à espera fora da cidade, mas, além dessas, tinha uma ‘Quinta Coluna’ de partidários de Franco dentro de Madrid.

Sem uniformes nem insígnias e movendo-se entre o inimigo como os peixes se movem na água, os membros secretos dessa ‘Quinta Coluna’ seriam os mais perigosos, como afirmou Mola. A estratégia deu certo, espalhou-se o medo e confusão entre os comunistas e socialistas da cidade. ‘A polícia começou ontem à noite uma busca casa em casa por rebeldes em Madrid’, o New York Times relatou a busca pela misteriosa Quinta Coluna um dia após a conferência de imprensa de Mola. As ordens para esses ataques ‘foram instigadas aparentemente por uma transmissão recente na estação de rádio rebelde pelo General Emilio Mola. Afirmou que contava com quatro colunas de tropas fora de Madrid e outra coluna de pessoas escondidas na cidade que se juntariam aos invasores assim que entrassem na capital.’ (4)

Embora o ataque de Mola tenha sido derrotado, o medo da Quinta Coluna secreta da direita permaneceu durante a guerra. Mike Economides, um comandante cipriota nas Brigadas Internacionais, costumava informar a todos os recém-chegados que a guerra em Espanha estava a ser travada em duas frentes, ‘o inimigo na frente e a Quinta Coluna na retaguarda’. (5)

O termo ‘Quinta Coluna’ sobreviveu à Guerra Civil Espanhola e desde então tem sido usado para designar exércitos secretos ou grupos armados subversivos que operam clandestinamente na zona de influência de um inimigo. Durante a Segunda Guerra Mundial, Hitler estabeleceu a Quinta Coluna nazi que, como exércitos secretos na Noruega e além, preparou e apoiou a invasão do exército regular alemão…

Quando a Alemanha foi derrotada, o Ocidente e a NATO mudaram o significado da direita política para a esquerda política e usaram o termo ‘Quinta Coluna’ no contexto da Guerra Fria para designar os exércitos secretos dos comunistas.

Em breve, especialistas em guerra secreta denunciaram ‘a disposição do Mundo Livre em permitir que as quintas colunas comunistas florescessem no seu meio’. (6) Somente quando o escândalo de Gladio foi descoberto em 1990 que talvez a maior rede de quintas colunas secretas tenha até hoje permanecido como a rede stay-behind (que fica por trás- Ndt) da NATO.

Franco governou com mão de ferro e entre 1936 e a morte do ditador em 1975, não foram realizadas eleições livres na Espanha. No meio de prisões arbitrárias, falsos julgamentos, torturas e assassinatos, o perigo dos comunistas ou socialistas ganharem posições de influência permaneceu mínimo. Assim, quando no final de 1990 Calvo Sotelo, primeiro-ministro espanhol de Fevereiro de 1981 a Dezembro de 1982, foi questionado sobre a existência da Gladio na Espanha, ele observou com amarga ironia que durante a ditadura de Franco ‘Gladio foi o próprio governo’.

Alberto Oliart, ministro da Defesa durante o governo de Sotelo, fez o mesmo quando declarou ser ‘infantil’ alegar que um exército secreto anticomunista tinha sido instalado na Espanha nos anos 1950 porque ‘aqui o governo era o Gladio’. (7)

No contexto da Guerra Fria, Washington não abraçou logo as mãos ensanguentadas de Franco. Muito pelo contrário, depois da morte de Hitler e Mussolini, segmentos do Escritório de Serviços Estratégicos  dos Estados Unidos, OSS, consideraram lógico que, como culminação do combate antifascista, o ditador Franco fosse removido.

E, portanto, em 1947, enquanto a CIA estava a ser criada, o OSS deu início à ‘Operação Banana’. Com o objectivo de derrubar Franco, os anarquistas catalães foram equipados com armas e desembarcaram nas margens da península. No entanto, não parece ter existido um consenso anglo-saxão sólido sobre remover Franco, já que segmentos em Washington e Londres o consideravam um activo valioso. No final, o MI6 britânico entregou a Operação Banana ao serviço secreto de Franco. Os subversivos foram presos e o contragolpe falhou. (8)

Franco fortaleceu a sua posição internacionalmente quando em 1953 selou um pacto com Washington e permitiu que os Estados Unidos posicionassem mísseis, tropas, aviões e antenas para («SIGINT» (signals intelligence-Ndt)) em solo espanhol.

Em troca, os Estados Unidos providenciaram para que a Espanha de Franco, contra a oposição de muitos países, incluindo principalmente a União Soviética, pudesse superar o seu isolamento internacional ao tornar-se membro da Organização para a Paz Mundial, ONU, em 1955.

Como um sinal público de apoio ao ‘baluarte espanhol contra o comunismo’, o ministro dos Negócios Estrangeiros dos EUA John Foster Dulles, irmão do director da CIA Allen Dulles, reuniu-se com Franco em Dezembro de 1957 e com a ajuda de confiança de Franco, o oficial da marinha Carrero Blanco, cultivou depois habilmente os contactos da ditadura com a CIA. No final da década de 1950, ‘os laços fortaleceram-se, tornando a comunidade do serviço secreto de Franco um dos melhores aliados da CIA na Europa’. (9)

Franco, junto com uma série de ditadores da América Latina, tornou-se aliado de Washington. Dos andares superiores da embaixada americana em Madrid, atrás das portas hermeticamente fechadas do chamado Office of Political Liaison, o chefe da estação da CIA e sua equipe de acção clandestina observaram de perto e influenciaram a evolução da vida política na Espanha.

Franco à maneira de um oligarca clássico aumentou a sua riqueza e conservou o seu poder construindo uma pirâmide de privilégios e corrupção. Os seus principais generais tinham permissão para ganhar milhões com negócios duvidosos, seus oficiais, por sua vez, recebiam a sua parte, e assim por diante. Toda a estrutura do poder militar foi cooptada pelo Caudillo e dependia dele para a sua sobrevivência. (10)

Nesse contexto, o aparato militar e do serviço secreto floresceu fora de controlo e engajou-se no comércio de armas, tráfico de drogas, tortura, terror e contra terrorismo. Uma curiosidade constitucional, sob a ditadura de Franco, a Espanha totalitária apresentava não um único Ministério da Defesa, mas três, um para o Exército, outro para a Força Aérea e outro para a Marinha. Cada um desses três ministérios da Defesa mantinha o seu próprio serviço secreto militar: Segunda Seccion Bis of the Army, Segunda Seccion Bis of the Air Force e Servicio Informacion Naval (SEIN) for the Navy.

Além disso, os chefes do Estado-Maior espanhol (Alto Estado Mayor, AEM), colocados directamente sob o comando de Franco, também administravam o seu próprio serviço secreto, o SIAEM (Serviço de Informação do Alto Estado Maior). Além disso, o Ministério do Interior também operava dois serviços secretos, o Direction General De Seguridad (DGS) e a Guardia Civil. (11)

Em 1990, foi revelado que segmentos dos serviços secretos espanhóis, juntamente com a CIA, administravam uma célula Gladio espanhola em Las Palmas, nas Ilhas Canárias espanholas, no Atlântico. A base teria sido estabelecida já em 1948 e funcionou durante as décadas de 1960 e 1970. Acima de tudo, membros do serviço secreto Buro Segundo Bis teriam estado fortemente envolvidos na rede stay-behind.

Andre Moyen, um agente aposentado de 76 anos que de 1938 a 1952 foi membro do serviço secreto militar belga SDRA, alegou que o serviço secreto do Seccion Bis of the Army sempre esteve ‘bem actualizado sobre o Gladio.’ (12)

O investigador francês Faligot apoiou esta afirmação e destacou que o exército secreto espanhol na década de 1950 tinha sido comandado pelo cônsul holandês Herman Laatsman, ‘intimamente ligado, assim como a sua esposa, a Andre Moyen’ (13).

Outra confirmação veio da Itália, onde o coronel Alberto Vollo testemunhou em 1990 ‘que nas décadas de 1960 e 1970 em Las Palmas, nas Ilhas Canárias, existia uma base de treino Gladio, administrada por instrutores americanos. No mesmo local existiam também instalações «SIGINT» dos Estados Unidos. (14)

Andre Moyen foi entrevistado por jornalistas do jornal comunista belga Drapeau Rouge. Com o fim da Guerra Fria, Moyen confirmou aos seus ex-adversários que durante os seus anos activos estivera intimamente envolvido na operação Gladio e em operações secretas contra os partidos comunistas em vários países. O ex-agente mostrou-se surpreso pelo facto dos serviços secretos da Espanha não terem sido investigados mais de perto, pois ele sabia em primeira mão que tinham desempenhado ‘um papel fundamental no recrutamento de agentes para o Gladio’.

De acordo com o próprio depoimento de Moyen, o ministro do interior belga Vleeschauwer enviou-o em Setembro de 1945 ao seu colega italiano, o ministro do interior Mario Scelba, com a tarefa de encontrar maneiras de evitar que os comunistas chegassem ao poder.

Posteriormente, a França também se interessou e o ministro do interior francês, Jules Moch, ligou Moyen ao director da SDECE (Service de Documentation Extérieure et de ContreEspionnage -NdT), Henri Ribiers. Com muita sensibilidade, Moyen, de acordo com o seu próprio testemunho em 1950 e sobre o mesmo contexto, disse que também se reuniu com oficiais militares de alta patente na Suíça neutra. (16)

Moyen testemunhou que os seus primeiros contactos com a sucursal espanhola da rede Gladio ocorreram em Outubro de 1948, quando ‘uma célula da rede operava em Las Palmas’ nas ilhas Canárias espanholas no Atlântico.

Moyen, o agente da SDRA (serviço secreto militar belga – Ndt), teria sido enviado às Ilhas Canárias para investigar uma fraude que envolvia combustíveis que tinham sido transportados de navio da Bélgica para o Congo através das Ilhas Canárias.

‘A fraude’, testemunhou Moyen, ‘enriqueceu as autoridades espanholas de alto nível e, além disso, descobrimos um grande comércio de drogas’. Quando o negócio secreto das drogas foi denunciado pela Bélgica, o ditador Franco enviou ‘dois agentes do Buro Segundo Bis‘ do estado-maior militar para ajudar nas investigações. ‘Eram homens bem informados, que me ajudaram muito’, lembra Moyen, ‘conversamos sobre muitas coisas e eles puderam mostrar-me que estavam bem actualizados sobre o Gladio’. (17)

Em 1968, Franco também enfrentou protestos estudantis revolucionários internacionais. Temendo grandes protestos públicos, o Ministro da Educação espanhol pediu ao chefe do «SIAEM», General Martos, que realizasse operações secretas contra as universidades.

O almirante Carrero Blanco, intimamente ligado à CIA, criou em Outubro de 1968 uma nova unidade especial para a guerra secreta chamada OCN no âmbito do SIAEM, visando estudantes, seus professores e todo o movimento social revolucionário.

Depois de uma série de operações bem-sucedidas, em Março de 1972 Blanco decidiu transformar a subsecção OCN do SIAEM num novo serviço secreto, que chamou de SECED (Servicio Central de Documentation de la Presidencia del Gobierno), colocado sob o comando de José Ignacio San Martin Lopez, que dirigia a OCN desde 1968. (18)

De acordo Pietro Cedomi, a SECED cultivou laços muito próximos com o exército secreto espanhol da Gladio, com muitos agentes a serem membros de ambos os exércitos secretos, enquanto o stay-behind na Espanha reprimia brutalmente os protestos estudantis e professores declarados. (19)

A ditadura de Franco durante a Guerra Fria serviu como porto seguro para muitos terroristas de direita que tinham participado da guerra secreta anticomunista na Europa Ocidental. Marco Pozzan, extremista de direita italiano e membro da organização de direita italiana Ordine Nuovo, revelou em Janeiro de 1984 ao juiz Felice Casson, que mais tarde descobriu o exército secreto da Gladio e, que toda uma colónia de fascistas italianos tinham-se instalado na Espanha durante os últimos anos do governo de Franco.

Mais de 100 conspiradores fugiram da Itália depois do príncipe Valerio Borghese ter organizado uma tentativa neofascista de derrubar o governo italiano em 7 de Dezembro de 1970. Os extremistas de direita, que incluíam o próprio Borghese, bem como Carlo Cicuttini e Mario Ricci, reagruparam-se na Espanha sob a liderança do notório terrorista de direita internacional Stefano Delle Chiaie, que durante o golpe com seus homens ocupou o Ministério do Interior.

Na Espanha, Delle Chiaie ligou-se a extremistas da direita de outros países europeus, onde se incluem Otto Skorzeny, ex-nazi, Yves Guerain Serac, ex-oficial francês da ilegal Organização Armee Secrete (OAS) e líder da Gladio ligada à Aginter-Press da CIA sediada em Portugal.

Otto Skorzeny foi contratado pelo serviço secreto de Franco como ‘consultor de segurança’ e contratou Delle Chiaie para atacar oponentes de Franco na Espanha e no exterior, onde executou mais de mil ataques sangrentos, incluindo cerca de 50 assassinatos.

A guerra secreta na Espanha foi caracterizada por assassinatos e actos de terror. Membros do exército secreto de Delle Chiaie, incluindo o direitista italiano Aldo Tisei, confessaram mais tarde aos magistrados italianos que durante o exílio espanhol eles tinham rastreado e matado antifascistas em nome do serviço secreto espanhol. (20)

Marco Pozzan, que fugiu para a Espanha no início de 1970, revelou que ‘Caccola‘, alcunha dada a Delle Chiaie, era bem pago pelos seus serviços na Espanha. ‘Ele fez viagens muito caras. Sempre de avião, incluindo voos transatlânticos. Recebeu o dinheiro principalmente do serviço secreto espanhol e da polícia. Entre os alvos do terrorista da direita estavam os terroristas do ETA (Euskadi Ta Askatasuna (Pátria Basca e Liberdade – Ndt)) que lutavam pela independência basca.

A unidade e os seus apoiantes estavam sob o comando de Caccola infiltrado por agentes provocadores. ‘Sabemos que Caccola e o seu grupo operaram sob as ordens da polícia espanhola contra os autonomistas bascos’, lembrou Pozzan. ‘Lembro que durante uma manifestação em Montejurra, Caccola e seu grupo organizaram um confronto com grupos políticos da oposição. Para que a polícia espanhola não pudesse ser acusada de intervenção violenta e repressiva injustificada, Caccola e o seu grupo tiveram a tarefa de provocar e criar desordem. Neste caso particular, houve até vítimas. Isso foi em 1976.’ (21)

(1) In his introduction to Ian Mac Dougall, Voices from the Spanish Civil War. Personal Recollections of Scottish Volunteers in Republican Spain, 1936-1939 (Edinburgh: Polygon, 1986).
(2) Paul Vallely, Romancing the past: Sixty years ago, thousands of men and women went to fight in the Spanish Civil War. Are there any ideals for which we would take up arms today? In: British daily The Independent, July 22, 1996.
(3) Brian Catchcart, They kept the red flag flying: It is 60 years since General Franco launched his assault on the Spanish Republic and thousands of young Britons joined the International Brigades to defend it. What drove them to leave homes, jobs and fam-ilies, risking their lives? And what did they find when they returned? In: British weekly The Independent on Sunday, July 21, 1996.
(4) US daily The New York Times, October 16, 1936.
(5) James Hopkins, Into the Heart of Fire. The British in the Spanish Civil War (Stanford: Stanford University Press, 1998), p. 29
(6) Example taken from the British daily The New Statesman, April 26, 1958.
(7) Calvo Sotelo asegura que Espana no fue informada, cuando entro en la OT’AN, de la existencia de Gladio. Moran sostiene que no oyo hablar de la red clandestina mientras fue ministro de Exteriores. In: Spanish daily El Pais, November 21, 1990.
(8) Roger Paligot and Remi Kaufer, Le Maitres Espions. Histoire mondiale du renseignement. De la Guerre Froide a nos jours (Paris: Editions Robert Laffont, 1994), p. 282.
(9) Faligot and Kaufer, Espions, p 284.
(10) For  a  good  biography  on  Franco  compare  Paul  Preston,  The  folly  of  appeasement: Franco: A Biography (London. HarperCollins, 1993).
(11) Faligot and Kaufer, Espions, pp. 281-285.
(12) Calvo Sotelo asegura que Espana no fue informada, cuando entro en la OTAN, de la existencia de Gladio. Moron sostiene que no oyo hablar de la red clandestina mientrasfue ministro de Exteriores. In: Spanish daily El Pais, November 21, 1990.
(13)cFaligot and Kaufer, Espions, p. 55.
(14) Angel Luis de la Calle, Gladio: Ligacoes obscuras em Espanha. In: Portuguese daily Expresso, December 8, 1990.
(15) Josef Manola, Spaniens Geheimdienste vor der Durchleuchtung. Naehe zu Rechtsradikalen. In: German daily Der Standard, November 17, 1990.
(16) The Swiss Gladio investigator judge Cornu later simply claimed that Moyen was an untrustworthy source.
(17) Calvo Sotelo asegura que Espana no fue informada, cuando entro en la OTAN, de la existencia de Gladio. Moran sostiene que no oyo hablar de la red clandestina mientras fue ministro de Exteriores. In: Spanish daily El Pais, November 21, 1990.
(18) Faligot and Kaufer, Espions, p. 285.
(19) Pietro Cedomi, Services Secrets, Guerre Froide et ‘stay-behind’ Part III. Repetoire des resaux S/B. In: Belgian periodical Fire! Le Magazin de l’Homme d’Action, November/ December 1991, p. 83.
(20) Stuart Christie, Martin Lee and Kevin Coogan, Protected by the West’s Secret Services, Hired by South American’s Drug Barons, the Man they called ‘Shorty’ Terrorised Two Continents. In: British periodical News on Sunday Extra, May 31, 1987. Christie is a leading expert on Delle Chiaie. Compare his book Stuart Christie, Stefano Delle Chiaie (London: Anarchy Publications, 1984).
(21) Miguel Gonzalez, Un informe oficial italiano implica en el crimen de Atocha al ‘ultra’ Cicuttini, relacionado con Gladio. El fascista fue condenado en el proceso que ha sacado a la luz la estructura secreta de la OTAN. In: Spanish daily El Pais, December 2, 1990.

Os exércitos secretos da NATO

Os exércitos secretos da NATO – PREFÁCIO

Os exércitos secretos da NATO – RECONHECIMENTOS

Os exércitos secretos da NATO – INTRODUÇÃO 

Os exércitos secretos da NATO – Ataque terrorista em Itália

Os exércitos secretos da NATO – A GUERRA SECRETA EM PORTUGAL – 1ª parte

Os exércitos secretos da NATO – A GUERRA SECRETA EM PORTUGAL – 2ª parte

Os exércitos secretos da NATO – A GUERRA SECRETA EM ESPANHA – 1ª parte

Os exércitos secretos da NATO – A GUERRA SECRETA EM ESPANHA – 2ª parte 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informação

This entry was posted on 27 de Dezembro de 2020 by in guerra fria, Nato, Redes militares secretas stay-behind and tagged , , , , .

Navegação

Categorias

Follow A Arte da Omissao on WordPress.com
%d bloggers like this: